Sala do New Directions

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sala do New Directions

Mensagem por Stalker em Seg 15 Set 2014 - 21:03

Relembrando a primeira mensagem :

Sala do coral - New Directions

É uma sala quadrada com vários instrumentos musicais e cadeiras vermelhas onde ficam os membros do Clube, uma lousa branca onde ficam as listas com as tarefas da semana.E um prateleira com os troféus que o Clube já ganhou. Ao fundo uma enorme prateleira de madeira com várias partituras e fotos em quadros de algumas performances mais marcantes do coral. A sala é bem iluminada devido ao número de janelas encontradas nas partes de cima das cadeiras.    

____________________



The your ghost, the ur image. I'm the stalker!

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Sala do New Directions

Mensagem por Isabelle Leotta em Dom 21 Dez 2014 - 21:07




Era natal, eu adorava essa época, como uma boa italiana essa época era para se passar com a família e os amados comendo massas e tiramisu, a Itália sempre ficava bela nessa época do ano, mas infelizmente eu já não estava na Itália e hoje era o dia de uma confraternização no grupo de coral Novas ereções ou algo parecido, eu sempre poderia faltar e ir para casa fumar um pouco enquanto me entupia de chocolate, mas desde aquela situação estranha na cozinha com Hyuna estava evitando estar em lugares que ela poderia estar. Não conhecia ninguém do New Directions, mas estava curiosa com quem poderia aparecer, afinal já vi de longe algumas pessoas e tinha algumas gostosas que valiam a pena serem observadas.
Ao me ver diante da porta da sala do coral hesitei um pouco, seria estranho chegar do nada assim, mas nunca me importei com essas merdas mesmo. Abri minha bolsa e tirei um pequeno frasco abrindo-o e tomando um longo gole do conteúdo que queimou a minha garganta antes de guarda-lo e entrar na sala um pouco mais confiante graças ao álcool. Meus olhos percorreram a sala e visualizei algumas pessoas, tinha um garoto que era obviamente gay se a gravata ridícula que vestia era alguma indicação, quem ele tava tentando ser? Chuck Bass? Tava mais para Jake Bass. Tinha uma garota de pele escura que era sexy demais, nunca tinha visto ela pelo McKinley então imaginava que não fosse daqui e do lado dela tinha outra que também não tinha visto que tinha olhos azuis, passei a língua por entre os lábios. Isso poderia ser interessante.
Vi mais algumas pessoas desconhecidas e alguns do New Directions que já havia visto pelos corredores, sorri maliciosamente ao ver uma das gêmeas que tanto haviam me interessado, a de cabelos rosa, se ela não tivesse aquele cabelo com cor de chiclete eu até daria em cima dela, mas a sua irmã morena parecia ser mais interessante, sempre preferi as caladas mesmo. Fui para uma cadeira no canto da sala e tirei o frasco novamente voltando a beber discretamente enquanto observava as pessoas no local.

Usando: This || Tags: Others || Notes: It's Christmas!@
 

____________________


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Dinah Elise Hansen em Dom 21 Dez 2014 - 21:09


Christmas baby.
Its Christmas!


Merry Ho ho.  Estávamos quase prontas para partimos para o encontro de corais de Ohio para enfeitarmos a árvore de Natal que se encontrava na sala do coral chamado New Directions. As meninas se encontravam prontas e enquanto eu terminava de passar em meus lábios carnudos um batom vermelho cor sangue, elas aproveitavam o tempo que lhes entregava para tirar suas famosas shelfies com direito a poses e biquinhos. Havia recebido um convite de um homem que se chamava William Schuester, o treinador do coral que havia tornado seu espaço para nos receber, as meninas e eu não pensamos duas vezes, aceitamos. Não éramos competitivas para um lado ruim, ser competitivo qualquer um é, mas existe uma pessoa competitiva saudavel e a outra. - Vamos garotas? - Lhes disse.

Haviamos chegado ao local do encontro, estava eufórica, todos os corais rivais iriam se encontrar para celebrar uma data que, particularmente, eu adorova, amava o natal, a neve, a comida e tradição inteira, certamente eu amava o natal. Lauren e Camilla haviam adentrado o local primeiro e logo atrás cheguei com Normani e Ally ao meu lado, Normani faz um comentário para mim. - É, eu gostei, parace bem acolhedor. - Respondi para ela com um sorriso, Normani estava agarrada em meu braço. Um garoto branco, estrutura corporal normal para a idade dele, olhos verdes e cabelo banhado em gel nós recebeu elegantemente, seu nome, era Blaine. Ele era bonito e ao que parecia ser, bastante simpático para quem estava recebendo um coral rival em seu espaço. Gel, Normani havia percebido o mesmo que eu, percebi quando ela me olhou. Normani e seus momentos. - Obrigado por nós receber, Blaine. - Respondi para o garoto. - É muito gentil da sua parte ser tão receptivo conosco. - Ele me respondeu com um sorriso ainda mais simpático. Depois começamos a pendurar alguns papai noeis na arvores enquanto catarolava "Jingell Bell Rock".



first tag | second tag | third tag

All I Want For Christmas Is You.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Yris Bertrand Mckinley em Dom 21 Dez 2014 - 21:45


WHY CAN'T THE MOON STAY FULL FOREVER
Várias pessoas chegavam, e conforme o número aumentava, eu me sentia perdidamente estranha. Não era diferente da Winterfield, porém, lá eu me sentia pelo menos... Confortável. Ninguém olhava para você parecendo estar prestes a te esganar. Se bem que, se tentassem, eu revidaria sem nem pensar duas vezes. Resolvi ignorar a maioria das pessoas que chegavam, e terminei por contornar a árvore, ouvindo uma voz masculina sibilar algumas coisas. Me virei para encarar o dono, um sorriso pequeno plantado nos lábios. Ele era muito bonito. Estava se prontificando a ajudar com a caixa. Será que ele era daquela escola? Pela forma como ele chegou, não sabia quem eu era, o que me fez alargar ainda mais o fino sorriso, tornando-o largo e verdadeiramente simpático. Era impressão minha, ou Normani estava me induzindo a ficar perto de Camila? Isso não era certo.

Oh, sim, sim. Me chamo Lauren. E você? — Perguntei, o encarando.

De uma forma tímida, passei a caixa para o rapaz, olhando rapidamente para trás, mordendo o lábio ao ver as meninas distraídas. Preferia assim, não gostava quando fazia algo, e todas olhavam. Me sentia nua, por que cada uma delas me conhecia de uma forma que nem minha família poderia conhecer.

Obrigada pela ajuda. — Disse, pegando um papai noel da caixa — Você é daqui? Desta escola? — Tentei puxar assunto.

O olhei por alguns segundos, esperando por alguma resposta.


IT'S NOTHING THAT I NEED TO SAY


____________________

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Adm em Dom 21 Dez 2014 - 21:48

The Falling Tree

Natal, a época do ano em que todos repentinamente viram boas pessoas e resolvem ajudar o próximo. Minha época menos favorita do ano, toda aquela animação e felicidade chega a dar nos nervos.
Fechei meu moletom devido ao frio e segui o corredor na direção da sala do ND, e apesar da escola supostamente estar vazia pelo fim das aulas, um grande numero de pessoas ainda circulavam pelos corredores, mas não eram alunos e sim membros de corais de toda a cidade, de Warbles a Vocais, de ND's a Harmonizers... Pelo menos um lado bom no natal era que não precisaria ficar vendo os integrantes dos corais tentando se matar.
Entrei na sala e com raras excessões todos iam para lá e para cá colocando enfeites na arvore enorme que estava localizada no centro do lugar. Qual a necessidade de ter uma arvore tão grande dentro de um ambiente fechado? Pensei em me sentar e ficar observando todos fazerem o trabalho mas decidi ajudar contra vontade a decorar aquele simbolo capitalista, passando os enfeites das caixas para as mãos das garotas que decoravam o lugar.
Ohio





Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Liam Patrick St James em Dom 21 Dez 2014 - 21:55

Finalmente alguém que não fosse tão ridículo como a maioria das garotas de outras escolas, ela era simpática e tinha um belo sorriso, ainda por cima puxava assunto, dei um sorriso pegando a caixa caminhava junto de Lauren até que me deparei com Milena...ela estava um pouco mudada, rebelde vamos dizer assim, após me fazer careta e soltando um comentário desnecessário em alto e bom som para que todos ali ouvissem, rapidamente desviei o olhar para Lauren retornando a nossa conversa. - Bom, me chamo Liam é um prazer te conhecer, sou da Carmel, mas já estudei aqui e inclusive participei do New Directions...- desviava o olhar para Milena novamente desta vez com um tom sarcástico para provocar a garota:- Um amor de pessoa como sempre não é? Ah e aliás...gostei do cabelo. - dei uma gargalhada em quando dizia para quem quisesse ouvir. Franzi a testa olhando novamente para Lauren:- Bom...já quer começar a decoração ou vai conversar com o pessoal um pouco? Se quiser eu coloco a caixa por aqui. - olhava para os lados procurando um local mais adequado para colocar a caixa.
Queria agradecer não só a Jeová mas também a Jesus pela futura morte de Sam Evans :cora:



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Isabelle Leotta em Dom 21 Dez 2014 - 22:12

Yeah he found a six shooter gun
In his dad's closet in a box of fun things
And i don't even know what But he's coming for you, yeah he's coming for you All the other kids with the pumped up kicks You better run, better run, outrun my gun All the other kids with the pumped up kicks You better run, better run faster than my bullet

Estava sentada naquela cadeira já por alguns instantes e estava começando a ficar chato além da minha bebida já estar no fim. Olhei para o centro da sala e percebi que estavam ajudando a decorar aquela enorme árvore, aquilo parecia o pênis do Kid Bengala, não sabia o motivo pra ser tão grande, mas bem, tinha gosto para tudo não é? Levantei um pouco irritada e passei as mãos pelo cabelo ajeitando os fios rebeldes que teimavam em ficar no local, guardei o frasco vazio na bolsa um pouco decepcionada pelo final.
Olhei em busca de alguém para conversar e encontrei um loiro que estava perto das caixas parecendo que não gostaria de ficar ali, ele era gostoso e parecia um Ken em vida real se não fosse pela boca enorme eu até que transaria com ele, mas aquela boca me incomodava, parecia que ele iria me comer e não no bom sentido. Dei de ombros e fui para perto dele lhe ajudar a entregar as decorações para as garotas. - Você não gosta de Natal ou simplesmente não gosta de pessoas? - Perguntei ao garoto com a sobrancelha arqueada.

Thanks Tess

____________________


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Marley Rose em Dom 21 Dez 2014 - 22:42



I love Christmas.

Christmas.




"
Sr. Schue havia convidado todos os nossos corais rivais para enfeitar nossa árvore de natal, eu havia gostado da ideia, natal é a época do ano em que temos que esquecer as diferenças e as rivalidades e nos unir. Estava me sentindo uma filha ingrata, pois com tudo que estava acontecendo, havia deixado minha mãe de lado e isso me fazia eu me sentir péssima, mas logo iria demonstrar meu amor por ela, lhe comprando um lindo presente de natal, um presente digno para uma pessoa como ela, mãe como ela não existia. Todos os corais iriam aparecer, Vocal Adrenaline, Troubletones, The Warblers e um novo coral liderado por um grupo de meninas que se chamava Fifth Harmony. Alguns membros do New Directions não haviam concordado com a ideia do nosso diretor, era uma pena que todos não tivessem a mesma visão que eu tinha. Era uma pena mesmo.

