Sala das Troubletones

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sala das Troubletones

Mensagem por Stalker em Seg 15 Set 2014 - 21:06

Sala do coral - The Troubletones

A sala das TroubleTones tem 9 paredes que formam um tipo de circulo, todas as paredes tem cores diferentes em tom de rosa, e no centro um piano dourado escrito The TroubleTones, pelas paredes vários pôsteres das competições que as garotas participaram, ao invés de bancos a sala possui pufes coloridos em diferentes tons de violeta, a sala possui várias janelas que permitem entrar um vento fresco pelo ambiente, no canto esquerdo da sala tem um mini palco para apresentações simples, e no canto direito uma mesa de jantar com várias fontes de chocolates e várias delicias calorosas.   

____________________



The your ghost, the ur image. I'm the stalker!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Shelby Corcoran em Sex 26 Set 2014 - 19:24




My Najaconda Don't...

Sim, eu era uma vadia malvada, ladra de membros, mas eu estava 100% nem aí. Eu faria o que fosse preciso para manter o mais novo coral de Ohio na ativa, um grupo de garotas poderosas e expressivas que iriam pisar em qualquer inimigo. Vocal Adrenaline? Simplesmente acusei o diretor deles de pedofilia e o mesmo foi demitido. The Warblers? Denunciai os garotos por "darem aulas" sem estarem formados e acabei com o Conselho. New Directions? Roubei três das melhores vozes com argumentos simples de que o último ano merecia ser memorável e que, de um jeito ou de outro, William não daria foco algum para elas mesmo que Rachel se formasse no primeiro dia de aula, como resultado, agora, eu estava com um grupo de poderosas e confiantes garotas do meu lado, as melhores de Ohio. Patrocinadas pelos dinheiro de Al Motta, o pai rico de uma das minhas estudantes, eu teria tudo que precisava, o novo auditório de uso exclusivo das, recém batizadas, TroubleTones acabara de ser finalizado, tudo estava ocorrendo exatamente como eu planejara.
-Garotas, atenção por favor. Este ano não teremos descanso. Todos os corais logo irão nos descobrir e tentarão nos derrubar antes das Secctionals. Então, a tarefa deste ano é fortalecer o grupo, performem nos corredores da escola e convidem garotas, principalmente Cheerios, para fazerem parte de algo tão superior ao New Directions que logo, nos tornaremos o coral principal da escola. - Dei um sorriso, e assim que acabei de falar, o telefone no meu bolso tocou, era a babá de Beth, me ligando para avisar que estava tudo perfeitamente bem com a garotinha.




Thanks for @Lovatic, on Cupcake Graphics


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Luna Michele Merëtseger em Qua 1 Out 2014 - 20:09




Mais um início de ano. Um novo começo no William McKinley High School. Questionava-me se aqueles semblantes radiantes e eufóricos seriam os mesmos quando viessem as primeiras avaliações semestrais ou a época em que todos abaixo da média tinham que correr atrás de recuperar todas as notas perdidas para concluir o ano. Quando saí da sala de aula após uma divertida e longa lição de literatura encarei por um longo tempo alguns cartazes do mural onde estavam pregados os anúncios dos clubes estudantis, os famosos clubes extracurriculares que ajudavam no currículo escolar ao final do ano. Eu já havia me inscrito em quase todos; com exceção das líderes de torcida e do clube de luta. Decatlo Acadêmico, clube de literatura, matemática, clube de teatro, clube do coral ... era uma longa lista e eu de certo modo estava animada para tudo aquilo; nunca fora um problema para mim exercer várias funções, ser equilibrada nessas horas era uma grande virtude.

Nada parecia diferente aquele ano no colégio; as faixas que pendiam todos os anos aos finais dos corredores com saudações e boas vindas aos alunos. Os cartazes por todos os corredores incentivando a ingressão aos clubes, os armários individuais para os alunos. Era bom que nada houvesse mudado, contudo, uma novidade seria instigante para os alunos. A sala do coral também continuava a mesma. As Troubletones. Alguns rostos que preenchiam o cômodo eram familiares, os mesmos do ano passado. Já outros eram novos, além do número de líderes de torcida que parecia crescer no coral algumas meninas parecia interessada em juntar-se a nós.

Conversas grupais e múrmuros excitados cessaram-se com a presença de Shelby, a treinadora. Toda a atenção das meninas voltou-se a ela enquanto ela discursava com sua familiar expressão impassível motivando-nos e revelando qual seria a tarefa da vez. Recrutar novos membros. Aquela não era uma missão tão fácil. Eram poucos os alunos que interessavam-se no clube glee do colégio. Precisávamos mostrar o quão era divertido todo aquele universo musical e de imediato minha mente começou a trabalhar. Muitas ideias penetraram minha mente, mas nenhuma parecia tão grandiosa. Seria um longo dia aquele.

...

Aparentemente aquela semana era a de recrutamento aos clubes de coral. Primeiro fora a inesperada apresentação de Rachel Berry no refeitório. Não eramos as únicas a buscar novos membros afinal. O New Directions parecia apelar ao mesmo método utilizado por Shelby; apresentações em locaias públicos. No intervalo das aulas fora a vez de Hyuna e sua performance de Really Don't Care. Eu somente a conhecia por causa do coral, nunca havia notado o quão poderosa ela podia ser. Seria uma ótima aliada. Restava mais alguns minutos para o findar do horário escolar. As últimas reuniões era as dos clubes e eu imediatamente dirigi-me a ala onde se localizava a sala da Troubletones. Havia preparado algo, sabia o que cantar e esperava que aquilo ajudasse o coral, bastava que tudo ocorresse da maneira planejada.

Todas as meninas se reuniram na sala, Shelby não demorou em chegar e eu de imediato caminhei até o centro da sala, pedindo permissão a professora para pronunciar-me. Com seu consentimento, voltei-me as meninas espalhadas na grandiosa sala. "Não somos as únicas com a idéias de recrutamento de membros. Como pudemos ver pela manhã, o ND também está apelando para esta técnica. Precisamos agir, rápido, ajudando uma a outra e conseguiremos." Pisquei com entusiasmo para as meninas que encaravam-me ansiosas e com um sinal sutil para a banda os primeiros acordes da canção escolhida por mim tomou o cômodo. Salute!

Ladies all across the world
Listen up
We're looking for recruits
If you're with me
Let me see your hands
Stand up and salute
Get your killer heels, sneakers, pumps
Or lace up your boots
Representing all the women
Salute, salute

Com um sinal para as meninas elas começaram um coral de vocalizes para o início da canção enquanto muitas se levantavam já animadas com minha escolha, rebolando graciosas com o ritmo instigante da canção eu caminhei com passos firmes até próxima as prateleiras, pegando dali um microfone com uma extensão que prendia em minha orelha e ao girar pus ambas as mãos na cintura; o microfone já posto no seu devido lugar, um olhar penetrante para as meninas e eu iniciei a canção. Obriguei meu tom de voz a baixar algumas notas, mantendo-se mais grave e potente. Uni os dedos em gesto militar, levando-os a testa enquanto entoava We're looking for recruits; apontei numa linha horizontal para as meninas defronte a mim em If you're with me e ergui a mão, induzindo-as a fazer o mesmo em Let me see your hands, stand up and salute. Bati o pé calçado com uma par de botas de plataforma Campbell ao chão em Get your killer heels, sneakers, pumps or lace up your boots e antes de entoar os últimos versos da primeira estrofe parei numa posição com ambas as mãos na cintura e apenas movendo a cabeça com dois movimentos ligeiros, mexendo aos cabelos acastanhados e os jogado com um movimento circular ligeiramente antes de começar a rebolar com sensualidade.

Ladies all across the world
Listen up
We're looking for recruits
If you're with me
Let me see your hands
Stand up and salute
Get your killer heels, sneakers, pumps
Or lace up your boots
Representing all the women
Salute, salute

De súbito, uma loira que encontrava-se rebolando ao fundo da fileira das meninas saltou na plataforma acima onde dividia os assentos e uniu-se a mim enquanto cantava. Seu rabo de cavalo alourado balançava freneticamente e e a saia das Cheerios se agitava enquanto ela remexia em minha direção cantando junto a mim os primeiros versos repetidos da estrofe inicial. Hanna. Recordei-me de sua apresentação de iniciação no coral e não tardou para que a menina estivesse trajando um uniforme das líderes de torcida e se tornasse tão popular quão as antigas alunas do instituto. A loura bateu com seu quadril contra o meu enquanto juntas cantávamos Representing all the women, salute, salute e ela com uma envolvente animação correu entre seu rebolado até próximo as demais meninas, puxando algumas para o centro da sala e envolvendo-as em sua dança.

It's who we are
We don't need no camouflage
It's the female federal
And we're taking off

If you're with me, women

Let me hear you say

O coral de meninas abaixaram o tom enquanto minha voz excedia a delas. Duas das líderes de torcida presentes moveram-se a minha frente e começaram uma sequência de danças coreografadas; ambas inclinaram-se e moviam as pernas, jogando-as para os lados seguidamente com o ritmo da canção enquanto eu cantava numa pose majestosa It's who we are, e logo repeti seus movimentos em We don't need no camouflage até que elas alterassem a coreografia para um rebolado, alternando os lados que seus quadris se moviam em It's the female federal, novamente as segui em And we're taking off; abruptamente todas paramos enquanto eu elevava meu tom ao cantar If you're with me, women, Let me hear you say.

Ladies all across the world
Listen up
We're looking for recruits
If you're with me
Let me see your hands
Stand up and salute
Get your killer heels, sneakers, pumps
Or lace up your boots
Representing all the women
Salute, salute

Attention! Salute
Attention! Salute
Attention! Salute
Representing all the women
Salute, salute



Numa entusiasmada denotação todas as meninas uniram-se para cantar o refrão da canção e o coro de vozes femininas tomou ao local. Era alto, estrondoso. Sequer podia-se ouvir o sinal tocar anunciando o fim das aulas e de súbito os corredores foram tomados pelos alunos curiosos que aglomeravam-se nas entradas da sala do coral; com uma ajuda de algumas líderes de torcida de fora, todo os corredores receberam a explosão que era os acordes e batidas da canção e as meninas do coral pulavam, rebolavam e brincavam, saudando umas as outras com as repetições de Attention! Salute. Hanna já estava ao meu lado, em sua face pairava um microfone semelhante ao meu e com um sinal com a cabeça desfilamos para fora da sala, tendo como companhia todas as meninas da sala que entoavam Salute, Salute com fervor. Encabeçamos o corredor, abrindo espaço por este e o timbre soprano aveludado de Hanna soou pelas caixas de som dos corredores.





representing girls
SALUTE

### SALUTE // Luna está na sala das Troubletones, Performando a Salute com Hanna McCain.
OUTFIT


____________________

THERE'S LOVING IN YOUR EYES
That pulls me closer. It's so subtle, I'm in trouble, But I'd love to be in trouble with you. I got the healing that you want. let' s Marvin Gaye and get it on.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Shelby Corcoran em Ter 7 Out 2014 - 5:32




My Najaconda Don't...