Blaine recepciona o grupo de garotas de Winterfield, elas eram lindas. Todas elas. Pareciam um grupo de bonecas perfeitas. Pude perceber que as garotas simpatizaram com Blaine, então resolvi colocor alguns enfeites que tinha. - Sr. Schuester, minha mãe me entregou mais alguns enfeites para nossa árvore, ela lamenta muito por não poder comparecer, disse tinha muitas coisas para terminar na cozinha, mas mandou para todos nós um feliz natal. - Lhe disse. Continue com minha pequena participação no evento, e aos poucos fui criando coragem para receber nossos convidados, até que ouvi um comentário de Milena que não foi nada positivo. - É natal Milena, tempo de paz e união, não é lindo ver todos os nossos até então rivais se unindo a nós para uma única causa? -  Nossos convidados começaram a se soltar e integarir mais conosco, alguns com certa resistencia e outros com certa facilidade. Um deles foi um garoto do Vocal Adrenaline, Liam, alguns já lhe conheciam. Resolvi me apresentar para ele e para uma das garotos da academia Winterfield que estavam conversando. - Olá, meu nome é Marley e sou do New Directions, então, se precisarem de qualquer coisa estou aqui para ajudar, Me desculpem atrapalhar. - Lhe disse saindo de perto de ambos e voltando para a árvore.
"



tagged: you. wearing: clothes notes nananana

thanks flarnius @ ops



____________________


All Or Nothing
There's nothing you can say to blow my dreams away

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Allyson Brooke em Dom 21 Dez 2014 - 22:53


Christmas Party

Me,my girls and the christmas



"Passar o tempo com as minhas garotas sendo,bem...Apenas Ally era incrivelmente gratificante. Seria ótimo poder ser só eu,sem o peso do nome ou do grupo ou dos inúmeros compromissos que tínhamos. Não que eu estivesse reclamando! Era grata pelas oportunidades que tínhamos, mas um tempo sem a fama seria como finalmente tirar umas férias.
Enquanto Dinah terminava de se aprontar eu e as outras tirávamos selfies e mais selfies,fazendo bicos, caretas e poses engraçadíssimas. Eu ria e me divertia como nunca antes,até esquecendo-me do porque de estarmos ali: fomos convidadas para um encontro de corais na escola daqui e estaríamos "disfarçadas" como alunas de Winterfield. Ótimo! No momento eu vestia um shorts jeans,uma camisa branca com franjas na frente e uma bota de cano curto preta. Meus cabelos estavam soltos e eu como acessório usava brincos discretos e um colar que ganhara de Lauren em uma das viagens que fizemos.Minha maquiagem também estava leve - apenas lápis de olho,blush e batom - pois não queria chamar atenção negativa naquele colégio - tinha que causar uma excelente impressão.
O Natal era uma das minhas épocas preferidas, não pelos presentes, mas pelo significado de nos voltar para nossos amigos e familiares e aproveitá-los ao máximo. Eu amava minhas meninas,e esta era a época perfeita para demonstrar isso. Chegamos ao colégio e eu ia caminhando ao lado de Dinah e Normani,conversando com ambas. Um pouco mais à frente, Camilla e Lauren caminhavam juntas. Eu, distraída, admirava tudo e todos ao meu redor imaginando como seria se eu fosse apenas mais uma garota naquela escola observando um quinteto um tanto quanto chamativo adentrar seu "território". Eu ficaria, no mínimo,muito curiosa. Um garoto branco de olhos verdes e cabelo banhado em gel nós recebeu.Seu nome: Blaine. Apesar de sermos "rivais" dele,ele foi simpático e nos deu um lindo sorriso. Lauren fez as apresentações e fomos direto para a sala do Coral trabalhar. Cantarolava "All I Want For Christmas Is You" enquanto pendurava algumas renas e presentinhos em locais mais baixos da árvore, devido à minha baixa estatura.






Tags: Aqui | Notas: Aqui | Ouvindo: Aqui | Vestindo: Link aqui


Coded By:@Lila!| For: @MDD

____________________

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Beatrice Graeff Ohlweiler em Dom 21 Dez 2014 - 23:28


MERRY CHRISTMAS
Lidar com a TPM, pra mim, nunca fora uma coisa fácil. É algo que muda meu temperamento e me deixa extremamente chateada. E ficar assim no Natal não é nada agradável.
Liam me deu uma resposta nada gentil, como era de se esperar.
- Que pena que não é você quem está usando. - Disse, sarcástica, em relação ao cabelo. Não estava muito feliz com aquilo. Essa ideia de juntar todos os corais não pode mesmo ter sido uma boa ideia. Mas não deixaria que aquilo estragasse o meu Natal.
Levantei-me e fui até Marley, que arrumava a árvore, junto de outras pessoas. Estava próxima a Liam, mas o ignorei.
- Está ficando linda. - Sorri. - Deixe-me ajudar!
Peguei uma bolinha vermelha e pus na grande, e mais verde que nunca, árvore. Por ela ser espelhada, pude ver Sam Evans entrando pela porta.
- SAM! - Gritei, correndo em sua direção e o abraçando, logo em seguida. Vi que ele não estava muito animado para aquilo, mas o puxei para a árvore mesmo assim. - Vem, pode se animar! Coloca isso aqui pra gente. - Dei a ele uma parte das luzes natalinas, para que ele colocasse lá no alto.
Pela quantidade de pessoas presentes em um mesmo local, acabava andando envolta da árvore, acidentalmente. E logo percebi que todos faziam aquilo. Estava, provavelmente, bonito de se ver.
Como estávamos em uma sala de coral, sempre tem uma boa alma que começa a tocar piano do nada. Alguém, que eu não sei quem, começou a tocar All I Want for Christmas Is You, música que todo mundo conhece. Ele tocou parte da música uma vez e ninguém pareceu notar. Foi quando ele parou e começou tudo de novo que eu olhei para Sam, sorrindo, e depois para Marley, do mesmo jeito.

I don't want a lot for Christmas
There is just one thing I need

O piano era o único instrumento que se ouvia, por isso minha voz saiu bem alta e limpa. Não fazia tanta firula quanto a Mariah, mas utilizava de alguns recursos necessários e alcançava notas bastante difíceis. Nós continuávamos andando, como se tivéssemos combinado aquilo. Aumentei um pouco minha voz e continuei a cantar.

I don't care about the presents
Underneath the Christmas tree

A árvore não estava pronta, mas estava bem arrumada. Peguei a maior estrela de todas e dei a Sam, que era alto e conseguiria por aquele enfeite no topo. Me afastei um pouco para ver como estava ficando. Linda! Eu, que estava tão mal humorada, sorri e corri de volta para a árvore, ajudando Sam a colocar o resto das luzes ali.

I just want you for my own
More than you could ever know

Me virei para o loiro, que também virou para mim, assim que acabamos. Pus uma de suas mãos em minha cintura e segurei a outra. Começamos a dançar uma valsa desengonçada. Girei em um dos seus braços e chamei Marley com a mão, na hora em que a vi. Quando estava de frente para Sam novamente, apontei para ele na hora do "you" e comecei a gargalhar.

Make my wish come true
All I want for Christmas is you

Atingi uma nota que me deixou realmente orgulhosa, mas não deu tempo de ligar para isso. Logo corri dali, sorrindo, e subi até o mais alto degrau, aonde ficavam os assentos.

Milena estava com os New Directions em William McKinley e usava o que está escrito no post. antes que me esqueça, esse é o post de número 001 e esse template foi feito pela clumsy do sa

____________________

SAM * DIANNA * ALPHONSE * ALEX TURNER
Graeff Power

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Adm em Seg 22 Dez 2014 - 15:05

The Falling Tree

Eu me sentia um robô pegando os coisos das mãos de alguém e passando para as mãos de outra pessoa, até que uma garota aleatória veio falar comigo, uma TT se não me engano. -Não gosto de natal. Respondi fazendo uma careta e passando uma rena de enfeite para suas mãos. Mas antes que pudesse falar qualquer coisa, ouvi meu nome ser gritado e uma Milena voadora me atingir e me arrastar para pendurar algumas luzes para ela. Me conti para não fazer alguma piadinha sobre altura e tomar um chute na canela.
Me estiquei e enrolei os piscas-piscas na árvore, tomando cuidado para não me enrolar naqueles fios, o que não seria algo difícil de se acontecer. -Aqui está bom? Perguntei para a garota de cabelos rosas, apontando para as luzes. Mas estando em uma sala de coral, com integrantes de todos os corais, não me surpreendi por ouvir o som do piano começar a tocar alguma música desconhecida para mim.
Olhei para Milena e vi aquele olhar que ela sempre dá quando vai começar a cantar aleatoriamente e eu pensei "músicas de natal não", mas o karma aparentemente não estava a meu favor e ela começou a cantar algum clássico de natal. Não consegui deixar de sorrir com a animação da garota e segurei aquela estrela gigante enquanto ela dava voltas na arvore de natal.
Me virei para ela e a garota me puxou para uma valsa desengonçada, se tinha uma coisa que eu não sei é dançar, então torci para não cair ou pisar no pé dela ou qualquer coisa do gênero. Balancei a cabeça rindo com sua coreografia improvisada e quase quebrei a cabeça pensando no que fazer, pois obviamente ela iria querer que eu continuasse a música e eu não fazia a menor ideia da letra.
Para não deixá-la cantando sozinha, lembrei da única música de natal que sabia letra, pois Milena tinha colocado para tocar infinitas vezes da ultima vez que havia ido em casa. Comecei a bater palma no ritmo da música e olhei para ela, minha voz saindo de maneira incerta, quase que com medo de errar a letra e ser atacado por todos aqueles amantes do natal.

Santa tell me if you're really there
Don't make me fall in love again
If he won't be here next year

Caminhei até ela, saltando os degraus e a erguendo da cadeira para ir até o centro da sala comigo, e mandando um olhar de SOS para Marley que estava perto da árvore para que me ajudasse com aquilo.

Santa tell me if he really cares
Cause I can give it all away if he won't be here next year

Segurei a estrela e olhei para o alto da árvore pensando em como colocá-la e continuei  a bater o pé no ritmo da música da Ariana Grande, depois olhei para Milena e Marley esperando que elas continuassem a cantar antes que eu fizesse alguma besteira com a música.
Ohio



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Marley Rose em Seg 22 Dez 2014 - 16:36



I love Christmas.

Christmas.




"
O clima de natal estava surgindo na sala do New Directions, todos estavam interagindo com todos. Alguns, como Milena, estavam uma certa resisistência, outros como as garotas do Fifth Harmony estavam se sentindo em casa, e esse era o nosso objetivo. Eu estava me sentindo tão bem e em paz que havia me disperçado da preocupação de ter "abandonado" minha mãe. Tinha certeza de que ela estava bem. Milena resolveu me ajudar a colocar alguns enfeites na árvore, talvez meu pequeno comentário sobre o espirito de natal tenha ajudado. - Está tão linda. - Comentei.  

Percebi que Milena estava com a intenção de cantar, músicas natalinas eram perfeitas para aquela ocasião, se cantassemos, todos iram se soltar e interagir mais uns com outros. Assim que Milena começou a cantar, me balançava pendurando alguns enfeites que tinha em minha caixa. Depois fui pega de surpresa por Milena que começou a dançar comigo e logo em seguida dançou com Sam, dando espaço para que ele continuasse com a canção, mas Sam resolveu renovar, o garoto começa a cantar uma pequena estofre de Santa Tell Me de Ariana Grande. Nossos convidados estavam gostando, pude ver todos, todos mesmo, dançando de suas maneiras, eles estavam entrando de fato no espirito natalino. Resolvi me juntar a eles, mas voltaria para musica que Milena havia começado a cantar, talvez poderiamos fazer uma Mashup.

I don't want a lot for Christmas
There is just one thing I need

Caminhei até as meninas do Fifht Harmony que agora se encontravam empacotando alguns presentes, percebi que elas haviam se sentindo totalmente a vontade, pois começaram a fazer um backing vocals como "Ah" enquanto eu cantava, aproveita a oportunidade que me foi dada e comecei a dançar com elas. Uma garota (Normani) me girou e assim me afastei delas, agora caminhando em volta da arvore, a observando.

Don't care about presents
Underneath the Christmas tree

De repente fui pega de surpresa, o garoto que estava de implicancias com Milena, Liam, me puxou para dançar, ficou totalmente coroada, mas resolvi ignorar e aproveitar, certo para dança eu não levava muito, mas resolvi seguir os passos do garoto que tinha escolido o ritmo valsa para dançar comigo, giramos em volta da arvore e depois ele beijou minha mão, sorri para ele agradecendo a pequena dança. Ele era muito simpático para ser do Vocal Adrenaline.

I don't need to hang my stocking
There up on the fireplace

Santa Claus won't make me happy
With a toy on Christmas day

Caminhei até algumas pessoas que estavam abrindo algumas caixas, peguei duas bolinhas, uma vermelha e outra verda, coloquei em frente aos meus olhos, dei três pulos para frente, depois as entreguei para uma das garotas do Fifth Harmony para que pendurasse na arvore, logo após dei um lindo top num presente de natal e o entreguei para Liam, para que ele o colocasse embaixo da arvore. Apontei para Milena para que continuasse.


"



tagged: you. wearing: clothes notes nananana

thanks flarnius @ ops



____________________


All Or Nothing
There's nothing you can say to blow my dreams away

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Nêmesis em Ter 30 Dez 2014 - 23:12

The Return of MDNA
We're shinning like a Illuminati

Fechei minha lancheira colorida do SuperMan. Subi até o primeiro andar. Tomei um gole de café. Entrei na sala do New Directions e percebi eu estava adiantado, não havia ninguém lá. Peguei algumas cifras de música enquanto pensava na próxima tarefa, quando, antes que eu pudesse perceber, o sinal tocou. Centenas de alunos começaram a correr por todos os lados, passando em frente a porta da sala, alguns foram entrando, outros descendo as escadas, e outros subindo. Quando a sala parecia cheia, olhei para eles e disse: -Bem vindos de volta. Espero que tenham aproveitado as férias. Mas agora vamos voltar com força total. E, com um tributo a Billy Holliday um dos maior... - Antes que eu pudesse continuar percebi que a maioria dos alunos revirou os olhos, e bufou, como se estivessem cansados, então tive que pensar rápido. "Algo clássico, porém divertido e musical...algo que já animou eles... pera, isso!!" -Madonna!! Essa semana vamos homenagear novamente a rainha do Pop e seu novo Pré Order "Rebel Heart". Então, escolham suas canções favoritas, duetos, solos, tanto faz. Apenas, sejam rainhas. - Eles olharam para mim um pouco surpreso, mas acabaram sorrindo e aplaudindo. "Parabéns William, você é realmente o rei das situações apertadas."