Eu adorava ver aquele olhar de confusão em William Schuester, praticamente foi a mesma expressão durante toda semana ao perceber que as Troubletones cantavam em qualquer lugar. Ele estava se sentindo ameaçado e deveria se sentir mesmo porque Shelby Corcoran jogava para ganhar e dessa vez não seria diferente. Algumas garotas no coral dele tinham talento, principalmente Rachel, mas não poderia ser diferente afinal ela era minha filha, tinha que puxar o talento de algum lugar, mas contra um coral como o meu o New Directions não tinham chances, poderosas, essa é a palavra que definia as minhas meninas e a mim.
- Não temos tempo a perder, admito que foram todas muito bem com a tarefa de recrutar novas integrantes e eu não admitiria nada diferente, mas temos que nos preparar para não só derrotar como também esmagar a competição. - Disse olhando para aquelas garotas, algumas pareciam um pouco surpresas com minha escolha de palavras. Eu iria esmagar o New Directions e qualquer outro coral que ficasse na frente das Troubletones. - A tarefa dessa semana é cantar músicas poderosas, que transmitam algo, usem a raiva, o amor e cantem com suas emoções, não importa qual seja ela. Usem tudo e provem por que estão aqui. - Dei um sorriso encorajador e peguei o celular para ligar para a babá, estava com saudades de Beth.




Thanks for @Lovatic, on Cupcake Graphics


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Jane Winchester em Sex 10 Out 2014 - 18:16


Fighter




Cheguei no Mckinley e estava completamente de mau humor pois tinha discutido outra vez com a minha mae.... por isso fui em direçao À sala do coral e sentei-me num canto. Esta semana era para cantar musicas poderosas e eu tinha uma em mente que me iria ajudar a libertar a minha mente....


- Olá, sou a Jane e vou cantar Fighter de Christina Aguilera.


A música começou e eu sentia-me bem nervosa e ao mesmo tempo tão irritada que deixava a vergonha de lado. Já não era a primeira vez que tinha grandes discussão com alguém da minha familia por isso andava meio que surpriendida com o facto de não haver alguma durante alguns meses.. desde de criança que na minha casa há muitas discussões.

Humf, After all you put me through
You'd think I despise you
But in the end, I wanna thank you
'Cause you make me that much stronger

Cantar esta música muito fácil pois conseguia pôr a emoção nela. A minha voz começou meio rouca,mas forte. 
When I, thought I knew you
Thinking that you were true
I guess I, I couldn't trust
Called your bluff, time is up
'Cause I've had enough
You were, there by my side
Always down for the ride
But your, joy ride just came down in flames
'Cause your greed sold me out of shame


Comecei a levantar a voz e a minha face estava mais forte e intimidante, a minha vontade era cantar esta musica a frente da minha familia para ela ver como me sinto, por isso tentei transmitir isso ali.

After all of the stealing and cheating
You probably think that I hold resentment for you
But, oh no, you're wrong
'Cause if it wasn't for all that you tried to do
I wouldn't know just how capable I am to pull through
So I wanna say thank you

(CHORUS)
'Cause it makes me that much stronger
Makes me work a little bit harder
It makes me that much wiser
So thanks for making me a fighter
Made me learn a little bit faster
Made my skin a little bit thicker
Makes me that much smarter
So thanks for making me a fighter

Mexia os braços para me espreçar. a minha voz tinha umas falhas nas quais precisava de trabalhar mas mesmo assim continuei com a mesma raiva e vontade do começo.
Never saw it coming
All of your backstabbing
Just so you could cash in
On a good thing before I realized your game
I heard you're going round
Playing the victim now
But don't even begin
Feeling I'm the one to blame
'Cause you dug your own grave

No fim estava muito cansada pois tinha puxado pela voz mais do que alguma vez fiz mesmo assim agradeci e fui me sentar outra vez, mais calma que antes e com uma espreção bem mais leve...
 
made by: lollipop @ sugaravatars

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Rachel Lewis em Qui 16 Out 2014 - 16:59



Just Disaster


Músicas podrosas, que transmitissem alguma emoção... O que Hyuna poderia cantar? A coreana não sentia nada especialmente forte para cantar.  Só as saudades da sua verdadeira família, mas não queria falar sobre o assunto. Santiago e Belle eram otimos, mas não eram seus de verdade. E conviver com Isabelle era difícil ainda, a pequena coreana apenas fingia que estava tudo bem, mas ainda doía.  Isso                  passaria....um dia. De repente, enquanto se levantava nas pontas dos pés para pegar um livro em seu armário Hyuna lembrou-se daquele dia em que se falaram pela primeira vez e uma música- A música- surgiu em sua mente.                            
E assim, com um sorriso confiante e passos decididos Hyuna adentra a sala da TT's indo diretamente falar com o dj. Imediatamente uma melodia começa a tocar e a coreana se posiciona no centro da sala, com as mãos cruzadas
Nas costas e a cabeça baixa. Seus novos cabelos loiros eram curtos, então ela os manteve presos em um rabo de cavalo curto. Quando chega sua hora de cantar ela levanta a cabeça e um sorriso misterioso invade seus lábios.  Ela se mexe conforme o ritmo da música movendo seus pés e ombros.  
 I'm trying not to pretend
That it won't happen again and again like that
Never thought it would end
Cause you got up in my head, in my head like that
And made me happy, baby
But love is crazy, so amazing
But it's changing, rearraging
I don't think I can take anymore
 Quando ritmo aumenta Hyuna estende os braços acima de seu corpo e continua movendo os quadris no ritmo da música. Em 'never' ela faz "não" com o dedo indicador, baixando os braços.
No último verso ela anda um pouco para frente, dando uma pirueta e parando na frente de Isabelle, que a observava.
 Cuz' the walls burned up and our love fell down
And it turned into whatever, now we're saying never
Feel the fire cuz' it's all around
And it's burning for forever and always
We gotta let it go, be on our way
And live for another day, cuz it ain't the same my baby
Watch it all falling to the ground
No happy ever after, just disaster
Hyuna decide provocar um pouco. Ela já não era a mesma de antes. Se vira de costas e rebola mais um pouco, olhando Isabelle por cima do ombro. Se afasta novamente com outra pirueta. No centro da sala, se ajoelha e coloca ambas as mãos na cabeça, como que frustrada e sua voz foi aumentando de volume a partir do "All the things" até que gritava no último verso.
I didn't want it this way, I only wanted to say
I loved you right
But now you walking away, and leaving me here to stay
So foolish of me to wait for you to realize
All the things I gave you, made you, changed you
Your dreams came true
When I met you, now forget you
Don't want anymore
   Hyun joga os braços para trás e seu torso acompanha o movimento, fazendo-a quase deitar-se apoiada nos joelhos. Mexe um pouco os ombros olhando para o lado, voltando depois à ficar ajoelhada, assim mexendo novamente os quadris com ambas as mãos na cintura.                        
Cuz' the walls burned up and our love fell down
And it turned into whatever, now we're saying never
Feel the fire cuz it's all around
And it's burning for forever and always
We gotta let it go, be on our way
And live for another day, cuz' it ain't the same my baby
Watch it all falling to the ground
No happy ever after, just disaster
Hyun se levanta e faz uma arma usando as mãos, "apontando-a" para o próprio peito. Seu olhar estava em Isabelle e seu sentimento agora era de superação. Depois de fingir atirar Hyun se joga em pequenos saltos para trás, parando com os braços abertos e as palmas das mãos na parede.  
You shot the bullet
You shot the bullet that killed me
Not feeling my heartbeat, and I was dying
I I've been through it,
I I've been through all the agony
And now my eyes are, trying
Trying no more crying
Lying it's just a game
So disaster strikes and I'm alright
Because my love's on it's way

Burning for forever and always  
 

Nesse momento um garoto do clube de teatro chamado pela própria coreana chega e a puxa para dançar, segurando em sua cintura e a mantendo colada à ele. Juntos eles dançam um tipo mais acelerado de Zouk, mas tão sensual quanto a versão mais lenta enquanto Hyuna cantava as últimas estrofes.  Como a música ia parando aos poucos, Hyun diminuiu seu timbre pouco a pouco até que a música terminou com ela inclinada para trás nos braços do rapaz, com o mesmo segurando sua cintura inclinado para frente.
Cuz' the walls burned up and our love fell down
And it turned into whatever, now we're saying never
Feel the fire cuz it's all around
And it's burning for forever and always
We gotta let it go, be on our way
And live for another day, cuz' it ain't the same my baby
Whatch it all falling to the ground
No happy ever after, just disaster

Cuz' the walls burned up and our love fell down
And it turned into whatever, now we're saying never
Feel the fire cuz it's all around
And it's burning for forever and always
We gotta let it go, be on our way
And live for another day, cuz' it ain't the same my baby
Whatch it all falling to the ground
No happy ever after, just disaster
Just disaster    
Burning for forever and always
Hyuna então se solta do garoto, que vai embora,e volta ao seu lugar sem olhar novamente para Isabelle ou para esperar aplausos. Seu trabalho estava feito.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Shelby Corcoran em Sab 15 Nov 2014 - 12:22




Clean this shit!

Estava completamente irritada, além de passar longas noites mal dormidas graças a minha adorável Beth as TT's estavam completamente uma bagunça. Eu sabia que criar um coral novo seria complicado, mas aquilo estava ficando completamente ridículo, além disso uma das alunas mais talentosas Hanna McCain havia entrado em um maldito coma. Eu tinha certeza que isso era carma de outra vida porque não era possível tanta coisa ao mesmo tempo.
Entre as aulas de pilates e trocas de fralda me veio uma grande ideia, aquelas garotas tinham que entrar em forma já e eu sabia o que tinha que fazer.
Entrei na sala das TT's com um pequeno sorriso gentil falso no rosto, em minhas mãos segurava uma pequena caixa. - Quem quer cupcakes? - Ofereci os cupcakes ainda com um sorriso no rosto e vi como cada uma pegou um e logo estavam atacando o doce. - Gostoso não é? O meu favorito é o de chocolate... Doce, mas pode se tornar enjoativo por não trazer nada de novo. - Falei tirando o sorriso do rosto e ficando com uma expressão séria. Me aproximei da asiática que tinha feito uma apresentação e tirei o cupcake que já havia sido mordido de sua mão e joguei no chão pisando em cima dele.
- Esse cupcake será como vocês ficarão se não começarem a acordar agora! Temos que ser as melhores e vocês não fazem nada! - Exclamei com raiva em minha voz passando por cada garota e dando um tapa em suas mãos derrubando os cupcakes. - A tarefa dessa semana é simples, escolham uma música, qualquer maldita música e criem um contexto, contem uma história enquanto cantam! Quero entender e não uma grande porcaria como esses malditos cupcakes! E quero logo! - Falei com raiva, elas tinham que acordar, não perderia para os New Directions. - Usem esses pequenos cérebros que só pensam em meninos para algo de útil! E quem não for bem vai ter que ficar cuidando da Beth depois da escola até de noite por uma semana! - Iria resolver dois problemas meus em apenas uma jogada, estava exausta de trocar fraldas. - E limpem essa bagunça! - Caminhei até a minha mesa a espera de que algo que não fosse uma porcaria.