Tema: Madonna
Período: 30/12/2014 - 09/01/2015

Thanks Zypher at @TTG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Kitty Wilde em Sex 2 Jan 2015 - 3:04



I'm a unapologetic bitch!
tags: New Directions X Notes: Diva X Clothes: This X Música: Unapologetic Bitch
Eu ainda não sabia o que estava fazendo junto de todos aqueles perdedores na sala do New Directions, depois do natal treinadora Sylvester havia me pedido para que eu vigiasse aquele coral de quinta categoria depois do fiasco de Quinn Caboosey Fabray e eu em um surto de loucura havia aceitado e estava me arrependendo completamente. O coral formado por garotas apesar de ter um enorme cheiro de couro era mais talentoso que esse coral de perdedores e a maioria das líderes de torcidas participavam dele, mas eu estava lá? Não, eu tinha que ficar observando Rachel perdedora Berry e seus amiguinhos. Meus devaneios foram interrompidos quando escutei a palavra Madonna soar na sala e depois de ficar confusa sobre quem havia falado da rainha e deusa do pop finalmente identifiquei a voz como de William Schuester, o professor de espanhol e treinador desse coral de perdedores como ele, acho que até o meu cachorro falava espanhol melhor do que ele. Parece que aquela semana seriam músicas da Madonna para homenagea-la e o seu novo album Rebel Heart. Revirei os olhos imediatamente, eu não iria suportar aquela anã fugida do mundo de Tolkien estragar mais uma música que eu adorava.
Um sorriso maldoso surgiu em meus lábios, já sabia o que iria fazer. - Eu não vou deixar a placenta do feto da Cher estragar uma música da deusa e rainha Madonna. - Falei olhando para a anã do mundo de Tolkien em um tom maldoso, levantei de minha cadeira e andei para o centro da sala com passos lentos. - A única que pode fazer uma música da Madonna nessa sala sou eu, afinal eu sou loira, bonita, atraente, ótima dançarina e poderosa ao contrário de todos vocês, sou praticamente uma Madonna sem as rugas. - Falei dando de ombros aos olhares dos outros integrantes no coral, eu não me importava com o que achavam, o que eu disse era verdade.
Will Schuester havia se afastado quando cheguei no centro da sala, encarei os membros do coral e meu olhar parou em uma garota com roupas que poderiam ser consideradas pano de chão. - Principalmente a filha da cozinheira, você nunca chegará perto da Madonna a menos que acabe fazendo a comida em um hotel que ela se hospede, o que eu também dúvido que aconteça querida. - O brilho no meu olhar era malicioso, Marley era tão fácil de atingir. - A única vadia sem remorsos que consegue ser como a Madonna sou eu. - Falei e olhei para a banda estalando os dedos e eles tomaram esse sinal para começar a tocar.
Woke up this morning feeling good that you were gone
Hurt for a while, but I'm finally moving on
Said it, Did it, Hit it, Quit it
Then you let it go
See you tried to call me, but I blocked you on the phone
It took a minute, but by now I'm feeling strong
It almost killed me, but I'm better off alone
Now you say it that you're sorry, I don't wanna know
Better face the fact you had to go
As batidas da música puxavam um ritmo um pouco mais reggae e minha admiração pela Madonna só aumentou, pra conseguir misturar reggae, eletrônica e pop não deveria ser fácil. Mexi os quadris para os lados durante a introdução instrumental. A letra da canção estava gravada em minha mente desde que ela foi liberada então não me preocupei com isso, também a cantava em todo o lugar e eu era Kitty Wilde, só esse fato me faria arrasar. Cantei em um tom fácil e suave como a própria voz da Madonna, o nosso timbre era parecido e essa canção tinha um clima parecido com as músicas da Gwen Stefani.
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
Algumas cheerios que passavam pelos corredores haviam entrado na sala e se juntaram a mim no início do refrão, iniciamos uma das nossas coreografias que haviamos treinado para as cheerios e que combinava com tal canção. Coloquei ambas as mãos do lado de meu corpo e comecei a rebolar os quadris para os lados nos primeiros versos do refrão em seguida virei para o lado e coloquei ambas as mãos na frente de meu busto rebolando o bumbum. Virei para o outro lado e rebolei meus quadris em uma forma de círculo lenta, eu estava adorando o olhar chocado dos integrantes do coral e a raiva no olhar da anã Berry.
You know you never really knew how much you loved me 'til you lost me
Did you?
You know you never really knew how much your selfish bullshit cost me
Oh, fuck you
It might sound like I'm an
It might sound like I'm an
Andei com passos lentos e sensuais na direção de Finn orca Hudson, não sabia como Quinn Fabray tinha conseguido namorar esse idiota, ele era mais burro que uma porta. Aquele olhar de constipado em seu rosto me dava nojo, mas tive que me conter, eu sabia como a anã Berry gostava dele e seria ótimo lhe provocar. Assim que cheguei diante de Finn girei na frente dele rebolando lentamente meus quadris. Após terminar meu giro me inclinei em sua direção cantando bem próximo de sua orelha antes de me afastar ao começar o penultímo verso daquela estrofe e andar para o centro da sala novamente para me juntar as cheerios que faziam a parte da coreografia.
I know youd like it if I stayed home and cried
But that ain't gonna happen, here's the reason why:
When we did it, I'll admit it, wasn't satisfied
When the gun was loaded you were never on the side
I'm popping bottles that you can't even afford
I'm throwing parties and you won't get in the door
Said it, Did it, Loved it, Hated it
I don't care no more
Tell me how it feels to be ignored?
Duas cheerios me acompanharam para perto do treinador do coral William Schuester, ele estava em pé do lado do piano com um sorriso no rosto, sério, o sorriso dele e aqueles cachos, acho que estava começando a entender o desprezo da treinadora Sylvester por ele. As cheerios andaram ao seu redor e eu cantei diante dele com uma expressão de zombaria. No final da estrofe soltei o meu cabelo e girei o corpo rapidamente fazendo o cabelo bater no rosto de William antes da andar para o centro da sala enquanto as cheerios foram puxar Finn pela camisa, alguns integrantes do coral estavam aproveitando a apresentação e acompanhando como backing vocals.
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
You know you never really knew how much you loved me 'til you lost me
Did you?
You know you never really knew how much your selfish bullshit cost me
Oh, fuck you
It might sound like I'm an
It might sound like I'm an
Comecei a mesma coreografia que havia feito anteriormente mexendo os quadris para os lados só que dessa vez peguei as mãos de Finn que estava atrás de mim parecendo confuso e as segurei em minha cintura. Eu estava adorando a expressão da anã Berry, parecia que ela iria surtar. O sorriso maldoso em meu rosto não saiu quando inclinei meu bumbum para trás pressionando contra a virilha de Finnocence. Virei ficando face a face com Finn e girei diante dele como havia feito anteriormente antes de empurra-lo com a mão para longe, as duas cheerios foram para perto de mim.
Yeah, yeah, yeah, wo-oh
Yeah, yeah, yeah, wo-oh
Yeah, yeah, yeah, wo-oh
Yeah, yeah, yeah, wo-oh
It might sound like I'm an
It might sound like I'm an
Desci até o chão rebolando os meus quadris e fiquei de joelhos, toquei as minhas coxas com as pontas dos dedos inclinando meu rosto para o lado e ao terminar estendi os meus braços para a frente tocando o chão com as mãos, inclinei meu torso para o chão e girei a cabeça fazendo meus cabelos balançarem. Passei as mãos pelos cabelos e virei de lado levantando lentamente rebolando os quadris para os lados. Tolos que achavam que poderiam cantar uma música de Madonna dançando tão mal assim, Finn Hudson era praticamente um boneco de posto de gasolina e anã Berry era muito ridicula para ser tão sensual quanto Madonna.
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
You know you never really knew how much you loved me 'til you lost me
Did you?
You know you never really knew how much your selfish bullshit cost me
Oh, fuck you
Levantei meu braço direito e ergui um pouco minha perna esquerda andando dois passos para a frente antes de descer o braço direito e fazer o mesmo com o braço esquerdo e a perna direita, após descer também o braço esquerdo coloquei ambas as mãos na cintura e desci até o chão rebolando os quadris e levantei inclinando a bunda para trás. Coloquei minhas mãos em uma das minhas pernas e rebolei meu bumbum em movimentos circulares balançando os cabelos para um lado e para o outro. Inclinei uma perna para um lado e a arrastei suavemente para perto duas vezes antes de fazer o mesmo com a outra jogando o cabelo para o lado quando mudei, assim que terminei o movimento coloquei meus cabelos para trás e pisquei para Rachel.
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
It might sound like I'm an unapologetic bitch
But sometime you know I gotta call it like it is
It might sound like I'm an
It might sound like I'm an
Naquele ultimo verso simplesmente levantei os braços e girei rebolando enquanto cantava, eu não queria admitir, mas provocar a anã Berry e estar cantando me divertia muito e eu sabia que estava começando a gostar do New Directions, apesar de que não iria nunca admitir tal fato. Quando terminou a apresentação um sorriso maldoso estava em meus lábios e encarei a anã Berry ainda um pouco ofegante. - Tente fazer melhor hobbit! - Disse antes de ir me sentar após desafiar a Berry.
Thanks Panda

____________________


Demons
Don't get too close It's dark inside It's where my demons hide

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Marley Rose em Sex 2 Jan 2015 - 19:38



Goodbye Kitty

I'm Going Down




"
"Principalmente a filha da cozinheira, você nunca chegará perto da Madonna a menos que acabe fazendo a comida em um hotel que ela se hospede, o que eu também dúvido que aconteça querida." - Essas palavras simplesmente não saiam da minha cabeça, eu continuava pensando sobre o que ela havia dito, e... aquilo tinha me deixado mais pra baixo do que a carreira musical da Lady Gaga. Eu não me sentia tão triste e decepcionada desde que meu pai abandonou eu e minha mãe. Não consegui prestar atenção na performance daquela garota, estava aérea demais. Aproveitei o momento em que as Cheerios entraram na sala, me levantei e sai sem que ninguém notasse.

[...]

Fui direto para as cozinhas falar com a minha mãe. Eu não continuaria naquele inferno, não mesmo. Toda essa tortura ia acabar hoje, nem que eu tivesse que me mudar para o Mississipi e ter aulas com um castor.
"



tagged: you. wearing: clothes notes nananana

thanks flarnius @ ops



____________________


All Or Nothing
There's nothing you can say to blow my dreams away

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Rachel Berry em Sab 3 Jan 2015 - 12:36



Don't Cry For Me
The truth is I never left you.



Fazia muito tempo desde que o McKinley havia me ouvido cantar – inaceitável! Tamanho talento não poderia ficar escondido e muito menos ser esquecido. Impossível. Era a hora de a Estrela brilhar novamente. Pessoalmente,nada me preocuapava: eu sabia do meu talento natural,minha beleza,meu poder....Era uma futura estrela da Broadway,afinal! Mas a garota, Kitty, me preocupava. Ela cantava bem – apesar da voz irritantemente fina – e dançava incrivelmente bem também,além de ter o ego um pouco inflado demais. Eu não a deixaria roubar minha posição e meus privilégios no ND. Ela teria de me matar para ter o meu topo.
Após a apresentação da loira,tratei de afastar estes pensamentos da minha cabeça. Mostraria à todos  quem era a verdadeira Rainha do New Directions com o clássico mais perfeito do mundo – atrás de Barbra Streisand,claro. A melodia começa enquanto eu caminhava até o lugar antes ocupado por Kitty com uma expressão séria e olhar apaixonado no rosto. Meu show começava agora. Paro de frente para o público com ambas as mãos cruzadas à frente do meu corpo. Minha voz soava alta,clara e cheia de emoção,dando a impressão de eu estar frágil e me desculpando por algo. Meu olhar cheio de significado passeava pelos rostos na sala,parando e sustentando o olhar de alguns algumas vezes. Alguns versosera necessário alongar o final,então nestas eu elevava um pouco o tom de voz,deixando-os mais agudos.

It won't be easy, you'll think it strange
When I try to explain how I feel,
That I still need your love
After all that I've done.
You won't believe me
All you will see is a girl you once knew
Although she's dressed up to the nines
At sixes and sevens with you.

Meu olhar o procura e o acha. Finn. O motivo de eu acordar e dormir sorrindo todos os dias e noites. Eu o amava e sabia que era perfeita para ele – ele sabendo disso ou não. Ambos éramos estrelas à nossa maneira. Me aproximo dele e cruzo as mãos no peito, aumentando a emoção contida na voz e no olhar. Agora eu cantava exclusivamente para ele.

I had to let it happen, I had to change;
Couldn't stay all my life down at heel:
Looking out of the window,
Staying out of the sun.

Estendo uma mão para Finn, como se fosse tomar a dele, porém estendo ambos os braços nas laterais do meu corpo em seguida, fechando os olhos e inclinando a cabeça para trás também. Nos versos alongados minha voz ficava mais aguda e suave, não deixando-me desafinar. Eu tinha certeza de todos estarem me observando maravilhados.

So I chose freedom
Running around, trying everything new
But nothing impressed me at all
I never expected it to.

Volto as mãos para o peito,abrindo os olhos e olhando para algum ponto indefinido acima das cabeças de todos. Fico de joelhos,minha saia roçando o chão da sala. Eu canatava com todo o sentimento existente em meu ser,como se realmente estivesse pedindo perdão por algo imperdoável.

Don't cry for me Argentina
The truth is I never left you.
All through my wild days, my mad existence,
I kept my promise, don't keep your distance.

Me levanto  e dou a volta nas cadeiras enquanto cantava, olhando cada um ali, logo encontrando-me com Finn novamente e abraçando-o por trás. Apoio a cabeça em seu ombro no último verso, olhando-o nos olhos significativamente antes de me levantar e voltar ao centro da sala,em foco,onde era o meu lugar.

And as for fortune, and as for fame;
I never invited them in:
Though it seemed to the world
They were all I desired.
They are illusions
They're not the solutions they promised to be,
The answer was here all the time,
I love you, and hope you love me.

Canto a última estrofe com apenas uma das mãos fechada sobre o coração e a outra estendida à frente do corpo,tentando alcançar algo inalcançável. Eu tentava conseguir o perdão de todo um país nesta música. Meu olhar estava lá em cima,no céu,porém meus olhos foram se fechando conforme a música ia chegando ao fim e era exigido cada vez mais do meu fôlego e voz. O último verso foi cantado em voz alta,clara,extremamente emocionadae estendido pelo tempo que meu potente fôlego aguentou,terminando suavemente com ambos os meu braços jogados para cima.

Have I said too much?
There's nothing more I can think of to say to you
But all you have to do is look at me to know
That ev'ry word is true.

Abaixo os braços subitamente e faço uma reverência,agradecendo à plateia por ter me escutado. Não voltaria ao meu lugar sem dizer nada:
- Obrigada por me ouvirem. É claro que um dia comprarão ingressos caríssimos para me verem estrelar algo incrível na Broadway, logo após me formar em NYADA. É óbvio, a faculdade e o estrelato não são para todos,apenas para os melhores. E Kitty ,não me importam as suas palavras e ações, por que no fim eu sou melhor que você! Além do mais, como Finn se interessaria por alguém que tem cara de velha e a voz mais irritante e fina do mundo? Você NUNCA irá para NYADA! - Em seguida volto ao meu lugar ao lado de Finn,lançando um sorriso e um olhar superiores na direção de Kitty,como se dissesse “Olhe!Eu sou melhor que você!” e em seguida beijo Finn suavemente, assistindo às próximas apresentações. Ela dançou para Finn? Pouco me importa. Ele era apenas meu,e todos sabiam disso.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Kurt Hummel em Dom 4 Jan 2015 - 8:30


M
adonna. Nossa, como eu havia amado a brusca mudança de tema. Nada contra o Billie, mas se tratava da Rainha do pop. Lembro quando eu e Mercedes convencemos a treinadora Sylvester a performar Vogue para nosso projeto especial, e aquilo havia sido um escândalo. Ao acordar cedo, percebi que havia perdido parte do meu tempo para os cuidados especiais da pele. Revoltado comigo mesmo a única saída foi reduzir a quantidade de cremes utilizados para a limpeza da pele matinal: - Don't cry for me Argentina... - Cantarolei enquanto passava o esfoliante com fator 50 de bloqueio solar e contemplava minha imagem no espelho grande da penteadeira do meu quarto. Tendo finalizado meu momento de cuidados, reparei na aparência renovada aquela manhã. Minha bolsa nova da Gucci me esperava pronta em cima da cama e a coloquei nos ombros:-Kurt, ainda está ai? - Ouvi papai gritar do térreo. Adiantando-me e fechando o quarto, desci as escadas e dei um beijo no topo da sua cabeça:-Aqui.

- Não acredito que está ingerindo essas coisas prejudicais a sua saúde, papai! - Digo enfurecido ao vê-lo pondo uma fatia de salsicha frita na boca. Vou rápido de encontro ao seu prato e o puxo da mesa. - Ei, anda indo contra o café dos campeões? - O olhando sem acreditar, solto o prato do outro lado da mesa e ponho a mão na cintura: - Dos campeões do infarto, papai? - Ponho a mão direita na testa e respiro profundamente. As vezes era complicado fazer todos os papéis responsáveis dentro de uma casa, pois por mais que meu pai provesse-me de tudo, ainda faltava a questão da vivência. Organização, limpeza, cuidados até com a saúde dele. Nessas horas eu sentia mais falta da minha mãe do que o normal, mas era a vida. Fui até a geladeira e peguei uma caixa de suco de laranja, posteriormente pondo em frente ao meu pai com um copo: - Vida saudável, papai, é isso que precisa entender. Prometa-me que vai comer apenas uma salada de frutas ou algo do gênero. Estou atrasado e faria seu café, mas tenho atividade para o coral hoje. Irá ser no primeiro horário. - Ele me observa aqueles olhos compenetrantes, que muito me avaliavam na maioria das situações: - Você é a maior parte das lembranças que eu tenho da sua mãe. Eu ouço ela falando isso. - Aquiesço um pouco e dou de ombros com uma expressão meiga, que se torna um sorriso: - Eu tinha de parecer com alguém bom na vida, sem contar é claro com a Patti. - Caminhei até ele e dei outro beijo em sua cabeça - Promessa? - Ele afirma positivamente: - Prometido.

O trajeto de carro até o Mckinlley é algo que já me havia virado costumeiro, posto que não sentia a demora da viagem. Enquanto cruzava a cidade, Madonna tocava numa pasta personalizada do mp3 do meu carro. Dentre tantas faixas que tocavam eu sabia que ainda não havia escolhido a que cantaria na atividade do New Directions. Eu precisava de algo que me destacasse, uma música que eu pudesse tornar tão boa quanto já era. Sem contar no fato de que não poderia deixar Rachel ou qualquer outra boa cantora me obscurecer diante das pessoas. Posso gostar da Rachel, no entanto, quando se trata da música eu meio que tenho pego uma característica bastante importante dela, vale tudo. Quer dizer, eu não prejudicaria alguém para estar no número um, mas quando se trata de competir cantando, sim, eu ia com tudo. Por se tratar de Madonna, eu não poderia fazer por menos, por isso a dúvida no que fazer. Várias eras dela tocam no reprodutor e é justamente numa das mais antigas que me firmo. O ritmo inconfundível de Buenos Aires invade todo o lugar e automaticamente olho para parte do reflexo de minha face no espelho retrovisor. Dando um sorriso concordante para mim mesmo, termino por estacionar o meu carro ao chegar no Mckinlley. Coloquei um par de óculos de sol DeG e adiantei-me saindo do carro: - O que está fazendo? - Escuto aquela voz familiar atrás de mim. Viro subitamente: - Just a little touch of Star quality, quer dizer, estou apenas me preparando para a tarefa do ND. - Olho para Blaine e o dou um beijo rápido antes que mais pessoas se aproximem.

Meu namorado estava lindo naquela manhã, na verdade, era difícil ele não estar. Passamos a caminhar juntos pelo trajeto até o interior do Mckinlley: - Já sabe o que vai fazer para sua tarefa do coral? - Ele me olhava de lado tal qual eu o fazia, colocando as mãos nos bolsos: - Ainda não decidi bem, devo estar em dúvida entre umas três músicas. Madonna é uma artista difícil de escolher uma música só. E você? - Subíamos as escadas e eu disse: - Revirando todas as coisas e em meio também a grandes dúvidas, decidi que faria um clássico. Evita é para mim algo icônico, tanto quanto tudo que Madonna fez. Farei Buenos Aires. - Ele me olhou com um sorriso curioso no rosto. Andávamos pelo corredor lotado e a porta do coral logo estava a nossa direita: - Agora estou bem ansioso para ver isso. Esse meu namorado superstar e sua mania e roubar holofotes. - Ele me beija o rosto e correspondo com um sorriso. Ao adentrar a sala, eis que sentamos em nossos lugares na parte da última fileira de cima da sala. Seria a hora de assistir as demais apresentações do dia, visto que, não estava eu interessado em ser o primeiro naquele momento. Cruzei as pernas e coloquei a bolsa do lado da minha cadeira. Blaine aproximara mais o seu assento do meu e posteriormente passou o braço em meu ombro: - Vou esperar o verdadeiro astro. - Encarando, exprimo apenas um sonoro:-Own. - Aperto seu nariz e me preparo para Kitty, a primeira apresentação.

Nunca tive problemas em admitir que Kitty era uma ótima performer, ela conseguia tornar as coisas muito boas. Ela era como uma jovem Madonna, esta de parabéns pela performance de uma das músicas novas da Rainha. Aplaudi ao fim e esperei o próximo. Rachel. Estava sorrindo até o momento em que percebi uma certa semelhança no repertório. Sim, ela cantaria Evita. Deveria dizer não estar surpreendido pela escola de Rachel, já que na maioria das vezes estávamos pensando a mesma coisa. Apenas não queria que o repertório soasse igual naquele dia e, como pensado anteriormente, esse era um dos momentos que na música daríamos tudo de si. Como sempre ela fora ótima em cada nota interpretada, certamente pela boa técnica e não só pelo talento que ela fazia questão de deixar bem óbvio através da auto-apreciação, que desta vez parecera se tornar uma rixa com a garota loira Kitty. Vendo todo o conflito e o beijo em Finn ao final, levantei-me da minha cadeira ainda aplaudindo e andando para o centro da sala: - Bem, encerrando os conflitos e parabenizando as duas cantoras, devo dizer que Madonna é o centro de toda homenagem e não a Azelia Banks, ou seja, vamos guardar as farpas. Mr. Schue? - Peço permissão com um aceno da cabeça e ele faz um gesto com as mãos me liberando a classe.

- Bom, hoje não é um dia de exclusividade. Parece que reparamos a mesma coisa Rachel. - A boca da garota se escancarou incrédula diante da minha declaração, na certa porque já estava histérica por dentro achando que eu também interpretaria Don't cry for me Argentina. Tacada errada. - Antes que seja acometida por um infarto, não, não vou fazer Don't cry for me Argentina. Hoje eu preparei um outro clássico de Evita e este é meu Buenos Aires. - Ergo as mãos ao alto e dou duas batidas agitadas e iniciais. Após estas, começo a fazer um jogo de batidas enquanto o pianista pega o tom e ritmo da canção. Caminhando um passo e parando com os braços na lateral do corpo e postos numa posição estática, inicio numa nota curta:

What's new Buenos Aires?
I'm new, I wanna say I'm just a little stuck on you
You'll be on me too...

Aponto com o dedo esquerdo e o braço erguido e repito o movimento com o outro braço no ritmo paradinha da canção em "You'll be on me too...", posterior a isso, retrocedo o passo e vou até um microfone de modelo antigo e o puxo para perto do centro da classe e tal qual a  performance icônica do musical/filme, o posiciono e coloco em mim uma postura de poder. Continuo no mesmo tom pleno:

I get out here, Buenos Aires
Stand back, you oughta know whatcha gonna get in me
Just a little touch of star quality...

Estalo os dedos da mão direita ao cantar a frase "Star quality" e movo o corpo num movimento decrescente e seguro no pedestal do microfone (Base) e ao mesmo tempo coma outra mão, seguro na parte superior. Ao fazer isso noto as pessoas animadas com o ritmo da canção na platéia, agito suas palmas e canto:

Fill me up with your heat, with your noise
With your dirt, overdo me
Let me dance to your beat, make it loud
Let it hurt, run it through me.
Don't hold back, you are certain to impress
Tell the driver this is where I'm staying...

Aponto para o chão, a fim de exemplificar o verso da canção e indicando onde eu devo ficar, no centro do palco, ou naquele caso, da sala. Coloco os braços laterais ao corpo em formato de mambo e faço passos para um lado e para o outro movimento todo o corpo e os braços a guiarem os movimentos principais. Em notas um tanto mais alternadas, caminho e continuo a mexer o corpo:

Hello, Buenos Aires
Get this, just look at me dressed up, somewhere to go
We'll put on a show...

Dou um giro com o corpo e seguro o pedestal na mesma hora, tornando a me apresentar na minha posição principal e anterior. A música retrocede para os versos mais lentos e com um movimento delicado da mão, seguro a parte de cima do microfone e rapidamente fecho os olhos num instante, movimentando os ombros e me deixando levar pelo ritmo de Buenos Aires:


Take me in at your flood, give me speed
Give me lights, set me humming
Shoot me up with your blood, wine me up
With your nights, watch me coming
All I want is a whole lot of excess
Tell the singer this is where I'm playing...

O verso requeria que eu indicasse onde eu me apresentava e com um movimento de braços abertos, circundo o pedestal e vou andando mais para a frente da classe. Mercedes e Blaine me direcionavam olharem amistosos da partes superior da classe, enquanto que Rachel parecia intrigada. Não era novidade, estava sentindo-se ameaçada, já que ela geralmente gostava de ter todos os holofotes para ela. Com os braços abertos e a voz num tom afinado, vario para o verso dançante:

Stand back, Buenos Aires
Because you oughta know whatcha gonna get in me
Just a little touch of star quality...