Thanks for @Lovatic, on Cupcake Graphics



____________________

                Beth Corcoran ♪ Vocal Adrenaline We're going to Whip You!  
Shelby Corcoran

TKS CLUMSY @ SA

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Rachel Lewis em Sab 22 Nov 2014 - 19:54






Just a Ex - Lover…



Cheessus! Alguém estava irritada hoje. Shelby estava especialmente estressada hoje...TPM? Provavelmente. Enfim, o tema da tarefa nesta semana era uma música que contasse uma história. História? Fácil. Era hora de mostrar pras TT’s a vadia que for a Isabelle.
Meu figurino era bem...objetivo. Eu usava exatamente as mesmas roupas que usava no dia da minha audição para as TT’s,mostrando minha fragilidade naquela época. Outros figurinos cheios de significado seriam utilizados naquela música.
- Olá treinadora. – um sorriso sarcástico surge nos meus lábios. Eu havia mudado muito. – A história que contarei hoje não é segredo. É a minha. A nossa. – lanço um olhar na direção de Isabelle com o mesmo sorriso sarcástico. A batida começa e eu apoio uma mão na cintura apoiando um dos pés na parede batendo na mesma com o salto marcando o tempo.
You want to play, you want to stay
You want to have it all
You started messing with my head
Until I hit a wall
Maybe I shoulda known, maybe I shoulda known
That you would walk, you would walk out the door, hey!
Ando rapidamente até outro canto da sala, rebolando enquanto me movia. Chegando lá,havia um telão que ninguém havia notado. O mesmo mostrava o corredor do colégio – mais especificamente o meu armário. Paro com as costas apoiadas “nele” e uma das penas cruzada por cima da outra. Levo o dedo indicador à boca,fazendo cara de “assustada”  enquanto cantava. Meu olhar estava cravado em Isabelle em todos os minutos. Eu estava recriando toda a nossa história.
Said we were done, then met someone
And rubbed it in my face
Cut to the part, she broke your heart
And then she ran away
I guess you shoulda known, I guess you shoulda known
That I would talk, I would talk

Separo um pouco as pernas e rebolo até o chão,me virando de costas e subindo novamente pelo mesmo processo em seguida. Vou para trás do telão e me troco rapidamente,colocando o segundo figurino: o do encontro com Belle. Saio de trás do telão e vou até uma mesa que havia sido montada perto de onde comecei a música. Sento-me na mesma com as pernas cruzadas e as mãos apoiadas. Ajoelho-me na mesa e rebolo um pouco mais com os braços jogados para o alto enquanto cantava.
But even if the stars and moon collide
I never want you back into my life
You can take your words and all your lies
Oh oh oh I really don't care
Desço da mesa e a chuto em meu caminho de volta para o meu “vestiário”,derrubando-a. Próximo figurino. Precisava lembra-la de quem ela era para mim: ela foi a minha primeira em tudo. Então reapareço vestida em uma linda lingerie de renda branca,representando a minha pureza que eu já perdera há muito tempo. Arrasto uma cadeira até o centro da sala e me sento na mesma,com as mãos apoiadas em seu encosto e as pernas bem abertas,uma de cada lado da cadeira. Me levanto,ainda mantendo as mãos no encosto,ficando inflinada por cima da cadeira. Faço como se estivesse andando lentamente(movimentos de passos jogando um pé após o outro para cima),porém sem me mover do lugar onde estava. Empurro a cadeira para longe e apoio as mãos na cintura,rebolando novamente. No último verso faço uma arma com as mãos e “atiro” em mim mesma,dando uma volta por trás de todas para me trocar novamente.
I can't believe I ever stayed up writing songs about you
You don't deserve to know
The way I used to think about you
Oh no not anymore, oh no not anymore
You had your shot, had your shot, but you let go

Agora eu vestia a roupa que Usava quando ela me pediu em namoro. Lembrar daquilo quase me fez revirar os olhos. FOI a coisa mais linda que já fizeram por mim. Foi. Agora só me fazia suspirar. Ando até Isabelle e dou uma volta completa em torno de onde ela estava sentada, olhando-a de modo acusador cantando. Paro em frente à ela de joelhos,olhando-a nos olhos. No fim,jogo um beijo com um sorrisinho sarcástico e me viro rapidamente me afastando. Outra troca de roupa.
But even if the stars and moon collide
I never want you back into my life
You can take your words and all your lies
Oh oh oh I really don't care

Even if the stars and moon collide
I never want you back into my life
You can take your words and all your lies
Oh oh oh I really don't care
Oh oh oh I really don't care
Eu vestia a roupa da festa dos Warblers. Sem maquiagem. Estava frágil e magoada,traída por quem amava e havia me prometido o mundo. O que seria de mim agora? Jogo-me no chão de joelhos com as mãos no coração e olho para cima com expressão desolada. Com um pouco de atuação,lágrimas caíam dos meus olhos.  Limpo minhas lágrimas,olho nos olhos de Isabelle e me escondo novamente atrás do telão.
Yeah, listen up
Hey, hey never look back, dumb struck girl, ego intact
Look girl, why you so mad
Second guessin, but shoulda hit that
Hey Kim, you picked the wrong lover
Shoulda picked that one she's cuter than the other
I just wanna laugh, 'cause you tryna be a hipster
Kick it to the curb, take a polaroid picture
Última troca. Retorno com um vestido vermelho. O mesmo possuía um decote em formato de coração,não tinha costas e tinha uma fenda eu se estendia até o final da minha coxa. Meu cabelo estava solto,e a maquiagem destacando meus lábios,também vermelhos. Em meus pés,saltos altos. Eu agora era forte,recuperada. Meu coração cheio de cicatrizes,mas recuperado. Mas seria difícil ganha-lo novamente,ah seria.
But even if the stars and moon collide
I never want you back into my life
You can take your words and all your lies
Oh oh oh I really don't care

Even if the stars and moon collide
I never want you back into my life
You can take your words and all your lies
Oh oh oh I really don't care
Oh oh oh I really don't care
A música terminara. Agradeci como uma atriz faria,me curvando,e fui me sentar o mais longe possível de Isabelle,no fundo,aguardando as outras apresentações como estava.
It's a Love Story baby just say yes ♪♪♪♪



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Isabelle Leotta em Sab 22 Nov 2014 - 22:26




Que porra era aquela? Shelby realmente precisava transar, devia ta com uma puta TPM porque aquela mulher tava com o diabo no couro viu, ta amarrado. Em um minuto estava lá me deliciando com aquele cupcake que me dava um orgasmo gustativo e em outro o meu alimento desejado tava no chão arrancado por uma louca histérica de TPM. Eu até entendia a raiva da mulher porque as meninas tavam parecendo um bando de moscas mortas ultimamente, mas precisava descontar no pobre cupcake? Fiz uma rápida oração pelo doce derrubado antes de prestar atenção nas palavras da louca. Uma história com uma canção? Não tinha entendido muito bem, mas depois de limparem a bagunça que Shelby fez parecia que Hyuna queria se apresentar. Quando ela começou a falar tive um pressentimento que aquilo ia dar em merda, ex ressentida com música de fim de namoro? A formula perfeita pra uma grande merda. Arqueei a sobrancelha quando ela começou a cantar, falta de criatividade manda lembranças pra escolha da música.
Tinha que admitir que ficaria bastante animada se não estivesse um pouco ofendida no momento, ela tava rebolando como uma puta no cio e aquilo era meio que sexy e quando ela ficou quase seminua tava gostosa pra caralho, nunca havia gostado muito de loiras, mas a Hyuna ficava bem pra cacete loira. Revirei um pouco os olhos tentando afastar esses pensamentos da minha cabeça, pensar assim sobre ex não era bom, normalmente isso sempre acabava em uma grande merda. Tenho que admitir que me sentia um pouco culpada no momento em que vi ela com a roupa da festa dos Warblers, mas dei de ombros, não era minha culpa se ela levou nosso relacionamento sério até demais, eu só queria me divertir. Cruzei os braços e assisti o resto da performance com um olhar impassível, assim que terminou um sorriso maldoso surgiu em meus lábios e bati palmas. - Bela apresentação made in china. - Falei em um tom irônico piscando na direção de Hyuna.
Não esperei Shelby dar permissão, mandei uma mensagem rápida para algumas cheerleaders que conhecia e me levantei indo para perto da banda lhe dizendo o que eu iria tocar, se eles não soubessem aquela música eles eram um bando de idiotas, peguei uma guitarra emprestada de um dos guitarristas, eu iria arrasar naquilo. Fui para o centro da sala e dedilhei alguns acordes para testar a afinação. - Eu não vou cantar nada sobre como minha vida é uma porcaria ou como me recuperei de um relacionamento, isso tudo é uma grande porcaria e eu não mereço ficar escutando drama de adolescente pobrezinha. - Disse olhando para Hyuna com um sorriso maldoso nos lábios, ela pediu para isso e eu iria mostrar como Isabelle Leotta faz as coisas aqui. - Foda-se toda essa merda, vamos quebrar tudo! - Exclamei e comecei a tocar o início de Bad Reputation.

I don't give a damn 'bout my reputation
You're living in the past it's a new generation
A girl can do what she wants to do and that's
What I'm gonna do
An' I don't give a damn ' bout my bad reputation


Assim que comecei a cantar sabia que aquilo seria algo para se lembrar, cantei as notas com raiva, não era uma canção difícil tecnicamente então sabia que o que teria que me concentrar mais seria os acordes da guitarra. Olhei para Hyuna com um brilho divertido nos meus olhos, ela queria guerra então ela teria a guerra. Andei para perto da garota e arqueei a sobrancelha.

Oh, no, not me

Cantei na frente dela com um sorriso maldoso nos lábios, eu não me importava com o que ela achava de mim, não me importava com o que ninguém achava de mim. Por mim poderiam ir todos se foderem com um cabo de vassoura que não me importaria nem um pouco. Pisquei na direção da garota antes de ir para perto de Shelby.

An' I don't give a damn 'bout my reputation
Never said I wanted to improve my station
An' I'm only doin' good
When I'm havin' fun
An' I don't have to please no one
An' I don't give a damn
'Bout my bad reputation


Tinha que admitir que a treinadora era bastante gostosa então nada mais do que aproveitar aquele momento para flertar um pouco com ela. Toquei a guitarra com maestria acertando todos os acordes como se não fosse difícil, na verdade era difícil, mas não demostraria isso. Aproximei meu rosto da orelha da treinadora cantando e ao final da estrofe mordisquei o lóbulo de sua orelha antes de ir para o centro da sala.

Oh, no, not me
Oh, no, not me


Algumas cheerleaders que havia chamado haviam entrado na sala e dançavam ao meu redor. Uma delas tocou os meus ombros antes de rebolar até o chão e tinha que admitir que estava achando bastante divertido. Os acordes estavam sendo tocados com mais facilidade, já havia me acostumado com a música. Uma das cheerleaders estava do meu lado apoiada em mim então beijei o canto dos seus lábios antes de voltar a cantar a próxima estrofe.

I don't give a damn
'Bout my reputation
I've never been afraid of any deviation
An' I don't really care
If ya think I'm strange
I ain't gonna change
An' I'm never gonna care
'Bout my bad reputation


Andei ao redor de uma das líderes de torcida e deixei de tocar por um instante para apertar a bunda dela com força, um sorriso malicioso nunca deixou meus lábios e ela fez uma expressão de surpresa para aumentar a performance. Logo voltei a tocar a guitarra, cantei as palavras "I don't really care" olhando especialmente para Hyuna como menção a música que ela havia cantado anteriormente.

Oh, no, not me
Oh, no, not me
Pedal boys!


Assim que terminei de falar um dos guitarristas da banda começou um solo de guitarra e aproveitei aquele momento para realizar o que a tarefa realmente pedia. Deixei a guitarra de lado pendurada em meu corpo e peguei um cigarro e um isqueiro acendendo-o rapidamente antes de falar. Sabia que Shelby poderia reclamar, mas ela sabia que fazia parte da apresentação. - Vocês sabiam? Tem um monte de pessoas me chamando de vadia por ai, dizendo que eu não presto e um monte de merda parecida. - Traguei o cigarro e soltei a fumaça rindo secamente em seguida, o som da guitarra me acalmava. - Não se pode mais nem transar uma virgenzinha qualquer que já é julgado por ai, isso é uma grande porcaria, a transa nem foi das melhores. - As líderes de torcida andavam ao meu redor e uma havia colocado uma cadeira na minha frente em que coloquei meu pé em cima. Olhei para Hyuna depois de falar aquilo. - Mas quer saber? Eu vou continuar transando com qualquer uma que eu quiser porque eu não dou a mínima! - Exclamei e entreguei o cigarro a uma das líderes de torcida para ela se livrar antes de levar a guitarra as mãos novamente e continuar a tocar.