Num movimento rápido, contorço meu corpo para esquerda e direita e jogo os braços curvados para a frente e depois para trás, um em cada direção diferente por vez. E chegando ao meu verso favorito da canção, é quando posiciono meus dois braços estendidos para frente como algo sublime em contraste com o falsete que entoo ao alterar a nota e adentrar numa mais aguda:

And if ever I go too far
It's because of the things you are
Beautiful town, I love you...


Intensifico ainda mais o tom agudo do falsete e continuo encarando as pessoas da classe. O Sr. Schue me olhava animado e com um sorriso, retribuo o mesmo e dou uma piscadela com o olho direito voltando ao final do verso em falsete passando as costas da minha mão no decorrer do rosto em movimento suave:

And if I need a moment's rest
Give your lover the very best
Real eiderdown and silence...

Toda a atmosfera da canção muda e o falsete fica para trás, quando além da batida inicial um momento instrumental se faz presente na performance. Com o dedinho indicador eu chamo por Blaine, que mesmo sem entender tão bem, vem ao meu encontro e move-se no ritmo da batida da canção. Parando atrás de mim, trago suas mãos para frente e faço-as me circundarem um pouco. jogando um braço par ao alto de cada vez, ao terminar esta primeira sequência eu abaixo um pouco e torno a subir, enquanto que Blaine me mantém em seu círculo dos braços. Tendo feito isso, repito uma vez mais os movimentos e por fim, eis que seguro em sua mão e ele me gira para a direita. Paro como na posição de um toureiro espanhol e com o braço que fica mais elevado, vou descendo-o enquanto canto com as paradas do ritmo intenso:

You're a tramp, you're a treat
You will shine to the death, you are shoddy
But you're flesh, you are meat
You shall have every breath in my body...


Destaco as palavras "Shoddy" e "Body" com notas mais fortes ao chegar nelas e desfaço a pose anterior do verso. Caminho pela sala e paro justamente na linha central onde eu estivera com Blaine, que rapidamente sentara em seu lugar. Caminhando em linha reta e com os braços um pouco elevados na lateral do corpo, faço o gesto de dinheiro com a ambas as mãos ao cantar a finalização de mais um verso:

Put me down for a lifetime of success
Give me credit, I'll find ways of paying...

Numa posição novamente estática, paro mais próximo das pessoas que assistiam a apresentação e tentando reproduzir um sotaque mais latino, entoo rindo e até direciono o olhar par a alatina presente em nossa sala:

Rio de la Plata
Florida, Corrientes, Nueve de Julio
All I want to know...
Ergo o braço direito ao alto e viro de perfil. Rapidamente ao movimento é desfeito e bato com o solado dos meus sapatos no chãos. O movimento de sapateado produzido é harmônico para com a música e passo a fazer uma sequência sonora que se encaixa na finalização da música. A partir de "Stand back..", vou fazendo passos para a direita e produzindo a sonoridade necessária no ritmo de Buenos Aires:

Stand back, Buenos Aires
Because you oughta know whatcha gonna get in me
Just a little touch of
Just a little touch of
Just a little touch of star quality.
Respiro adequadamente e mesmo fazendo so movimentos cansativos, resguardo o ar dos pulmões e ao adentrar nos átrios da última frase do verso e da canção, elevo minha voz num tom agudo e perfeitamente entoado com a nota da canção. Quality se prolonga pelas paredes da sala e meus braços se erguem ao alto como demonstrando o final da apresentação. Dou um último sorriso e todos começam a aplaudir. Coloco uma das pernas para trás e me curvo numa reverência em agradecimento. Ainda com o sorriso de satisfação corro para o meu lugar e Blaine logo diz: - Comprovando o que eu disse, esse meu namorado rouba os holofotes mesmo. - Ele me beija o rosto e digo um obrigado singelo. Esperava as outras apresentações agora.
What's new, Buenos Aires?
®

____________________


Kurt {Porcelain} Hummel

Star of Two Worlds ★ Sweet and Beautiful Guy ★ Popular  ★ Blaine, My Problem
The Killjoy Never Die! @ CG!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Adm em Seg 5 Jan 2015 - 19:01

Miles Away

Entrei na sala do coral mais lentamente que meus colegas, afinal ainda usava aquela maldita bota ortopédica para deixar o pé imobilizado, resquícios da queda daquela arvore de natal gigante, só mais um motivo para continuar a desgostar desta data. Me sentei ao lado de Dianna e puxei meu celular para jogar um daqueles joguinhos idiotas para passar o tempo.
Mr. Schue como sempre estava atrasado e quando entrou começou a passar a informação sobre a tarefa, eu era indiferente quanto ao tributo, um era desconhecido e da outra só conhecia o nome e uma ou duas músicas. Apenas ergui o rosto para observar Kitty se erguer e provocar Marley e Rachel, me perguntei se ela era mesmo aquela cópia barata da Santana ou se estava planejando algo. Balancei a cabeça no ritmo de sua performance e pude ver Rachel se erguendo e começando a cantar algum showtune da Madonna e baseando-se em Finn. Virei para Bea e fingi vomitar devido a troca de caricias dos dois. Mas me preocupei com o bem estar dos membros do coral quando Kurt se ergueu e começou a falar. -Senhor...  Estamos no meio de um apocalipse de divas... Comentei para ninguém em especial com um tom levemente desesperado e olhando para os lados para ver se alguém iria aparecer com alguma espingarda ou taco de baseball como em The Walking Dead para nos salvar.
Depois de algum tempo em silêncio percebi alguns olhando para mim e eu guardei o celular e me levantei mancando indo até o centro da sala e pegando um violão que me foi estendido. -Eu não conheço muita coisa da Madonna, então vou cantar essa música porque é a que lembro a letra agora. Dei de ombros e fechei os olhos, passando a letra uma  ultima vez na cabeça.
Comecei a cantar, sem o acompanhamento do violão, apenas minha voz saindo em tom suave e baixo como se contasse um segredo para o pessoal do coral, batendo a ponta dos dedos na madeira para marcar o compasso.

You always love me more, miles away
I hear it in your voice, we're miles away
You're not afraid to tell me, miles away
I guess we're at our best when we're miles away

Comecei a tocar o violão, aumentando o tom de minha voz e deixando ela assumir um tom um pouco mais agudo no verso que se repetia, quase um falsete. Procurava não olhar nos olhos das divas do coral para não parecer que estava desafiando-os para alguma especie de duelo por combate que eu provavelmente perderia.

So far away }8x
I'm alright, don't be sorry, but it's true
When I'm gone you'll realize
That I'm the best thing that happened to you


Comecei a me mover pelo espaço disponível, tentando não cair devido à bota. Soltei o violão, deixando-o pender e comecei a bater palmas no ritmo da música enquanto reiniciava o refrão. Encerrei a música dando certa tonalidade de reggae para a música.

You always love me more, miles away
I hear it in your voice, we're miles away
You're not afraid to tell me, miles away
I guess we're at our best when we're miles a-a-away...
You always love me more, miles away
I hear it in your voice, we're miles away
You're not afraid to tell me, miles away
I guess we're at our best when we're miles away
So far away{5x


Praticamente joguei o violão de volta para o instrumentista e voltei o mais rápido possível para minha cadeira, que naquele caso era a velocidade de uma lesma. Quase cai no meio do caminho porque tropecei no nosso treinador de coral e sentei-me, esperando pelo resto do caos.
MDNA



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Viktoria Modesta em Seg 5 Jan 2015 - 21:37



 
 
 
It's time to Act
New Directions, you're the next
------  ✖  ------


A
corda sempre arrebenta para o lado mais fraco, era o que eu sempre ouvi dizer. Isso é uma verdade universal e minha vida é um prova disso, quer dizer, a parte externa da minha vida, do meu momento atual. Desde que me mandaram nessa missão insuportável e desgastante que tenho de parecer algo que definitivamente não sou: Fraca. Primeiro abandonar a minha prótese, aquela que me dava confiança e minha imagem de garota normal. Segundo, era ter sido humilhada por aquelas garotas que só funcionavam em conjunto. Não são artistas completas, são como simbiose, precisam umas das outras para ir a qualquer lugar que precisem ir. Me indigno com o "coro" e a posição ao fundo de todos que elas queriam me dar durante as sectionals. Aquilo era demais, jamais aceitaria ser colocada para trás daquela forma. A melhor coisa em tudo isso é que finalmente eu achei a mágoa interna pela qual acharia o cano de escape para fazer aquilo que eu tinha de fazer, que era justamente coletar as informações e achar seus pilares na intenção de fazê-los ruir.

Apoiada em minhas muletas, caminhei pela enorme passarela do jardim de recepção do Mckinlley High. Droga! - Como eu odiava todas aquelas pessoas me olhando como se eu fosse uma inválida, um ser asqueroso. Tinha vontade de socar a cara de cada um por vez, só que isso acabaria entregando minha personalidade verdadeira, o que não poderia acontecer. Os cabelos estavam descuidados e minha imagem era de quem havia chorado por um longo período, sem contar nas olheiras que moldavam meus olhos. O colírio irritara meus olhos e os deixara vermelhos, mais uma evidência do quanto eu havia sofrido depois da injustiça em Winterfield Academy. Me livrei dos babacas que riam de mim antes da entrada e entrei pelas grandes portas. Mais um momento para ser encarada e taxada pela invalidez aparentemente existente. Caminhei com a minha expressão abatida e não quis me demorar naquele espaço que exalava pena. Tenho pena de vocês, de todos. Não podem ser metade do que posso. - O mais difícil fora a subida das escadas, aqueles objetos asquerosos que me ajudavam eram terríveis, mas eram necessários.

Ao concluir a subida, não demorou para eu achar a sala do New Directions. Esse era o nome que eu riscaria em minha lista brevemente. Ao me aproximar da porta da sala, vi alguns acordes de um violão e percebi um rapaz loiro cantando. Me mantive fora da vista das pessoas e mentalmente treinando a minha auto-pena. Pinguei mais um pouco do colírio que retirei do bolso e os olhos arderam um pouco ao ter o líquido invadindo-os. Encostei-me na parede e esperei passar o efeito de ardor da visão. Foi justamente o tempo do garoto acabar sua apresentação. Dei uma batida na porta quando foi a hora de me aproximar. A princípio a maioria pareceu olhar para fora, no entanto, foi o seu professor quem primeiro procurou se dirigir à mim. Parada na soleira, ele me cumprimentara e perguntara o que eu fazia ali.

- Me colocaram para fora por eu não ser apta, segundos eles, a dançar. Disseram que todo talento que eu pudesse ter na voz não seria o bastante para substituir o fato de que eu sou uma "perneta" e defeituosa. - Lágrimas rodearam pela superfície da minha face. - Disseram que o seu coral aceita desajustados e pessoas diferentes que possuem talento para serem boas. Tudo que eu quero na vida é ser boa e dar orgulho para os meus pais em algo. Não quero ser apenas a garota aleijada que todos debocham. - Ele aprecia chocado com toda a minha história. História inventada, na verdade. Pelo menos ele teve a honra de ouvir uma contada ineditamente. Como o planejado, eu poderia ficar, no entanto enfatizei ao fim. - Senhor, eu tenho tido pequenas crises de dor onde fui amputada, meu médico disse que eu não tentasse performar hoje. E mesmo assim, não me sinto bem para isso. Posso ter hoje como apenas observação do espaço?







____________________


Stop Limiting Yourself Your Ambition
Your insults they just give me ammunition

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Nêmesis em Seg 5 Jan 2015 - 22:54

Surprise Surprise...
We're shinning like a Illuminati

Antes eu apenas tinha de lidar com a Rachel e o Kurt, porém que, não satisfeito, o destino decidiu lançar mais e mais divas contra a minha vida, sim, eles eram ótimos cantores e dançarinos, mas a atitude era quase intragável. Esperei que todos "as três divas mosqueteiras" encerrassem suas respectivas performances para poder dizer como eles se saíram, porém, antes que eu pudesse dizer algo, Sam decidiu se apresentar, porém, não sem antes dizer a frase mais marcante da semana: "-Senhor...  Estamos no meio de um apocalipse de divas.", dei uma risada e observei a performance do garoto. Ao final, todos aplaudimos e eu fui até o centro da sala para dizer a eles como eles haviam se saído, porém, uma garota bateu na porta, fui até ela e perguntei o que fazia ali.
-Me colocaram para fora por eu não ser apta, segundos eles, a dançar. Disseram que todo talento que eu pudesse ter na voz não seria o bastante para substituir o fato de que eu sou uma "perneta" e defeituosa.- Disse a garota já com lágrimas nos olhos. - Disseram que o seu coral aceita desajustados e pessoas diferentes que possuem talento para serem boas. Tudo que eu quero na vida é ser boa e dar orgulho para os meus pais em algo. Não quero ser apenas a garota aleijada que todos debocham. - A cada palavra da garota meu coração ia se apertando cada vez mais, não por ela ter apenas uma perna, mas sim por terem tratado ela de uma maneira tão rude. Por fim, olhei para ela e disse: -Você sempre será bem vinda aqui. Entre, sinta-se a vontade. Estamos performance Madonna esta seman... - Antes que eu pudesse terminar de falar ela continuou dizendo: - Senhor, eu tenho tido pequenas crises de dor onde fui amputada, meu médico disse que eu não tentasse performar hoje. E mesmo assim, não me sinto bem para isso. Posso ter hoje como apenas observação do espaço? - Concordei com a cabeça e permiti que a garota adentrasse a sala e escolhesse um lugar.  

--------------------------

-Enfim, as performances, no geral, foram ótimas, mas algumas observações. Kitty, sua performance foi ótima, uma coreografia não muito complicada combinando perfeitamente com a música, mas, foi muito raivosa, é como se você estivesse tentando afastar a plateia de você. Trabalhe nisso. - Sigo em frente e puxo um papel da minha pasta, a folha da Rachel. - Rachel, sua performance foi simples, calma, mas faltou aquela explosão que você tinha ano passado, acho que depois do fiasco de 'Pretending', você perdeu um pouco da sua habilidade com isso, por favor, dê um jeito. - Me atrapalho por um segundo para pegar a folha seguinte, Kurt Hummel. -Okay, Kurt, posso dizer que essa foi uma de suas melhores performances desde que entrou para o Glee Club, porém ainda pode melhorar um pouco com a coreografia. Mas no geral, ótimo, e se continuar assim tem seu solo garantido nas Secctionals. E por fim, Sam Evans. - Pego a última das folhas de anotações e a leio para o garoto loiro. -Performance simples, não vou cobrar coreografia por causa da sua perna, ou pé, enfim, mas faltou emoção, Sr. Evans. Trabalhe nisso.
Segui em direção as prateleiras e abri uma caixa preta com tampa laranja, não maior do que 10cm². dentro de lá tirei um papel laranja e disse para os alunos que estavam na minha frente: -Aqui temos a nossa setlist para as Seletivas, então, se preparem, pois vocês vão ficar loucos com a nossa seleção. - Desdobrei o papel e comecei a ler: -Iremos abrir com "Chandelier" da Sia, será um solo da Rachel, claro; em seguida, iremos para "Devil Pray" do novo álbum da Madonna, cantando pela Kitty, Kurt e Dianna; e por fim, iremos encerrar com "Blank Space" da Taylor Swift, que será cantada por Marley, Rory, Tina, Rachel, Finn e Artie. - Os membros aplaudiram por alguns segundos, realmente animados com as escolhas. -Obrigado, obrigado. Mantenham segredo sore isso, por favor. Iniciaremos os ensaios semana que vem, então, se preparem!.

Tema: Madonna
Período: 30/12/2014 - 09/01/2015

Thanks Zypher at @TTG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Rachel Berry em Seg 5 Jan 2015 - 23:42



Don't Cry For Me
The truth is I never left you.



Ouço atentamente as palavras de Will, assentindo seriamente. O fracasso de Pretending não saía da minha cabeça. Será que se eu tivesse feito diferente o resultado seria diferente? Bem, não havia como saber. Precisaríamos arrasar nas próximas competições ,e mais que isso, eu precisava trazer a ‘velha Rachel’ de volta. Seria trabalhoso, porém não impossível. Ara mim, nada era impossível.
- Sim, Mr.Schue. Acho que ‘desanimei’ depois daquilo...  - meu olhar vai ao chão, e volta aos olhos dele determinado – Vou melhorar. Na próxima, todos se surpreenderão. Meu brilho vai voltar com força dez  vezes maior! – dou um sorriso de 100 whatts para ele, aguardando suas próximas palavras sobre a setlist. Sem perceber, minhas mãos tremiam de nervoso. Era muito importante para mim ter ao menos uma música, era o meu treino para algo bem maior.
Antes do anúncio, uma garota nova adentra as portas da sala. Ela era deficiente, mas até aí sem problemas, Kitty também era – mentalmente falando  -  e eu era obrigada a aguentá-la todos os dias. Tentaria fazer amizade com a novata depois, não me parecia uma ameaça.
Ouço meu nome duas vezes, uma em um solo –Já sabia, afinal, ninguém ali tinha mais voz que eu– e em uma música que eu amava demais. Eu não poderia estar mais feliz. Dou uma risadinha fina e alta acompanhada de palmas e um “Já sabia, nós somos as Estrelas desse lugar” sussurrado para Finn, em seguida me jogando sobre Mr.Schue. – Obrigada! Obrigada Mr.Schue! Vou ganhar essas Seletivas para você, confie em mim – dou um beijo em seu rosto e volto saltitando para o meu lugar, abraçando Finn fortemente em comemoração.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Nêmesis em Ter 6 Jan 2015 - 0:07

Who's That B*tch?
We're shinning like a Illuminati

Eu sabia que ela iria ficar feliz com o solo, eu realmente gostava muito da Rachel, a voz dela é simplesmente única, a atitude dela é a única coisa que me incomoda de verdade, e, talvez, toda a aura de competitividade que cerca a garota. Depois que eu anunciei a setlist e liberei o resto dos alunos para performarem, ela se levantou e beijou delicadamente minha bochecha me agradecendo pelo solo. Sorri para ela e acenei com a cabeça quando a garota disse que iria vencer a competição por mim.
Em seguida me dirigi até o piano e preparei a ficha com o nome dos membros que ainda não tinham cantado, quando me lembrei da novata. Olhei para a garota que estava conversando com Kitty num canto da sala, e perguntei: -Hey, qual seu nome?- ela olhou para mim com um sorrisinho no canto superior do lábio, o mesmo que eu via muitas vezes no rosto de Sue Sylvester ou de Jesse St. James, e disse: -Meu nome é Viktoria, Viktoria Modesta.

Tema: Madonna
Período: 30/12/2014 - 09/01/2015

Thanks Zypher at @TTG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Jhonah Ohlw. Winchester em Ter 6 Jan 2015 - 0:58

[



Strike a pose


Strike a pose
Vogue, vogue, vogue
Vogue, vogue, vogue
]


William McKinley High School, primeiro andar, sala do New Directions. Essa era a minha mais nova rotina. E claro, os corredores que era onde me chamava mais a atenção. Diferente da Dalton onde você respirava apenas desodorante Rexona masculino, e perfumes importados que de longe pudesse cogitar ser de uma bela moça. Mas como estávamos falando da Dalton, essa hipótese era nula. William McKinley era a escola de diferentes gêneros, o que inclui tudo mesmo. Minha chegava não foi tão surpresa assim, embora tenha notado diferentes olhares até finalmente encontrar a sala do clube do coral.

Lá estava eu sentado em uma das ultimas fileiras observando as apresentações divinas do tal famoso New Directions. Talvez eu estivesse pensando rápido demais a respeito de tais comportamentos de cada uma, mas algo parecia ter fundamental importância para cada apresentação, e elogios era algo de outro mundo. Era realmente preciso citar qual desempenho foi melhor. Mas eu saberia dizer? Por hora não. E tampouco queria me arriscar palpitar tão cedo. Respirava fundo ao aplaudir minuciosamente todas as apresentações até agora, e que para mim todas foram excelentes. Se sentir inseguro e um completo estranho na sala nova eram completamente aceitáveis. Todos pareciam te fuzilar com os olhos até porque eu era um ex-warbler, um viral deles.
Após um breve silencio na sala percebi que ninguém mais se manifestava. Pigarreei ao levantar lentamente a mão para me indicar a ser o próximo. Deixei meu assento me direcionando para o centro da sala, ajustando um pedestal a minha altura. Peguei um violão na ala instrumental da sala e então o envolvi sobre meu braço. Mantinha o olhar fixo para o nada, ali apresentara apenas eu. Para mim mesmo.
- Olá pessoal, Sou Jhonah Winchester! Aluno transferido da Dalton Academy.  – Era estranho ter que falar de onde eu vinha e nada contra a antiga escola, mas receber olhares confusos e difíceis de decifrar era realmente perturbador. Mantivera a postura para iniciar a música, e logo dedilhou suavemente as cordas do violão tentando encontrar o tom certo. Não era lá o fã da Madonna e tampouco conhecia sobre sua pessoa e tão majestosa fama. Mas havia encontrado uma música para a tarefa, a qual adaptou ao seu estilo.

Look around everywhere you turn is heartache
It's everywhere that you go
You try everything you can to escape
The pain of life that you know


Umedeceu os lábios iniciando os acordes do violão que por sua vez tinha sons pesados como de inicio. Seus acordes eram tão intensos como ao próprio estilo rock, os quais aderiram para a música. Depois de uma breve pausa iniciei a música naturalmente deixando o timbre relaxado e suave. Meus dedos mantinham um ritmo em constante aceleração, às vezes variando outra natural. Tinha uma voz rouca e bem grave, mas trabalhava para encaixa-las conforme cada estrofe da música. Meu corpo ousava apenas em balancear para os lados, mantendo os olhos fechados sentindo cada letra cantarolar em sua mente. A cada final de frase deixava prolongar por uma breve tática de tempo, um som suave a lá tentativa de falsete.

When all else fails and you long to be
Something better than you are today
I know a place where you can get away
It's called a dance floor, and here's what it's for, so

Matinha o ritmo das cordas do violão em perfeita simetria, tocando-as de modo rápido e preciso. Sua voz agora ousava em esticar um gutural em algumas partes da música. Cumpria o diafragma e então liberava com toda a firma e dedicação a cação, fixando seus olhos apenas para os acordes. Seus movimentos que por mais que fosse pesado ao estilo, eram precisos e dependente de todo o ritmo. Em partes da música o country se mesclava ao modo como cantava. Era diferente convenhamos, mas sempre cairia bem as suas notas vocais. Por finalizar essa parte, seu tom desfalecia suavemente sem delongas e logo se preparava para a próxima estrofe, arrancando de modo voraz os sons dos acordes.

Come on, vogue
Let your body move to the music
Hey, hey, hey
Come on, vogue
Let your body go with the flow
You know you can do it



Em “Come on” cantarolei em um gutural grave puxando logo em seguida o “vogue” que se desfazia como se fosse um eco pela sala. A frase em seguida vinha em um ritmo de conversação e era como se saísse falado mesmo, ainda assim acalhar com o timbre. Firmei as cordas na parte do braço do violão e dei três acordes conforme repetia em tom suave “Hey, hey, hey”. Logo ousava em repetir novamente o mesmo que fizera de inicio em “Come on” e “vogue”. Após dar uma breve pausa, desacelerei o ritmo das cordas, deixando apenas minha voz grave ecoar nas próximas notas.

All you need is your own imagination
So use it that's what it's for
Go inside, for your finest inspiration
Your dreams will open the door



Busquei ar para os pulmões enquanto fitava a todos ali. De certa forma eu sabia que não poderia competir tão bem quanto as apresentações anteriores. Eles além de superarem seus amigos, superavam a si mesmo. Era diferente na Dalton, a gente apenas cantava em uníssono alegremente sem ter que disputar para ver quem era melhor de o outro. Novamente após cumpri o diafragma soltei a voz em acapella.  Não tinha mais o acompanhamento do violão, mas imaginava todo o ritmo desejado para expressar apenas sem sua voz, dando destaque a ela. Aquele ar country e despojado me contagiava, sentia que meu corpo precisava dançar e fato estaria em meus pensamentos. O gutural que agora fazia parte de cada letra da música era sempre bem-vindo mesclado ao grave. Eu realmente brincava com cada letra, até passando a gostar mais da música e se fosse cedo demais falar, aderia Madonna a playlist com apenas essa música.


It makes no difference if you're black or white
If you're a boy or a girl
If the music's pumping it will give you new life
You're a superstar, yes, that's what you are
you know it



Depois de terminar a estrofe anterior, meus dedos corriam rapidamente para as cordas do violão iniciando assim o acompanhando outra vez do instrumento. Logo mantinha todo o estilo conforme vinha cantando. Deixei minha voz suavizar apenas em “boy or a girl” continuando o ritmo de inicio as demais letras. Poderia eu sentir os dedos arderem com tal manuseio às cordas, mas era normal isso já estivera acostumado. Tocava o violão quase como tocara uma guitarra, explorando cada vez mais o som emitido de modo pesado.

Come on, vogue
Let your body groove to the music
Hey, hey, hey
Come on, vogue
Let your body go with the flow
You know you can do it



E mais uma vez voltamos ao refrão da música, não alterando em nada como o anterior. Mantinha o timbre correto e animador. Talvez agora ele se soltasse mais e deixasse de lado a ideia de que era novato ali. Seu sorriso denunciava minuciosamente o detalhe ao qual se apegava a música e a todos do clube glee. Sentia todas as partes da música que saia em som, transparecendo aquela emoção empolgante de quando você fez algo que gosta, e eu estava amando.