An' I don't give a damn
'Bout my reputation
The world's in trouble
There's no communication
An' everyone can say
What they want to say
It never gets better anyway
So why should I care
'Bout a bad reputation anyway
Oh, no, not me
Oh, no, not me


Cantei o refrão com força, colocando potência em minha voz. Tocava a guitarra com uma certa raiva, toda aquela frustração de antes estava sendo descontada naquela apresentação. Quem Hyuna achava que era para fazer esse tipo de coisa, estava cheia daquela coreana e seus dramas, ela poderia explodir que não me importaria naquele momento, ainda iria em seu funeral e transaria com qualquer uma no lugar.

I don't give a damn 'bout my bad reputation
You're living in the past
It's a new generation
An' I only feel good
When I got no pain
An' that's how I'm gonna stay
An' I don't give a damn
'Bout my bad reputation


Fui para perto da banda e toquei junto do guitarrista, ele fazia a segunda voz da canção, podia sentir que algumas das garotas do coral estavam surpresas com minha explosão e sabia que Hyuna provavelmente estava muito irritada, mas não me importava muito. Não iria mais me importar com porra nenhuma, apenas iria sair fazendo o que queria e quando queria, sem drama por trás disso. Fui para o centro da sala e subi na cadeira que as líderes de torcida haviam colocado.

Oh, no, not me
Oh, no, not
Not me, not me


Fechei os olhos apenas me concentrando na música, estava com raiva, muita raiva e tudo tinha sido colocado nessa apresentação. Cantei os últimos versos quase gritando em um tom agudo. Ao final da apresentação as líderes de torcida haviam deitado no chão ao redor da cadeira. Percebi que o silêncio depois dos instrumentos pararem era estranho então abri os olhos e pareciam que todos estavam surpresos. - Ah foda-se! - Murmurei e puxei o fio que ligava a guitarra elétrica ao amplificador antes de ir em direção a saída da sala entregando a guitarra ao membro da banda.

Usando: This || Tags: Ann St. James|| Notes: Fuck it!@
 

____________________


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Seg 1 Dez 2014 - 22:26

you play sensuality, or know wear it?
I know that you been waitin' for it. I'm waitin' too.

Depois de tanto tempo afastada da cidade, trabalhando como modelo para uma marca mundialmente famosa, estava no momento de tirar as tão sonhadas férias. Ao deixar Londres para trás em busca de sossego, tinha um preço a se pagar por isto. O tédio. Estar longe de uma das cidades mais movimentadas do mundo, era de fato, chato. De volta a Ohio, uma pacata cidade de Lima, estaria longe de tudo o que envolve a fama. Tinha certeza que os monótonos habitantes dali não reconheceriam uma super model. E se reconhecessem, não haveria problema. Se lidar com multidões em Londres era algo difícil, mas possível, em Lima, seria mais ainda. Após chegar na cidade, a primeira coisa que fizera, havia sido procurar o apartamento ao qual tinha deixado por cuidados de uma amiga de longa data. Não tinha mais contato com ela, porém, saberia que a chave do apartamento estaria no mesmo lugar que haviam combinado desde o começo. Assim que pôs os pés em frente a porta, viu um envelope amarelo, do tipo que só usariam em cidades pequenos. Alice se abaixou, o pegando.

O'LAVERY, ALICE. SEJA BEM VINDA DE VOLTA.
Solicitamos sua presença de volta à escola WMHS, para que ocupe o cargo de diretora de coral, cujo já havia tomado em mãos antes, as Troubletones. Se ainda desejar cuidar de tais garotas, compareça à escola amanhã, às extas 09:45 AM, e conversaremos sobre o futuro de sua presença conosco.

Abriu a porta, pensando seriamente no que fazer. Sabia que não encontraria todas as antigas garotas às quais estava acostumada. Mais isto não lhe era problema, já que convivia com novas garotas o tempo todo no ramo das passarelas, comerciais e derivados. Não só garotas, garotos, crianças. Era adepta a mudanças, e era raro achar algo que lhe pudesse afetar. O primeiro passo dentro do apartamento, fora tomar um longo banho.

★ ☆ ★ ☆ ★ ☆

Depois de acertar um salário que certamente não lhe seria necessário em nada, mas ainda sim gratificante, Alice estava a caminho da sala onde não pisava a mais de dois anos. Vestia um vestido apresentável para uma professora. Tons claros, composto, não muito longo nem curto. Os cabelos soltos, como gostava. Estavam um pouco mais curtos que antes, dando um formato angular melhor para o rosto fino da loira. Virou o corredor, recebendo olhares furtivos. Abriu um fino sorriso, quase sem mover os lábios. Entrou na sala, vendo uma dúzia de garotas conversando.

Bom dia, meninas. ┈ Olhou de esguelha para sala, dispersando o silêncio da forma que gostava. Diretamente. ┈ Shelby não poderá continuar com o coral, que foi repassado para minhas mãos. ┈ Começou, se dirigindo até o mini system portátil no canto da sala.

Plugou um pen drive, Sexy Back (Justin Timberlake) começando a tocar de imediato. Estava em um volume no qual poderia falar, tendo a música como fundo. Caminhou até o meio da sala, indo para trás do piano. Com o indicador, dedilhou a base do instrumento, os olhos focados nas garotas da sala. Lançava-lhes um olhar centrado, os olhos azuis fixando uma por uma, mordiscando os lábios, inclinando um pouco a cabeça para trás.

A tarefa de vocês, será performar uma música que gostem. Não lhes darei um tema, mas... ┈ Parou ao chegar no fim do piano, indo parar a frente das garotas. ┈ Vocês farão dela, uma música sexy. Não importa o estilo, não importa a letra. Estou falando com mulheres, e quero que me mostrem a sensualidade que vocês tem. ┈ Sorriu pequeno.

Deu as costas, indo até o mini system, aumentando o volume mais um pouco. Voltou até o centro, olhando-as ligeiramente. Poderia supor que algumas não se sairiam tão bem, outras, lhe surpreenderiam. Queria ver no que iria dar. Se aquelas garotas eram mesmo merecedoras do troublegirls.

Me chamo Alice. ┈ Disse, inclinando um pouco a cabeça para o lado esquerdo. ┈ Acostumem-se com este nome, não vão esquecer dele. Algumas de vocês já o ouviram antes, e sabem do que estou falando. ┈ Andou até o canto direito, sentando em uma cadeira afastada das demais alunas. Olhou para a morena de olhos azuis, Luna, por um instante e desviou depois.

Era o veredito final para iniciarem as apresentações.



Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Angel Winchester em Sab 6 Dez 2014 - 22:05

[dohtml]








It's Mitchie Sexyside




Havia ficado um tempo afastada de escola, problemas que não vem ao caso, o importante é que a diva voltou, após muita detenção e aulas filadas, finalmente chegou a hora de ir para as Troubletones, havia sentido muita saudade daquele coral, então logo eu vejo uma loira entrando, Alice é o nome dela, me lembrava dela, enfim parece que não sou a única a retornar aquele lugar, pouco prestei atenção na tarefa, era ser sexy, enfim esse lado adormecido terá que acordar. Havia encontrado muitos rostos conhecidos e decidi ser a primeira a se apresentar:
-Sou Mitchie Winchester-depois ouvia as batidas e eu falei forte e com uma voz sexy- It's Mity bitch.

Oh baby, baby
How was I supposed to know
That something wasn't right here
Oh baby, baby
I shouldn't have let you go
And now you're out of sight, yeah
Show me, how you want it to be
Tell me baby 'cause I need to know now,
Ooh because

Quando eu  comecei a cantar a sala havia ficado escura, e enquanto desfilava de maneira bem sexy , para dar um pouquinho mais de sedução na música deixei a minha voz um pouco mais delicada mas sem deixar de seduzir logo comecei a dançar de maneira bem sexy com atitude, sem copiar demais a coreografia original , minha voz estava em um tom mais forte cheia de muita sedução e adaptei a minha voz para eu não parecer uma pessoa vulgar e sim totalmente confiante.

My loneliness is killing me (And I)
I must confess, I still believe (Still believe)
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time

Depois deixei a confiança que estava dentro de mim escondida aparecer sem qualquer tipo de medo, cantava bem empolgada e ouvia alguma das troubletones cantar a parte do coro ''And I/Still Believe''  apesar de eu estar cantando bastante não esqueci da parte da dança , que nunca foi o meu forte mas ainda assim praticava ao máximo para quando eu fizer a audição para NYADA já terei algo a mais do que a minha voz e sim a dança , fazia alguns passos de rítimos mais streets como o hip hop e como eu fiz ballet quando eu era pequena decidi usar a minha flexibilidade enquanto eu cantava e dançava de maneira contagiante , naquele momento eu me imaginei sozinha e continuei a dançar e a cantar usando tudo que eu sei , carisma , charme , emoção e todo o meu talento vocal. Cada movimento que eu fazia carregava doses de sensualidade e talento.

Oh baby, baby
A the reason I breathe is you (I do)
Boy you got me blinded
Oh pretty baby
There's nothing that I wouldn't do
That's not the way I planned it
Show me, how you want it to be
Tell me baby cause I need to know now
Ooh because

Depois de um tempo eu decidi sentar na cadeira que havia sido posta lá por uma pessoa que não fazia parte do coral , só membro da banda mesmo , cantei de maneira sedutora e com um toque romântico , meus olhos brilhavam como os de uma menina que não é tão inocente assim,fiz minha voz ir para um tom mais simples , com um toque mais singelo posso dizer que ficou algo único na minha voz.

My loneliness is killing me (And I)
I must confess, I still believe (Still believe)
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time


Me levantei da cadeira que eu estava sentada de maneira bem sensual e ao mesmo tempo angelical e continuei a cantar e a dançar de maneira bem sincronizada , cada palavra que eu cantava simbolizava um passo que eu dançava , com um jeito bem incrível ficou bem harmonizado , exatamente da maneira que eu queria , os meus passos de hip hop eram bem rápidos mas eu consegui executar os mesmos com uma precisão .



Oh baby, baby
How was I supposed to know
Oh pretty baby, I shouldn't have let you go
I must confess, that my loneliness
Is killing me now
Don't you know I still believe
That you will be here
And give me a sign
Hit me baby one more time


Continuei a cantar e a dançar de maneira bem animada mas sem parecer uma garota maluca que se achava que é uma rockstar , depois a minha voz ficou em um tom mais suave , meus olhos estavam extremamente emotivos , sem nenhuma lágrima , só naturalmente puxando a emoção , depois continuei os movimentos de street que me fizeram deslizar como se fosse a coisa mais fácil do mundo, por quase toda a sala do coral , fazia movimentos sensuais e provocantes, mostrando o meu poder e piscava os olhos algumas vezes.

My loneliness is killing me (And I)
I must confess, I still believe (Still believe)
When I'm not with you I lose my mind
Give me a sign
Hit me baby one more time


Após isso me levante caminhando bem lentamente de acordo com o instrumental, a parte final mais emotiva como o da primeira vez que deixei a minha voz mais suave e sentei na mesma cadeira, continuei nesse rítimo , até que eu levantei deixando minha voz bem mais forte e com toda a minha presença de palco terminei a música com um jeito bem mais impactante e com o final da coreografia bem impressionante e logo ouço alguns aplausos das pessoas no coral, após agradecer os aplausos e alguns gritos felizes, me sento na minha cadeira e espero a próxima apresentação com um sorriso no rosto.






tag:vai aqui

outfit:aqui

music:aqui

note: aqui





made by lexie a tabernaand  @ aglomerado








[/dohtml]

____________________

Angel
Winchester
Adult-Photographer-Chemisty Teacher- ♥️
Angel Winchester
@CupacakeGraphics

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Jane Winchester em Sab 6 Dez 2014 - 22:13


Your body....
I came here tonight to get shit out of my mindI'm gonna take what I find (Oh oh, yeah)So open the box, don't need no key I'm unlockedAnd I won't tell you to stop (Oh oh, yeah)
Acordei logo a pensar na tarefa desta semana das troubletones estava indecisa entre duas musicas de duas artistas incriveis Rihanna e Christina Aguilera. Levantei-me ainda na dúvida de qual deveria cantar e enquanto escolhia a roupa perfeita para a tarefa consegui finalmente decidir.
Sai de casa quase a correr pois demorei tanto que quase me atrasei, mas finalmente tinha a música perfeita.

Quando cheguei no Mckinley, fui logo em direcão a sala do coral, ja la estaváo maior parte das garotas por isso sentei. Passado um bom bocado me levantei e me aprensentei.

-Olá, eu sou a Jane e vou cantar a musica "Your Body" de Christina Aguilera.

Assim que acabei a musica começou, estava confiante de que esta tarefa ia correr bem, tinha que correr bem pois estas ultimas têm sido um fracasso, ainda por cima com nova treinadora teria de causar boa inpreção.

I came here tonight to get shit out of my mind
I'm gonna take what I find
So open the box, don't need no key I'm unlocked
And I won't tell you to stop


A minha voz estava longe do original mas também não era minha intenção tentar chegar aos calcanhares da incrível Christina Aguilera... a minha intenção era provar o máximo possível que tenho a voz necessária para estar neste coral.
A minha voz aumento e levantei a cabeça e olhei para todas as garotas na sala, pareciam estar a gostar. Mas mesmo que não estivessem eu não podia pensar nisso ou esta iria ser outra das minhas tarefas horríveis...

Na parte "...all I wanna do is love your body.." passei as mãos pelo corpo de uma forma sensual e depois no refrão fui mais para a frente, para mais perto das cadeiras e continuei a mexer no cabelo e voltei para o centro com um andar meio que a desfilar.

Hey boy!
I don't need to know where you've been
All I need to know is you and
No need for talking
Hey boy!
So don't even tell me your name
All I need to know is whose place
And let's get walking

All I wanna do is love your body
Oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh
Tonight's your lucky night, I know you want it
Oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh
All I wanna do is love your body
Oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh
Tonight's your lucky night, I know you want it
Oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh-oh


A minha voz estava forte e não haviam falhas, apenas algumas que posso não ter notado.
Ia mexendo no cabelo para fazer mais efeito na musica e conseguir transmitir aquilo que se pedia na tarefa desta semana.
Tinha um sorriso que era "selvagem" e mostrava o que a música pedia.

It's true what you heard, I am a freak, I'm disturbed
So come on and give me your worst
We're moving faster then slow, if you don't know where to go
I'll finish all from my own


No fim parei no meio da sala e olhei firmemente para as garotas, ainda com um olhar intimidante, que como é óbvio não esperava que afetasse alguma das troublegirls mas que dava um ar mais confiante e sensual ao final da música.Apludiram-me eu agradeci e sentei-me de novo para ver mais performances.
●♫♪●
música/artista:Your body tagged: Troublegirls notas:.....
thanks weird for LG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Isabelle Leotta em Qua 10 Dez 2014 - 21:02




Parece que eu teria que me despedir de Shelby e seus ataques de nervos, uma pena, estava começando a apreciar a presença da mulher e as saias que ela utilizava davam uma boa visão durante os ensaios apesar de ela ser uma maluca neurótica que passava todo o mês de TPM. Estava prestes a lamentar e cortar os pulsos ao som de Demi Lovato com minha gilette max quando ela entrou na sala. Parecia uma forma de Afrodite misturada com Artemis, seus cabelos loiros esvoaçante em uma cor que me lembrava uma palha úmida, olhos azuis tão cristalinos quanto o canal de Nova York, uma expressão de mosca morta adorável e o melhor de tudo seu corpo possuia mais curvas que uma pista da hot wheels e eu queria pilotar naquela cintura, ela não parecia pesar muito e eu tinha certeza que aguentava, aquela ali eu jogava para o alto, fazia um mortal carpado e pegava de novo. Resumindo, Alice era uma puta gostosa, era daquelas gostosas que eu pagaria 50 pratas pela noite e não teria pena.
Infelizmente ela também era uma pessoa muito má e havia dado uma tarefa, eu não esperei muito dela afinal ela era loira e gostosa, provavelmente não sabia praticar esportes, resolver cubos mágicos ou uma tabuada, mas tanto eu quanto o mundo não davamos a mínima, afinal ela era gostosa, então quanto ela disse que o tema da semana era pra fazer músicas sexy não me surpreendi. Decidir a música não foi difícil, tinha pensado anteriormente em fazer alguma música da Nicki Minaj, afinal tinha que incluir pelo menos uma cantora afro-descendente nas minhas apresentações graças ao sistema de cotas. Além disso ela era uma mistura estranha da Lady Gaga com a bruxa cuca que de alguma maneira terminou virando uma siliconada gostosa. Todos sabem que a maioria de suas músicas são duetos e ela só perde para o labrador e a cacau com leite na questão de duetos. Eu iria fazer uma imitação de sua música Anaconda que até a Imitta e o Latino iriam ter inveja.
Enquanto ensaiava para a apresentação tinha medo de acabar me tornando uma puta do gueto e sair dando para os negões que iriam me ajudar a dançar então eu precisava de uma presença feminina durante os ensaios, por isso chamei o meu melhor amigo e um dos BDFN também conhecido como bichinhas dadeiras fans da Nicki para purificar o lugar e ter alguém pra jogar para os negões. Aquela apresentação demorou algum tempo para fica pronta e no final depois de tanto esfrega bunda na anaconda tive que sacrificar meu melhor amigo para não ser possuída por uma das mambas negras. Era o dia da apresentação, a primeira a se apresentar foi uma garota que parecia ter passado ferro no cabelo, sério, alguém dizia pra ela que tava escroto com aquelas bochechas flácidas, atualmente existia algo chamado botox, sua cabeça era grande, parecia a lua em cima de um palito do breadsticks, ao olhar pra tal da Mitchie já podia prever a merda que estava vindo e sabia que não ia ser bonita. A garota pareceu ter decidido cantar Britney e sabia que ia vir uma versão feiosa de Baby One More Time cheia de gemidos, essas garotas não tinham criatividade? Depois de uma apresentação irritante cheia de gemidos e uma tentativa de sensualizar que acabou em uma imitação mal feita da Bruna Surfistinha na época que dava por vinte reais eu só gemer de dor de cabeça. Pelo menos ela poderia ter honrado a cantora original e feito a neide, mas nem isso ela nos deu o prazer.
A próxima a se apresentar foi uma tal de Jane, uma morena que parecia até ter futuro até abrir a boca e tentar sensualizar, além de aquela música ser extremamente clichê a garota tinha feito uma apresentação que foi horrível, provavelmente eu não iria me lembrar nem de quem ela era, seria mais esquecida que aquela ex-vocalista do Pussycat Dolls. Ao perceber que era a minha hora pedi para os dançarinos organizarem tudo e falei com o Dj que tocaria a parte instrumental. Me troquei no banheiro colocar meu short que era tão curto que eu tinha que tirar do rabo a cada minuto e minha camisa colada rapidamente Fui me posicionar no centro da sala e esperei aquela porra toda começar.
My anaconda don't
My anaconda don't
My anaconda don't want none
Unless you got buns, hun

O refrão foi tocado pelo DJ e logo no início coloquei minha perna direita para a frente levando as mãos para os joelhos, começando a fazer um movimento de twerk com a bunda no terceiro "My anaconda don't". Aquilo me lembrava aquela loira gostosa que era da Disney que raspou o cabelo, com aquela ali eu me acabava.
Boy toy named Troy, used to live in Detroit
Big dope dealer money, he was gettin' some coins
Was in shootouts with the law but he live in a palace
Bought me Alexander McQueen, he was keeping me stylish
Now that's real, real, real
Gun in my purse, bitch, I came dressed to kill

Voltei a encarar as TT's no início do rap e coloquei ambas as mãos em minha cintura, quatro morenas com as bundas que não dava pra segurar com as minhas duas mãos de lingerie haviam aparecido do meu lado com pequenos pedaços de panos que nem poderiam ser chamados de peças de roupas cobrindo partes que eu adoraria ver começaram a balançar os quadris para os lados e me acompanhar na coreografia, sabia que estava me apresentando, mas queria tocar numa daquelas bundas enormes. Virei de lado e coloquei as mãos nos joelhos empinando a bunda no quarto verso antes de virar e fazer o mesmo no verso seguinte, na minha mente só me perguntava como era possível uma bunda daquelas diante de mim existir.
Who wanna go first? I had them pushin' daffodils
I'm high as hell, I only took a half a pill
I'm on some dumb shit, by the way, what he say?
He can tell I ain't missing no meals
Come through and fuck him in my automobile
Let him eat it with his grills, and he tellin' me to chill
And he telling me it's real, that he love my sex appeal
Say he don't like em boney, he want something he can grab
So I pulled up in the Jag and I hit him with the jab like

Andei para o lado indo para outro canto da sala perto do DJ onde outras duas dançarinas com as mesmas roupas se encontravam, na metade do terceiro verso coloquei as mãos sobre minhas coxas para ajudar a descer ficando de cócoras, sentia a parte interna de minhas coxas queimar pelo esforço, quiquei um pouco na parte mais rápida do rap antes de levantar e andar para o lugar de antes que agora tinha algumas cadeiras.
My anaconda don't
My anaconda don't
My anaconda don't want none
Unless you got buns, hun

Oh, my Gosh, look at her butt
Oh, my Gosh, look at her butt
Oh, my Gosh, look at her butt
Look at, look at, look at
Look at her butt

Cheguei ao lado da cadeira no centro no final do terceiro verso do refrão, coloquei rapidamente um dos meus pés em cima do assento e balancei os quadris em movimentos duros antes de me sentar no mesmo assento. Agora era a minha parte favorita da coreografia apesar de ser difícil levantar a perna do jeito que deveria. No início da estrofe levantei a perna direita tomando um cuidado para permanecer com a mesma esticada durante todo o movimento. Levei ambas as minhas mãos para os meus ombros tocando-os com as pontas dos dedos levantando as pernas para cima e abrindo-as em seguida. Levantei da cadeira no momento que os negões musculosos que pareciam ter tomado bomba de cavalo chegaram perto e fui pra perto de um deles que tinha me tarado com a mamba negra nos ensaios.
This dude named Michael, used to ride motorcycles
Dick bigger than a tower, I ain't talking about Eiffel's
Real country-ass nigga, let me play with his rifle
Pussy put his ass to sleep, now he calling me NyQuil

O dançarino estava na minha frente e começou a descer com o rosto bem próximo ao meu corpo parando por um segundo quando seu rosto estava na altura da minha virilha, ele segurou com força em minhas nádegas e me forçou a virar, colocou as mãos no chão se apoiando e no momento em que eu coloquei as mãos nos joelhos e abaixei um pouco a minha bunda em movimentos para cima e para baixo ele movimentou os quadris para frente e para trás em um movimento bastante explicito em que quase encostou com sua virilha em minha bunda. Me virei e toquei o chão com as pontas dos dedos me deitando com a barriga pra baixo enquanto ele se ajoelhava e ficava onde fiquei anteriormente.
Now that bang, bang, bang
I let him hit it 'cause he slang cocaine
He toss my salad like his name Romaine
And when we done, I make him buy me Balmain
I'm on some dumb shit, by the way, what he say?
He can tell I ain't missing no meals
Come through and fuck him in my automobile
Let him eat it with his grills, and he telling me to chill
And he telling me it's real, that he love my sex appeal
Say he don't like em boney, he want something he can grab
So I pulled up in the Jag, Mayweather with the jab like

Ele ficou inclinado sobre mim e fez movimento de vai e vem com sua virilha encostando o seu pênis contra as minhas nádegas no primeiro verso, definitivamente era uma mamba negra e naquele momento rezei para Madre Cupira protetora das pregas de quengas e putas para não deixar aquilo me arrombar. Me virei ficando de barriga para cima e ele fez o mesmo movimento e tenho que admitir que por dentro estava morrendo de medo. Fiquei feliz quando ele levantou e me ajudou a levantar e andei pela a sala cantando o rap que havia passado dias decorando, Nicki Minaj era difícil de cantar.
My anaconda don't
My anaconda don't
My anaconda don't want none
Unless you got buns, hun

Little in the middle but she got much back
Little in the middle but she got much back
Little in the middle but she got much back
Oh, my God, look at her butt
Andei até um dos cantos da sala e os dançarinos dançavam a coreografia que haviamos ensaiado agora, balancei os quadris para a esquerda inclinando o meu torso para a direita me curvando antes de levantar, fiz o mesmo para o outro lado antes de balançar as nádegas rapidamente em um twerk rápido. Andei para o centro da sala e quatro dançarinos estavam ao meu redor.
My anaconda don't
My anaconda don't
My anaconda don’t give a shit if you don’t want this bitch

Os garotos se ajoelharam do meu lado e me ergueram em seus ombros enquanto eu terminava a apresentação. Pisquei para a nova treinadora gostosa com um sorriso malicioso nos lábios enquanto os garotos me levavam para o meu lugar e eu esperava as outras apresentações.

Usando: This || Tags: Anaconda|| Notes: Fuck it!@
 

____________________


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por SanClair S. Scherbítsky em Ter 16 Dez 2014 - 17:59

"Problem?"

I got 99 problems but you won't be one like what!
Mais um dia como uma integrante das Troubletones. Eu estava adorando participar de um coral, ainda mais um coral com tamanho potêncial, mas nós não estavamos com tanto potêncial assim ultimamente.

E nós haviamos recebido mais uma nova noticia: Uma nova treinadora paras as Troubletones. Alice O'Lavery. Uma loira um tanto egocêntrica, mandona e cheia de si. Mas qualquer ajuda que viesse para levantar as TTs, era bem vinda, até mesmo por mim. Ela se apresentou, começou a dizer algumas coisas sobre como teriamos que nós reeguer e nós deu uma tarefa para a mesma hora, apresentar uma música que gostassemos e dessemos um pouco de sensualidade feminina como tempero especial.

A tarefa foi dada e algumas meninas já haviam começado a se apresentar, para minha surpresa e o bem estar do meu bom humor, Luna ainda não tinha levantado a bunda magrela dela do banco e ter sido a primeira a se apresentar. A primeira foi Mitchie e depois Jane com Your Body de Christina Aguilera e logo atrás Isabelle com Anaconda de Nicki Minaj. Era a minha vez de brilhar, então assim que Isabelle acabou de cantar e se dirigiu para o seu lugar, me dei de pé e caminhei até o centro da sala. - Então, já que temos uma nova treinadora, já passou da hora de nomearmos a lider desse coral, certo? Certo. E eu, SanClair D'Alleman sou a melhor pessoa que vocês iram encontrar nesse momento para ocupar este cargo. Ah! e seja bem vinda Alice. - Dei de ombros para as garotas e lancei meu olhar para a banda. Ela já sabia o que tinha que fazer. Logo já ouvia o som dos trompetes, logo as garotas já começaram a gritar de euforia.

It's Bitch Clair.
I got one more problem with you girl

Em "I got one more problem with you girl" apontei para Alice e logo comecei a cantar com uma voz meio grave e firme, mas nunca deixando de lado o tom sensual. Caminhei em direção as garotas e apontei para elas cantando "Hey baby, even though I hate ya", dou um giro curto e rápido abusando da saia que o uniforme das cheerios possuia, sabia que aquela saia possuia um enorme estilo de sensualização feminina que atria e levava os meninos á loucura. logo em seguida coloquei ambas mãos sobre meu peito em "I wanna love ya", dei dois impulsos para frente interpretando as batidas do meu coração em companhia das batidas da bateria, ainda na mesma posição e só lancei meus braços para frente com meus dedos indicadores apontados para as garotas quando Isabelle e Mitchie cantando "I want you-u-u". Coloquei ambos dedos em cada lado de minha cabeça e a girei em "And even though I can't forgive you", em "I really want ya" me agachei e coloquei ambas mãos em meu joelhos e dei dois quicadas e me pós de pé, requebrei mais duas vezes em "I want you-u-u".

Hey baby, even though I hate ya
I wanna love ya
I want you-u-u
And even though I can't forgive you
I really want ya
I want you-u-u
 
Caminhei até Isabelle, que já se encontrava de pé e dançando alegremente, aproveitei a situação e me juntei a ela, dançamos e sensualizamos juntas na parte de "Tell me, tell me baby, Why can't you leave me". Sorri para ela e ela fez o mesmo para mim, sinceramente? De todas as garotas das Troubletones, ela fora a que eu mais me simpatizei, daria uma chance a ela para sermos amigas. Volto a caminhar para o centro da sala em "'Cuz even though I shouldn't want it, I gotta have it" nunca perdendo o rebolado sensual. Puz ambas de minhas mãos em meu joelho direito me tornando meia-agachada, estiquei a perna esquerda e dei dois impulsos fortes com meu quadril que fez a "saia da provocação" levantar três vezes enquanto Mitchie e Isabelle cantavam "I want you-u-u". Agora havia me decidido em me dedicar em minha voz. Deixar a dança um pouco de lado e me concentro na voz, agora era o momento de deixa-la mais potente, forte e presente, fui aumentando de pouco em pouco segundos como se estivesse subindo uma escada em "Head in the clouds, Got no weight on my shoulders, I should be wiser and realize that I've got".

Tell me, tell me baby
Why can't you leave me
'Cuz even though I shouldn't want it
I gotta have it
I want you-u-u

Head in the clouds
Got no weight on my shoulders
I should be wiser
And realize that I've got

O refrão havia chegado e agora era a hora de sensualizar o máximo que eu podia, Isabelle e Mitchie resolveram se juntar a mim e fazer participação especial em minha apresentação. As partes "I got one less problem without ya" pertencia a Isabelle, que sussurrava com uma voz extremamente sensual e baixa, quase um gemido. Eu e Mitchie respondiamos na ultima parte do refrão juntando nossas vozes, para mim Mitchie possuia mais facilidades para atingir as notas agudas do que eu. Nós três nos juntamos no centro da sala e começamos a rebolar e sensualizar, depois de alguns segundos, caminhei até Alice e comecei a dançar com ela, abusando do nosso poder feminino.

Isabelle:
One less problem without ya
I got one less problem without ya
I got one less problem without ya

SanClair and Mitchie:
I got one less, one less problem

Isabelle:
One less problem without ya
I got one less problem without ya
I got one less problem without ya

SanClair and Mitchie:
I got one less, one less problem

Hora do meu desafio comigo mesma. Rap não era o meu ponto forte, mas eu teria que me desafiar. Teria que tomar muito cuidado com a parte do rap, sinceramente, eu jamais iria gostar de uma musica que tivesse rap nela, mas Problem, Bang Bang e outras estavam mudando minha opinião sobre isso.

It's Iggy Iggs, uh
What you got?
Smart money bettin'
I'll be better off without you
In no time
I'll be forgetting' all about you
You sayin' that you know
But I really really doubt you
Understand my life is easy
When I ain't around you

Olhei para Isabelle e fiz um sinal para ela vir ao meu encontro, assim ela veio e juntas caminhamos juntas até o centro de novo, agora eu me comportava como Iggy, fazendo alguns gestos de rappers, mas nunca perdendo o rebolado e minha sedução feminina. Mitchie se juntou a nós e junto com ela, todas as garotas haviam se levantado de suas cadeiras e começaram a dançar.

Iggy Iggy, too biggie to be here stressing
I'm thinkin' I love the thought of you
More than I love your presence
And the best thing now
Is prolly for you to exit
I let you go
I let you back
I finally learned my lesson
No half-stepping
Either you want it or you just playin'
I'm listening to you knowing
I can't believe what you're sayin'
There's a million you's, baby boo
So don't be dumb
I got 99 problems
But you won't be one
Like what!

O final de minha apresentação estava perto, agora era o momento em que novamente eu teria que me concentrar em minha voz na parte mais forte e presente da canção, assim tornei minha voz mais firme e presente, Em "I've got" dei um grito totalmente agudo, mas tomando muito cuidado para não desafinar. A parte final havia chegado e as garotas se juntaram a nós no centro da sala e todas começamos a dançar sensualmente, mostrando do que as Troubletones são feitas.  

Head in the clouds
Got no weight on my shoulders
I should be wiser
And realize that I've got!


Isabelle and Troubletones:
One less problem without ya (Hey!)
I got one less problem without ya (Babe)
I got one less problem without ya
I got one less, one less problem.

SanClair:
Problem, yeah.

Havia terminado minha apresentação e as garotas aplaudiam sem parar e outras gritavam expressando que estavam satisfeitas com minha apresentação, Alice ordeu que nós sentamos e antes de ir para meu lugar. - E é assim que uma verdadeira Troubletone faz.

tags: #problem #alice #troubletones. post nº: 010. vestindo: isso.
att @ sa!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Qua 7 Jan 2015 - 15:29


living for love
First you love me and I let you in
Made me feel like I was born again. You empowered me, you made me strong.
D
epois de Brittany dizer que ficaria responsável por todas as coreografias sozinha, o falatório começou. Minha cabeça revira com mil e um pensamentos diferentes. O primeiro, o fato de ter contado tudo a meus pais. E mesmo com o medo dominando todo o meu corpo, eu não arriscaria ficar sem Brittany de novo. Era meu ultimato. E meus pais haviam me aceitado. A felicidade que me dominara havia sido tão grande, que a vontade que tive foi de sair correndo por aí, até chegar na casa de Britt e contar tudo. Mas, as coisas não continuaram assim por muito tempo. Minha abuela havia me dado o pior castigo da minha vida. Além de não me aceitar, dificilmente ela iria querer me ver outra vez. Minha infância era repleta de momentos em sua casa, e a felicidade que havia me dominado, tinha sido trocada por uma súbita tristeza.

Algumas das garotas das troubletones começaram a gritar com Brittany, o que me fez despertar dos pensamentos. Segurei cautelosamente em seu braço, a puxando para trás do meu corpo. Eu poderia ser menor do que ela, mais ninguém era capaz de me segurar em momentos de fúria.

- Bajen el tono de hablar con ella! Ahora quiere responsalizar, todo ataque? Y antes? Cuando no había nadie y Britt hizo el trabajo a sí misma? Manojo de inútil! Quiere resolver la violencia? - Disparei a falar em espanhol, sem conseguir me conter. - Pueden venir, pirañas no amadas. Pueden venir que hoy será sopa de piraña empapado! - resmunguei.

A loira que havia substituído Shelby entrou no meio da confusão, bem quando os braços fortes de Brittany me puxavam para trás, antes que eu pudesse pegar uma das integrantes e resolver o problema com uma boa surra. As outras garotas foram afastadas, e começaram a discutir algo que não me interessava. Ainda ouvi um "vamos mostrar que somos melhores" que só me serviu para querer quebrar a cara da garota, que não me escaparia em um outro momento.

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••

No dia seguinte, estava decidida a fazer algo que já deveria ter feito a muito tempo. Mas, o medo do que falariam ou pensariam de mim havia me deixado em um estado de demência interior. Porém, agora, com minha família sabendo da minha condição, eu faria da melhor maneira que poderia imaginar. Estava na hora do clube glee, e pude avistar Britt andando em minha direção no corredor. Minha primeira reação, foi pensar em tudo o que já vivemos. Aqueles olhos azuis repletos de um brilho de inocência me deixavam extremamente feliz, principalmente quando estavam acompanhados pelo sorriso largo e também feliz de Brittany. Não importava mais nada, só ela.

First you love me and I let you in
Made me feel like I was born again
You empowered me, you made me strong
Built me up and I can do no wrong

Comecei a cantar ainda no corredor mesmo, estávamos quase em frente a sala do Glee. Não havia melodia, não havia outra voz. Apenas pessoas passando pelo corredor enquanto u cantava e ia de encontro a mulher que seria minha. Dessa vez, em uma forma a qual todos saberiam. Não era isso que ela queria? Então eu lhe daria.

Assim que cheguei a frente de Brittany, segurei uma de suas mãos, movendo os quadris lateralmente, enquanto meus pés se remetiam a movimentos sincronizados com os quadris, e depois com os ombros. Parei um pouco, enquanto cantava o Made me feel like I was born again. Com toda certeza Brittany me fazia sentir como se tivesse nascido de novo. Ela supria a falta de sentimentos que eu tinha, havia me transformado em uma Santana melhor, mesmo que em alguns aspectos eu precisasse de uma mudança radical. Brittany me fazia ser forte, por mim e por ela. Eu tinha certeza do que queria.

I let down my guard, I fell into your arms
Forgot who I was, I didn't hear the alarms
Now I'm down on my knees, alone in the dark
I was blind to your game
You fired a shot in my heart

Ainda segurando sua mão, a puxei para dentro da sala do Glee. Estavam todos lá, as Troubletones e Alice. A loira escrevia algo no quadro, era o tema da semana. E meus olhos tão rápido viram o tema, como o sorriso no meu rosto se alargou. Coragem era o tema da tarefa semanal. E eu abriria com chave de ouro. Deixei Brittany no meio da sala, e a rodeei, girando meu próprio corpo em seu próprio eixo. Minha guarda estava baixa, hoje. Não por um motivo mais especial do qual eu realmente queria fazer. Eu a pediria em namoro na frente de todos e finalmente lhe provaria que estava disposta a deixar o mundo a par do nosso relacionamento, que em caso de um sim vindo de Brittany, se tornaria ainda mais sério.

Sem ela eu me sentia sozinha no escuro, com algo faltando. Mais assim que eu a via, era como se Britt queimasse meu coração. Passei meus braços em volta de sua cintura, movendo-nos ao ritmo que começava a ficar contagiante, mas logo a soltei, passando a sua frente. Com um sorriso calmo, lhe encarei em um sinal claro de que ela continuasse a canção. Sabia que ela conhecia, já que as vezes cantávamos juntas em seu quarto.


Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Brittany S. Pierce em Qua 7 Jan 2015 - 16:58

Living For Her




Eu ainda não entendia porque tantas pessoas se revoltaram comigo daquela forma. Eu sempre havia feito todas as coreografias do New Directions e não era nem porque eu pedira, o Sr.Schuester que me perguntava porque ele sabia que teríamos as melhores chances, porque todos sabiam que eu era apaixonada pela dança, era o que eu fazia de melhor.

E agora, que eu estava disposta por mim mesma a fazer isso pelo meu novo grupo, The Troubletones, elas começam a jogar pedras em mim. Elas não viam que era a melhor coisa? Eu não deixaria de fazer as coreografias somente porque elas não achavam justo. Eu queria ganhar. E o Lord Tubbington também queria que eu ganhasse, foi ideia dele afinal, quando eu chegar em casa vou deixar ele de castigo sem chocolate por causa da encrenca que eu me meti por conta dele.

Nem tive tempo de falar um 'stop the violence' que a Santana já estava em pé me defendendo, ela não deixaria ninguém me colocar para baixo, o que me deixava imensamente grata à ela. Não era como se eu soubesse me defender, mas era que eu odiava brigas, e com certeza não iria gritar de volta com aquelas garotas. De qualquer forma, eu não queria que ela entrasse em alguma confusão, sabia como era o temperamento dela e não queria ter que tirar a mesma de cima de alguma pobre garota.

Tirava ela de perto puxando-a pelos braços enquanto sussurrava e a assegurava que tudo estava bem, porque realmente estava. Fiz uma pequena nota mental de lhe agradecer mais tarde por estar novamente ao meu lado.


...

Eu andava a passos um tanto rápidos na direção do coral, eu estava atrasada, mais uma vez. A culpa não era minha que o McKinley tinha tantos corredores daquela forma, eu sempre acabava me perdendo e me encontrando mais uma vez na frente do armário do zelador.

Ao finalmente chegar lá dou um suspiro aliviado, avistando a Santana ao longe, dei um sorriso e logo após a mesma começou a cantar, me pegando de surpresa. Uma surpresa ótima, aliás.

Fui então acompanhando, prestando bastante atenção em sua voz. Eu sempre amava ouvir a San cantar, se ela tinha problemas mostrando com gestos o que guardava por dentro, com a voz eu conseguia captar tudo.

Com um sorriso maior no rosto eu comecei a cantar, me lembrando que nem há poucos dias atrás estávamos fazendo a mesma coisa, sozinhas, mas dessa vez era para todos ali presentes ouvir, mas mesmo assim, eu sentia como se fosse somente eu e ela ali naquele momento.


Took me to heaven and let me fall down
Now that it's over
I'm gonna carry on
Lifted me up, and watched me stumble
After the heartache, I'm gonna carry on


Segurei as duas mãos de Santana com as minhas, entrelaçando aos pouco os nossos dedos e logo em seguida, comecei a puxa-la de leve ao redor da sala. Era tão bom ver que aquela garota que eu tanto amava estava ali tão leve ao meu lado, um ano atrás ela não teria coragem de cantar assim comigo, admitir o que sentia. Claro, por muitas vezes as atitudes frias dela com relação a mim me machucou, mas eu sabia ao fundo o que era a verdade e por isso sempre tive fé de que ela também aceitaria.


Living for love
Living for love
I'm not giving up
I'm gonna carry on


Voltando ao meio da sala soltei as mãos dela, para me posicionar atrás da mesma. Voltei a segurar as mãos dela guiando-a por um momento antes de soltar somente uma mão e levantar a outra ao alto, fazendo-a dar um pequeno giro. O que eu mais gostava naquela música, é o fato de que mesmo após uma grande decepção, se escolhe continuar acreditando no amor, sempre dando uma nova chance a ele. O que me lembrava que quando se tratasse da Santana, eu também nunca desistira dela. Estaria sempre aqui.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Qua 7 Jan 2015 - 18:50


living for love
First you love me and I let you in. Made me feel like I was born again. You empowered me, you made me strong.
O
s olhares que estavam nos lançando, muitos de admiração ou coisa parecida me deixavam confortável para continuar. Não que eu ainda me importasse com o que diriam ou pensariam, era só... Não poderia deixar de evitar essa mania. Trabalharia nisso mais tarde. Enquanto dançava com Brittany próxima a mim, me dei conta de que eu não iria querer decepcioná-la jamais, outra vez. Ver a felicidade em seus olhos, o contentamento de eu estar me abrindo em frente a todos por sua causa, não tinha preço. A música contagiava, mas eu não estava prestando atenção em nada ao meu redor, só na loira de olhos azuis que me fazia a mulher mais feliz do mundo. Agora, eu tinha noção de que mesmo com a negação de minha avó, eu não iria mais deixar ninguém tê-la. O simples pensamento de saber que outra pessoa poderia lhe fazer feliz, ocupar um cargo que era meu por direito, me causava náuseas.

Living for love
I'm living for love
Not gonna stop
Love's gonna lift me up

Gentilmente me soltei de seus braços, e me afastei alguns passos, dançando livremente. Esse era um preço a pagar por estar amando. Agir de forma idiota, o que certamente geraria falatórios sobre "a vadia estar contente e se tornando uma boba apaixonada!" Eu não me importava mais. Eu estava realmente vivendo para o amor, nada iria parar isso. Eu estava vivendo por Brittany. Ela era o sentido de tudo, e continuaria sendo até o restante dos meus dias. Eu a queria do meu lado. Voltei a me aproximar, dançando agora a sua frente. Estávamos naquele tipo de momento que se dispensava uma coreografia sincronizada. Éramos apenas duas amantes, mostrando ao mundo o que sentíamos.

Love's gonna lift me up!

Segurei novamente eu sua mão direita, acariciando com o polegar, abusando um pouco de minha voz ao puxar o tom ao cantar o lift me up, abrindo ainda mais o sorriso, dando um pulo dramático como que para contestar que o amor me levantaria mesmo.

I could get caught up in bitterness
But I'm not dwelling on this crazy mess
I found freedom in the ugly truth
I deserve the best and it's not you

Voltei a me afastar um pouco dela, indo mais para frente, os olhos passando rapidamente pelas meninas do coral. A música havia diminuído um pouco o ritmo. Agora tudo estava um mar de pensamentos. Botei as mãos na cintura, movendo os ombros, a cabeça voltada para o lado esquerdo por breves segundos, até que andei até uma das garotas sem prestar atenção a quem realmente era. Na minha mente, era apenas Finn Hudson. Abri um sorriso debochado, dando uma rebolada, dando a volta na cadeira a qual a garota estava sentada enquanto pronunciava claramente o "i deserve the best and it's not you." Me voltei para onde Britt estava, dando espaço para que ela desse continuidade.


Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Brittany S. Pierce em Qui 8 Jan 2015 - 17:00

Living For Her




Comecei a me soltar mais ao ritmo da música, somente me deixando levar por ela. Meus quadris Se moviam junto com o resto do meu corpo, poucas coisas eram melhores do que isso.

Fiquei no mesmo lugar somente observando Santana. Desejando que ela continuasse assim sempre, iria doer demais vê-la se soltar para depois o medo tomar conta mais uma vez e ela se esconder como sempre fazia, mas, tinha uma coisa dentro de mim que me dizia que aquilo era pra valer, que dali por diante ela só seguiria para frente.



I picked up my pound, put it back in my head
I can forgive, but I will never forget


Comecei a cantar no exato momento em que ela parou, viro-me de costas e sorrio para nossa treinadora, fui em direção a ela antes de sorrateiramente pegar o lápis de quadro que ela estava usando e assim desenhar um pequeno coração, em seguida o jogo de volta para ela.



Took me to heaven and let me fall down
Now that it's over
I'm gonna carry on
Lifted me up, and watched me stumble
After the heartache, I'm gonna carry on


Levantei delicadamente uma mão ao alto, antes de logo após deixar as minhas pernas se abrirem aos poucos fazendo um espacate em "let me fall". Ao final pisquei para Santana levantando minhas mãos em sua direção, pedindo ajuda para me levantar. Assim que ela me puxou e me encontrei em pé novamente, me aproximei mais das outras Troubletones que estavam sentadas observando a apresentação.

Living for love
Living for love
I'm not giving up
I'm gonna carry on


Por um momento deixei as minhas duas mãos sobre o meu coração, olhando para trás e chamando com o olhar para Santana se aproximar. O tempo todo fiquei olhando fundo nos olhos dela esperando ela finalmente ficar ao meu lado. Quem sabe não seria sempre assim no futuro, ela sempre perto de mim, comigo.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Qui 8 Jan 2015 - 21:58


living for love
First you love me and I let you in. Made me feel like I was born again. You empowered me, you made me strong.
M
e pergunto o porquê de ter deixado o medo me invadir, antes. Nada era comparado à forma em que Britt estava agindo. Podia ver na forma de agir que ela estava contente com minha nova postura. E eu faria de tudo para que ela continuasse assim. Ainda estava afetada com a negação de minha abuela, a quem tanto gostava, mas, eu não queria que isso acabasse com a minha coragem, agora. Afinal, já tinha começado. E se Santana Lopez começa, ela termina. E termina em grande estilo.

Living for love
I'm living for love
Not gonna stop
Love's gonna lift me up
Love's gonna lift me up

Após dar sustento ao seu corpo ao levantá-la um pouco, voltei a deixar Brittany segura no chão, indo dançar com as outras garotas, que faziam back vocal sem reclamar de nada, desta vez. Meu sorriso só aumentava, não tinha cabeça nem para pensar em passos de dança. A música estava chegando ao final, trazendo consigo a ansiedade do que eu tinha preparado em seguida. Movi os quadris, acompanhando o movimento dela, flexionando as pernas no espacate, de onde eu estava. Britt pegou o lápis de Alice e desenhou um coração no quadro branco. "Ótimo, aquilo me serviria. Faria algo um pouco diferente do original."

Love's gonna lift me up!

Ao visar que ela estava me chamando com os olhos, não exitei em me aproximar. A sua frente, segurei suas duas mãos, fazendo com que ela desse um giro sobre seu próprio eixo, enquanto eu me movia no mesmo lugar.  

Love, love lift me
Love, love lift me
God forgive me
I'm gonna carry on

Passei para o seu lado direito, esticando um pé para frente, agora com as mãos na cintura. Com agilidade, movi o mesmo pé para trás, tendo ela como companhia ao movimento. Trocamos de lado, repetindo os passos. Giramos ao nosso redor, e ao parar, ficamos frente a frente. Cantamos juntas a parte do "love, love lift me" enquanto dávamos alguns passos para trás, e novamente nos aproximávamos em uma pequena corrida.

Love, love lift me
Love, love lift me
God forgive me
Love's gonna lift me up

Love, love lift me
Love, love lift me
God forgive me
Love's gonna lift me up

Ao voltarmos a estar próximas uma da outra, segurei o braço de Brittany, colando toda a parte posterior ao dela, que automaticamente fez o mesmo com o meu. Inclinei um pouco o corpo para trás, a olhando em uma clara forma de fazer o mesmo. Rodopiamos duas vezes, e antes de pararmos, deixei que ela cantasse sozinha o "god forgive, love's gonna lift me up", para lhe dar um beijo rápido na bochecha. Voltei a acompanhá-la no vocal, ao repetir a parte, não conseguindo me mover muito, em um indício evidente de nervosismo.


Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Brittany S. Pierce em Qui 8 Jan 2015 - 22:58

Living For Her




Senti meu rosto ficar mais quente no ponto em que Santana havia me beijado, estava corando porque realmente não esperava por aquilo. Era só um beijo na bochecha, mas qualquer coisa vindo dela já me deixava dessa forma, meio desconcertada. Depois de tanto tempo já seria de se imaginar que eu estaria acostumada, mas a verdade é que eu não sabia e duvidava muito que um dia ela pararia de ter esses efeitos sobre mim.




Up, up, up
Don't leave me out, out, out
Love's gonna lift me up

Living for love
Living for love
I'm not giving up
I'm gonna carry on

Comecei a trazer as outras garotas para participarem da performance por um momento. Puxava-as pelas mãos ao centro de sala, onde elas começavam a dançar enquanto eu cantava. Era bom ver todos interagindo, se divertindo juntos. Esse era o completo proposito do Glee Club.

Enquanto elas ficavam dançando juntas, fiquei somente próximo a Santana dançando com ela, voltando a não dar atenção aos outros que ali estavam, afinal, ela era a mais importante. Nesse momento eu já não me preocupava em dançar de forma organizada e sincronizada, só de ter um momento bom ao lado dela.




Living for love
I'm living for love
Not gonna stop
Love's gonna lift me up

Come on, come on, come on
I need you to
Lift me up up up
Come on
Lift me up lord
Living for love


Aos poucos as Troubletones voltaram aos seus lugares enquanto a musica ia acabando. O leve Backing Vocal que elas estavam fazendo foi sumindo deixando apenas a minha voz e por mim, o instrumental. Eu já havia parado de dançar, só estava frente a frente com a Santana, um leve sorriso no rosto enquanto peguei a mão da mesma nos últimos versos e dei um leve aperto antes da música terminar. Ao som dos aplausos que se multiplicavam pela sala eu fui em direção a ela e lhe dei um abraço bem apertado. Era pedir demais desejar ter todos os dias momentos como esse com ela?



Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Sex 9 Jan 2015 - 0:01


living for love
First you love me and I let you in. Made me feel like I was born again. You empowered me, you made me strong.
M
ssim que a música acabou e a salva de palmas ressoou na sala, minhas mãos começaram a soar, e era audível, pelo menos para mim, o tum-tum do meu coração. Que a essa altura, já deveria estar na garganta, e subindo para que eu pudesse cuspir. Em meus planos, tudo ia ser diferente. Me aproximei de Alice, pegando o lápis de sua mão sem nem mesmo pedir. Eu não pedia as coisas. Se eu queria, eu pegava, e dane-se o que fossem falar. Com o piloto em mãos, procurei respirar fundo, agora era a hora. Aproveitando o coração desenhado por Britt, coloquei a letra "S" de um lado, um "&" no meio e o "B" no final. Eu me sentia idiota. Cada célula do meu corpo gritava que a cada coisa que eu fizesse, eu estava sendo criticada das piores maneiras possíveis. Mas, assim que me virei e fitei a expressão da minha loira, todos os pensamentos se esvaíram da minha cabeça.

- Depois de tudo o que passamos, por minha causa, em um primeiro momento, eu gostaria de te pedir desculpas. - Iniciei, vendo o silêncio se acomodar na sala.

Me aproximei de Brittany, deixando o lápis de volta na mão de Alice. Segurei as duas mãos da loira, o olhar baixo, por enquanto. Não admitiria em nenhum momento, não para aquelas pessoas externas, mas sabia que Britt captaria tal coisa em apenas me encarar.

- Desculpas pelo meu medo, por deixar que o pensamento de todas as outras pessoas me afetassem, e por isso, ter te perdido. Hoje eu tomei coragem, esta música não foi cantada em vão. - Senti minhas mãos tremerem ligeiramente.

Era agora ou nunca. Levantei o queixo, encarando os incríveis olhos azuis. O tom inocente que me encantava me dando as forças restantes para continuar. Pausei por breves segundos, não de uma forma dramática. Só estava tomando meu próprio tempo.

- Hoje é o dia que escolhi para finalmente deixar todos a par do que eu sinto. Meninas, treinadora, todos os outros do Mckinley. EU TE AMO, BRITTANY SUSAN PIERCE! - não evitei sorrir, depois de gritar para quem quer que ouvisse que a amava.

Meu peito parecia pequeno para os batimentos frenéticos do meu coração. A hora do pedido havia chegado. Eu sabia, sentia que ela diria sim, mas mesmo assim, era impossível não me sentir nervosa. Era a primeira vez, de muitas, em que agiria assim, e precisava me acostumar com o formigamento nas pernas, o frio na barriga e a inquietação do restante do corpo.

- Britt, você já é minha garota, mas... Aqui, na frente de todos, gostaria de oficializar nosso relacionamento. Namora comigo? - se fosse preciso, eu me ajoelharia por ela.

Mais isso era algo tradicional de mais. Todos faziam. Resolvi ficar de pé, encarando o meu mundo, a mulher que me dava forças para ser quem eu realmente era. E a que seria minha, oficialmente, caso dissesse sim.


Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Brittany S. Pierce em Sab 17 Jan 2015 - 19:52

Living For Her




Eu batia palmas junto aos outros, tinha sido sim uma bela performance que eu e a Santana tínhamos feito, e eu esperava que não fosse a ultima. A alegria que senti naquele momento era a mesma que eu sentia ao fazer um numero em grupo com o New Directions, onde todos nós dançávamos e cantávamos sem ligar para nada, somente para a diversão. E por eu estar ali, fazendo aquilo especialmente com ela, só fazia tudo se tornar mais especial ainda. Eu tinha um sorriso que parecia permanente em meu rosto enquanto olhava para ela, nem os duendes que roubavam meus chocolates se fizessem isso hoje iriam conseguir apagar isso.

Aos poucos as palmas foram gradualmente diminuindo e eu fiquei esperando a Santana ir se sentar para eu poder acompanha-la e sentar junto a mesma, mas, para minha surpresa, ela foi totalmente para a direção contrária. Eu não fazia ideia do que ela ia fazer, por isso somente fiquei parado no mesmo lugar, atenta, com a testa um pouco franzida pela confusão.

E essa confusão sumiu de um segundo para o outro sendo trocada por uma expressão de total surpresa, do tipo que me deixou de boca aberta. A San tinha mesmo feito aquilo? Era o que eu estava pensando? Mas, bem que podia ser de outro alguém aquela inicial B, não? Só de pensar nisso doía meu coração... Mas quando ele se virou pra mim, eu sabia que realmente era eu.  

Quando ela se aproximou de mim e segurou minhas mãos, eu tinha certeza que a minha vida iria acabar naquele segundo, eu não conseguia me mexer. Era um sonho se tornando realidade, depois de tanto tempo, depois de tanta luta. Eu já a tinha desculpado por tudo há muito tempo, como não? Sabia que nem precisava de palavras para isso, era somente ela me olhar naquele momento e já saberia.

Quando ela falou que me amava para todos ali presentes ouvirem, meus olhos já estavam cheios de lágrimas, aquilo valia tudo para mim. Ela, quem eu amava tanto, estava fazendo aquilo por mim, por nós.  

Já nas bastasse essa surpresa, eu fiquei ainda mais impressionada pelo que aconteceu a seguinte. Se eu não tivesse ouvido cada palavra com a maior atenção, eu juraria que tinha ouvido errado. Era ela mesmo, Santana Lopez, me pedindo em namoro?


- Sim, sim! Claro que sim - Falei com um enorme entusiasmo. Toma essa Lord Tubbington, você falava que isso não aconteceria, mas eu te provei o contrário.

Depois de minha resposta a primeira coisa que fiz foi a tomar em abraço bem apertado. Meus olhos se fechavam enquanto eu