Beauty's where you find it
Not just where you bump and grind it
Soul is in the musical
That's where I feel so beautiful
Magical, life's a ball
So get up on the dance floor



A música já estava quase em seu fim. Dedilhei mais algumas notas e então deixei o instrumental de lado agarrando ao pedestal aumentando o tom da voz transparecendo firmeza e confiança as letras. Vogue tinha um ar de fama, de superação e desejo. Desejo por algo grandioso em estar no topo e em todas as maravilhas. Fama por querer seu destaque em tudo o seu percussor. E superação por quebrar barreiras de encontro com todos os objetivos juntos, em busca de um só sonho. Não era a minha hora de bilhar a lá Rachel Berry, mas me deliciava apenas com o fato de está me divertindo. Em “dance floor” prolongava em um leve falsete por longos instante preparando para a parte final.

So... Come on, vogue
Let your body groove to the music
Hey, hey, hey
Come on, vogue
Let your body go with the flow oooh ooh oooh



Já não era mais um violão ao ser dedilhado, em minha mente usara uma guitarra com fortes melodias retiradas de cordas tão suaves quanto aquele do instrumento. O grave mesclado com a rouquidão da minha voz terminava todo o trabalho, e claro ressurgindo com o gutural novamente. Se eu fosse tão intimo a todos ali, convidariam todos para me acompanhar em uníssono algumas partes. Mas me conformava em apenas terminar gentilmente a canção ao dedilhas suavemente enquanto cantava o final.


[raxtegue #]
Post #001
Words: v o g u e
Tagged: w t f ?
Notes: sendo novato
Lyrics: polly @ nirvana
Thanks, IT


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Kitty Wilde em Ter 6 Jan 2015 - 2:13



I'm a unapologetic bitch!
tags: Viktoria, Anã, Labradora, Schuester &¨ND X Notes: Diva X Clothes: This X Música: Unapologetic Bitch
Uma garota sem uma porra de uma perna entrou na sala do coral, eu não me importava se ela não tinha uma perna, nós tinhamos o Artie que nem de pé conseguia ficar, pelo menos ela tinha uma perna e parecia se vestir melhor do que aquele nerd de óculos. Analisei a novata das cabeças aos pés, ela era bonita e poderia ter uma aparência bem melhor, mas com aqueles olhos avermelhados e inchados e aquelas muletas iria sofrer no McKinley. Dei de ombros, nunca iria sentir pena de alguém só pela falta de uma perna e aqueles olhos pareciam que ela tinha fumado muita maconha. A novata veio se sentar perto de mim e revirei os olhos antes de observar o Schuester. Meus lábios formaram uma careta ao escutar seu comentário sobre minha apresentação, mas me senti um pouco melhor com Rachel ter recebido um comentário não tão bom também. Parece que o melhor tinha sido o garoto gay que não tinha me dado o trabalho de aprender o nome, dei de ombros, não me importava enquanto a anã de hobbit ou a filha da cozinheira não ganhassem. Quando ele disse que o solo das seletivas seria da anã eu sabia que não podia deixar que fosse dela, apesar da babação do Schuester a anã Berry não iria se dar bem. Ela pediu por guerra com sua apresentação e então ela teria guerra, Kitty Wilde sempre vencia suas batalhas.
A anã de Tolkien já tinha ido agradecer o Schuester e babar mais ainda o ovo dele, ela era tão previsível, chegava a ser mais previsível que os albuns da Lady Gaga. Aquele sorriso nos lábios dela me irritava. - Anã, acho melhor você não comemorar muito. Esse solo vai ser meu, afinal ninguém consegue mais escutar seus berros, acho que o segredo é essa boca estranha e a falta de sexo porque você berra como se tivesse tendo um orgasmo, coisa que provavelmente esse seu namorado com cara de bunda não lhe dá. - Falei em um tom malicioso, eu iria tirar Rachel Berry do seu lugar e ela iria cair de uma forma bem dolorosa. Fiz uma careta de nojo ao encarar o nariz dela. - Tem alguma coisa em seu nariz... Parece com uma batata. - Disse franzendo os olhos antes de sorrir maldosamente. - Ah, é o seu nariz mesmo. - Ri ao terminar de dizer aquilo percebendo que a anã tinha ficado irritada com o que disse, ela era tão divertida de provocar. Passei os olhos pela sala procurando a labradora filha de cozinheira e fiquei confusa quando não a encontrei, pelo menos agora entendia porque a sala estava cheirando um pouco melhor. Olhei para a novata do meu lado lhe analisando, antes de decidir falar algo. - O Schuester pode ter engolido aquela história de sofredora que você contou, mas eu não acreditei em uma palavra, eu reconheço uma vadia que sabe mentir quando vejo uma. - Falei para a garota com um sorriso nos lábios, encarei minhas unhas desinteressadamente.
Voltei a fitar a garota com um olhar julgador. - Talvez pode até ter sido verdade o fato de terem te colocado para fora por não conseguir dançar, mas elas tinham mais coisas pra se preocupar com você do que a falta de uma perna, talvez o fato de que você parece que fumou muita maconha com esses olhos inchados e vermelhos. - Revirei os olhos ao pensar na atitude que o antigo coral dela tinha tomado segundo ela. Arqueei a sobrancelha ao perceber que ela não parecia ter levado uma raspadinha ainda, esses idiotas desse colégio estavam com pena? - Eu não me importo se você não tem uma perna ou não tem um cérebro como o namorado da anã, os idiotas desse colégio podem ter peninha da perneta, mas você não conseguirá nenhuma de mim. - Disse e ao terminar de falar Schuester se aproximou perguntando o nome da novata. Viktoria Modesta, apenas observei a troca de palavras entre os dois ocorrer antes que mais um novato entrou e decidiu performar Vogue da Madonna, durante sua apresentação pensei na novata, era melhor ela se preparar porque iria receber a primeira raspadinha em solo do McKinley.
Thanks Panda

____________________


Demons
Don't get too close It's dark inside It's where my demons hide

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Viktoria Modesta em Ter 6 Jan 2015 - 22:13



 
 
 
Make NEw Directions Pray!
New Directions, you're the next
------  ✖  ------


S
ério? Eu pensava que fosse ter que atuar mais do que aquilo para conseguir obter a setlist do New Directions, 'cuidadosos e observadores' certamente não eram os adjetivos que descreviam os membros do coral. "Chandelier, Devil Pray e Blank Space... iríamos ter um grande problema se eu não estivesse aqui.", pensei, em seguida me levantei e pedi licença a William Schuester para poder fazer uma ligação.
Fui até o corredor, disquei o número na tela do meu telefone, dois toques depois uma voz masculina atendeu e eu disse: -J? Traga todo o coral, a operação "Good Girl Gone Bad" está mais que completa.


[Mudança de Cenário: Sala do New Directions > Auditório]



Todos os membros do New Directions estavam no auditório, eu os havia chamado até lá para encerrar a tarefa semanal, mau sabiam eles o que iriam ver, eu não precisava mais das muletas, mas eu adorava causar surpresa e espanto, enta usei elas até o último momento que vi os membros daquele coral. Eu usava a minha prótese por baixo da calça, obviamente as muletas eram apenas um disfarce.
Estava pronta para entrar no palco, sem um traço de nervosismo notável, afinal, eu tinha total confiança em mim e em meu talento, sabia que faria uma apresentação para ser lembrada por todos aqueles membros do New Directions que naquele exato momento estavam sentados na plateia de seu próprio auditório. Eu queria assusta-los, para saberem com que coral estavam lidando, ou melhor, com que pessoa, estavam lidando.
Tudo estava completamente escuro, nem um único holofote acesso. Suspiro fundo uma única vez e ajeito meu rabo-de-cavalo, passo também as minhas mãos pela a minha roupa, deixando-a sem uma única dobra. Estava com uma blusa de mangas longas completamente preta, sem detalhe algum, assim como uma calça de mesma cor. Meu salto alto também era preto, verniz, e a sola do mesmo era um vermelho em veludo, assim como minhas unhas e meus lábios o vermelho também estava presente junto com uma maquiagem pesada também ao redor dos olhos formando um tanto dark.  
Na metade do meu caminho, um único holofote branco se acendeu, bem na beirada do palco onde eu estava prestes a chegar, paro ainda com uma mão na cintura e aos poucos um sorriso vai se formando em meus lábios, enquanto eu passo o meu olhar vagarosamente perante cada membro do ND que estavam agora de bocas abertas ao olharem para mim. Por que tamanha surpresa? Óbvio, a garota que outrora estava se arrastando pelos corredores do McKinley agora estava em pé, andando como qualquer um deles.
Ergo uma sobrancelha e solto uma pequena risada, o que era a deixa para a música começar. Seguro a minha calça de couro e a puxo com força em um só movimento e em seguida jogo-a em para a plateia fazendo questão que pare exatamente no colo da Rachel Berry, a anã exibida do grupo. A minha calça estava colada com velcros que passavam despercebidos, e assim que a tirei revelei uma saia por baixo, assim como a minha mais nova prótese.
Eles não faziam ideia do que estava para acontecer. Eu dou um passo à frente com a minha perna que possui a prótese e piso com certa força no chão, acendendo as luzes da mesma ao mesmo tempo em que as do resto do palco se acendem também revelando o Vocal Adrenaline em formação atrás de mim. Agora um show de verdade iria começar.


Take my sins and wash them away
Teach me how to pray
I’ve been stranded here in the dark
Take these walls away



Todos eles estavam em uma perfeita linha ao fundo do palco, alternando entre homem e mulher, de costas e ajoelhados com a cabeça baixa, sendo iluminados por luzes brancas assim como eu. As garotas estavam com um vestido longo e vermelho, bem justo, com sapatos completamente escuros, já os garotos estavam com uma calça social e sapatos pretos, enquanto a camisa também social e branca com as mangas dobradas até o cotovelo, eles também estavam com suspensórios de uma cor vermelho sangue. Logo ao começo da música começamos a bater palmas num ritmo perfeito. Aos poucos vindo dos cantos dos palcos chegava uma pequena fumaça branca, lembrando uma rasa névoa.

Também ao ritmo da música minha prótese brilhava, a sua luz branca chamava mais a atenção do que qualquer outra coisa. Começo a cantar de forma suave, sem forçar a minha voz, ao mesmo tempo em que tinha cuidado para manter a perfeita afinação. No primeiro verso da música fecho os olhos por um segundo, enquanto no segundo vou lentamente levantando as minhas mãos e juntando as palmas da minha mão finalmente em “pray” abaixando também levemente a cabeça. Na próxima parte eu rapidamente me ajoelho ao chão do palco abraçando a mim mesma enquanto o holofote sobre mim se apaga me deixando literalmente “in the dark”. Aos poucos vou me levantando com os braços erguidos aos meus lados e assim, seguindo meus movimentos os membros do VA vão se levantando ainda batendo palmas como se eu estivesse os controlando.


I’ve been swimming in the ocean
Till I’m almost drowned
Give me something I can believe in
Teach me how to pray


Aumento um pouco a intensidade da minha voz na segunda estrofe, acabando em parte com a suavidade do começo. Assim que se levantarem atrás de mim, parte dos membros vieram correndo e ficaram exatamente atrás de mim em um semi circulo, enquanto os demais se dividiram e dois grupos e cada um foi para um lado do palco enquanto eu continuava ao meio.

Na primeira frase eu viro de leve meu rosto para esquerda com um sorriso nos lábios, passando a minha mão de leve pela minha clavícula e levando-a para meu pescoço e em seguida erguendo ao alto assim como minha face, como se pedisse uma suplica à uma força maior e então deixo meu corpo cair para trás como se estivesse a desmaiar por estar “almost drowned”. Os membros que estavam atrás de mim me seguraram e com delicadeza me deixaram em pé novamente. No penúltimo verso os dois grupos que estavam aos lados do palco já tinham formado pequenas pirâmides humanas, no topo de cada um estava uma garota que encenava tentar alcançar os céus, tentando achar algo em que acreditar. Abruptamente em “Teach me how to pray” Tanto eu como eles abaixamos nossa cabeças e juntamos novamente nossas mãos em uma oração.


And we can do drugs
And we can smoke weed
And we can drink whiskey
Yeah we can get high
And we can get stoned

And we can sniff glue
And we can do E
And we can trolli acid
Forever been lost with no way home


Minha voz voltou a ter a mesma suavidade do começo, acompanhada com uma pequena rouquidão. Rapidamente todas as formações foram quebradas e vários pequenos grupos foram formas pelos palcos, assim, eu fiquei novamente sozinha a frente do palco. Os holofotes ainda brancos começam a ter uma coloração azulada, e os mesmo ainda se concentravam nos membros. Comecei a andar pelo palco em passos rápidos, mas mantendo a sensualidade, fazendo questão de balançar bastante os quadris. Os pequenos grupos de 2 e 3 membros que estavam ali, cada um estava encenando uma parte da música. Na primeira frase no canto do palco tinha dois garotos fingindo ejetar drogas nas próprias veias, passei por eles passando rapidamente a minha mão na cabeça de um deles como num ato de compaixão, o mesmo fechou os olhos por um segundo como se sentisse a minha presença, mas mesmo assim, como se não pudesse me ver.

Em seguida mais ao fundo do palco tinha duas garotas e um garoto fingindo fumar “weed”, fiz o mesmo que anteriormente tinha feito com o garoto, passei a mão na cabeça de uma das garotas e ela se sentiu tocada por mim. Os próximos fingiam estar bebendo, e assim por diante foi até eu chegar ao ultimo grupo que estava ao meio do palco em “and we can trolli acid”. Como o meu holofote estava avermelhado e os deles azulados, a partir do momento em que passei a mão na cabeça dos membros, a luz deles também começaram a ficar avermelhadas, como se eu os tivesse infectado. Na ultima estrofe todos já tinham saído de seus respectivos lugares e fizeram uma formação por trás de mim, ficamos em forma de um triângulo, eu sozinha na frente e cada vez mais uma pessoa adicionada a linha anterior.


Yeah we can run
And we can hide
But we won’t find the answers
If you’ll go down and you’ll get help along the way
But if you wanna save your soul
Then we could travel all together
And make the devil pray


Decidi abusar um pouco mais da minha voz, para mostrar claramente a todos o controle que eu tinha sobre ele. Os holofotes davam um efeito especial ao gelo seco, também o fazendo parecer ser vermelho, cor sangue, realmente uma obra do “Devil”. De repente as luzes tornaram a ser brancas mais uma vez. Em sincronia todos nós começamos a andar juntos para frente do palco, dando passos bem pequenos e balançando nossos ombros alternadamente. Na primeira frase colocamos um pé rapidamente à nossa frente, como se estivéssemos prontos para correr. Em seguida erguemos nossas mãos a frente de nossos rostos nos escondendo. Aos poucos as pessoas que estavam na ultima linha vieram para os lados, e em “Go down” eles correram e se jogaram sobre os próprios joelhos, fazendo-os assim deslizar pelo palco e chegarem a frente primeiro que nós, no ultimo momento eles colocaram um punho fechado sobre a madeira do palco e abaixaram a cabeça.

Ainda dançando quando cheguei novamente a frente do palco, em “save your soul” coloquei a mão sobre meu coração, como se ali também fosse o lugar da minha alma. Na frase seguinte levei a ponta do meu pé com a prótese para frente e toquei o chão, deslizando a ponta do pé num arco para o lado, e junto com meu movimento a luz da minha prótese foi mudando para o azul. Na ultima frase eu novamente me ajoelhei juntando minhas mãos em oração, e em efeito cascada o resto dos membros foram se ajoelhando.


Ooh, save my soul, save my soul, save my
Devil's here to fool ya

Mother Mary, can't you help me?
Cuz I’m gone astray
All the angels that were around me
Have all flown away

The ground beneath my feet’s getting warmer
Lucifer is near
Holding on, but I’m getting weaker
Watch me disappear


Dei um certo tom desesperado a minha voz, eu estava em busca de uma salvação, mas não tinha uma. Toda vez que “Devil’s here to fool ya” se repetia, as luzes por um segundo voltavam a ser vermelhas. Nós estávamos ajoelhados e com os olhos fechados, deixávamos nosso corpo ser “puxado” para baixo mas rapidamente nos erguíamos de novo, como se estivéssemos lutando contra uma força. Em “Mother Mary” eu me deitei no palco de costas, levantando uma das mãos para o alto, em seguida em “All the Angels...” levantei meus dois braços ao alto e aos poucos fui abaixando-os ao meu lado, deixando-me numa posição de cruz. Nisso, somente havia holofotes acessos à frente do palco, deixando assim a parte final escura e invisível. Assim que eu tinha ficado na posição de cruz todos os outros membros já tinham se levantado e estavam andando devagar para trás, com precaução, olhando para mim, como se estivessem aos poucos fugindo. Eles eram os anjos e eu estava em completa perdição.

Vendo-os partir e me deixar sozinha me fez ficar desesperada, me levantei rapidamente, querendo ir atrás deles, mas sem poder. E assim eles desapareceram nas sombras do palco. Virei-me novamente frente da plateia, deitando-me agora de bruços, como se estivesse perdendo as forças. Em “Lucifer is near” eu levei minha mão para frente, tentando agora alcançá-los, já que não tinha mais ninguém. E por mim, na ultima frase dos garotos vierem correndo das sombras e me puxaram pelas pernas, tentando cuidado com a prótese para não retira-la, claro. Eu fingi cravar as minhas unhas no palco enquanto me arrastavam, e enquanto eu ia embora para a escuridão, os holofotes também se apagavam, deixando uma escuridão total, até mesmo a luz de minha “perna” havia se apagado.


And we can do drugs
And we can smoke weed
And we can drink whiskey
Yeah we can get high
And we can get stoned

And we can sniff glue
And we can do E
And we can trolli acid
Forever been lost with no way home


Contive a minha voz, deixando-a mais calma. Novamente os holofotes de acenderam, revelando todo o palco e os mesmos se moviam com bastante velocidade. Estávamos agora todos em uma linha, novamente alternando entre homem e mulher. Como estava entre dois garotos eles me pegaram no colo, fazendo um tipo de cadeira com os braços. Eu passei meu braços pelos ombros dos mesmos e assim fui levada para o meio do palco. Cruzei as minhas pernas ao longo do caminho, eu acariciava os rostos dos meninos que não apresentavam nenhum sentimento. Casais tinham sido formados, eles dançavam colados uns aos outros, mas ainda assim, um ao lado do outro.


Yeah we can run
And we can hide
But we won’t find the answers
If you’ll go down and you’ll get help along the way
But if you wanna save your soul
Then we could travel all together
And make the devil pray

Ooh ooh ooh sing hallelujah
Ooh ooh ooh save my soul
Ooh ooh ooh the devil was here to fool ya
Until my story’s told

I said oooh sing hallelujah
Oooh, save my soul
Oooh, the devil's here to fool ya
Until my story's told


Deixei minha voz soar mais alta, como se aquele auditório estivesse cheio e eu quisesse ser ouvida por todos. Quando cheguei ao meio do palco fui calmamente colocada ao chão. Cada passo que eu dava a luz de minha perna piscava, assim como as do holofote, como se tivesse alguma coisa errada, como se aquela luz branca não estivesse mais funcionando, estivesse acabando. Repeti novamente a coreografia, dando pequenos passos, encenando a música, alternando o movimento de meus ombros ao um ritmo rápido. Só que, invés de alguns membros deslizarem sobre os próprios joelhos mais uma vez, eles se ajoelharam a minha volta, num circulo, como se agora estivessem rezando para mim. Em “Devil Pray” todos abaixaram a cabeça, a minha mercê, e eu fui a única a juntar minhas mãos em oração, enquanto ao mesmo tempo eu enorme sorriso ia se abrindo em meu rosto. Todas as luzes agora eram vermelhas e concentravam-se somente no circulo, e principalmente, em mim. Fui dando passos lentos para frente, saindo do circulo e parando na beirada do palco como no começo. Todos os membros me seguiram, mas continuavam numa reverência para mim. Aos poucos a luz da minha prótese foi ficando completamente vermelha. E por final, em “The devil’s here to fool ya” eu apontei o dedo para todos aqueles que estavam sentados a minha frente. Todas as luzes se desligaram no ultimo verso que eu cantei num sussurro, e então, a luz cor sangue da minha prótese era a única coisa que podia ser vista.

Eles entenderam a mensagem, precisam ter entendido, a maioria deles poderia ser de idiotas, mas não creio que tanto. Eu era o “Devil”, eu iria controlar e já controlava todos, eles estavam sobre meu poder, não havia como escapar. E eu com certeza, faria a vida deles um verdadeiro inferno.


[...]


Após o final da performance, continuei no centro do palco esperando meus colegas do Vocal Adrenaline se posicionarem atrás de mim, fechei os olhos com prazer, me deliciando com o momento de superioridade. Eu sabia o que iria acontecer em seguida, as portas dos fundos se abriram, The Harmonizers, The Warblers, Aural Intensity, e as TroubleTones surgiram todos de uma vez, sorri mais do que nunca para aqueles que estavam sentados observando.
-Seus rivais acabaram de assistir vocês serem humilhados e enganados, mas ainda falta a cereja no topo, não é mesmo? "Chandelier", "Devil Pray" (cof cof) e "Blank Space" compõem a setlist do New Directions para as Sectionals. - Passei os dedos levemente sobre meus cabelos e continuei dizendo: -Isso é para todos vocês, de todos os corais, verem que o Vocal Adrenaline está mais bem preparado do que nunca. Podem pensar que estamos parados, com membros ruins ou o que for, mas a verdade é que iremos acabar com qualquer um que entrar na nossa frente. - Viro as costas e começo a sair pelos fundos do auditório, os outros membros e dançarinos comemorando sobre a nossa performance, eu não, apenas iria comemorar de verdade quando eu estivesse com o troféu das nacionais nas minhas mãos.





____________________


Stop Limiting Yourself Your Ambition
Your insults they just give me ammunition

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Kitty Wilde em Qua 7 Jan 2015 - 1:26



I'm a unapologetic bitch!
tags: Viktoria, Anã, Orca, Belle, Schuester &¨ND X Notes: Diva X Clothes: This X Música: Unapologetic Bitch
Quando a perneta pediu licença ao Schuester eu sabia que tinha algo de errado, fitei suas costas com olhos avaliadores, ela estava planejando algo. Ao chegar no auditório graças ao seu convite eu sabia que tinha confirmado minha suspeita, ela tinha algo preparado e eu sentia que não era bom. Não demostrei surpresa quando ela entrou no auditório sem a ajuda de muletas e com uma aparência muito boa, eu já imaginava algo do tipo, como eu tinha lhe dito, eu reconhecia uma vadia mentirosa quando via uma. Eu estava mais curiosa por como ela conseguiu esconder uma saia debaixo de uma calça, isso deveria ser impossível. Uma risadinha escapou de meus lábios quando a calça bateu no rosto da anã de Tolkien, mas logo voltei a me focar no palco. Quando o Vocal Adrenaline foi revelado no palco eu não me contive, comecei a rir da cara de alguns membros do meu coral, eu ri por vários segundos porque a situação era realmente engraçada.
Demorei um pouco para controlar meus risos, eu não aguentei ao ver a cara do Hudson, foi a coisa mais hilária que já tinha visto. Voltei a olhar para o palco e cruzei os braços assistindo a apresentação com um olhar julgador. A medida que a apresentação iria passando eu me perguntei se aquilo era uma performance ou um episódio de Skins US, tudo aquilo com drogas e tudo mais era tão ridiculo, pareciam crianças de igreja tentando bancar os revoltados fugindo uma missa. Sua apresentação foi mais tediosa que o clipe de G.U.Y e eu bocejei ao final, revirei os olhos com a mensagem que ela queria mandar, devil? Ela não tinha nada disso e ela iria conhecer quem realmente merecia esse apelido. Os outros corais apareceram e vi nas troubletones pessoas conhecidas como Santana, Britt e Isabelle, a italiana também era uma cheerio e apesar de meio louca era bem divertida de se conhecer, ela parecia olhar para a Viktoria nada Modesta com diversão. provavelmente só estava ali para ver o que aconteceria.
Ela começou a falar e uma das minhas sobrancelhas se arqueou. Humilhada? Enganada? Eu não estava me sentindo nenhum pouco assim, ela em seguida revelou nossa setlist e eu não estava surpresa, que original, revelar a setlist para os corais inimigos, ela achava mesmo que aquilo iria me afetar? Ela começou a falar sobre o Vocal Adrenaline e usei esse tempo para ir para a frente da saída dos fundos do auditório parando diante dela. Quando ela e seu coralzinho estavam saindo eu impedi a passagem deles.- Realmente? Não conseguiu ser mais original que isso? - Perguntei e percebi que tinhamos chamado a atenção desejada, eu queria que ela percebesse que não era tudo aquilo que imaginava. - Você achou mesmo que uma apresentação de quinta nível Skins US nos intimidou? Pareciam um monte de crianças tentando competir com gente adulta. - Zombei dela, sabia que ela não tinha esperado que alguém falar com ela depois de tudo aquilo.
Tinhamos chamado a atenção de todos e estavam encarando a cena que se desenvolvia entre eu e a perneta, quem ela pensava que era? Ela devia colocar aquela protese de quinta dela entre as pernas e sair como uma cadela que era. - Mesmo vocês sabendo toda a nossa setlist, tendo duas pernas e chamando a própria Madonna pra cantar com você, não conseguiria nos superar, você e o seu Vocal Masturbation podem cantar nossa setlist nas competições e as chances de vocês ganharem são as mesmas de você ter duas pernas de sangue e ossos novamente então se coloquem no seu lugar. - Falei, membros do New Directions se aproximaram e pareciam ter saido do torpor que aquela cadela os colocou, ela achava que eramos um coral gentil e amoroso como o ano passado em que só tinha idiotas como a Berry e o namorado? Ela estava enganada e iria perceber isso. - Se é guerra que você queria finalmente conseguiu, eu vou destruir você e o seu coralzinho como se fossem nada, você vai desejar não ter mais nenhuma perna pra competir depois de ser destruída por mim. - Falei olhando para a sua prótese com um sorriso maldoso, aquela Viktoria Modesta não sabia o que lhe esperava.
Thanks Panda

____________________


Demons
Don't get too close It's dark inside It's where my demons hide

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala do New Directions

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum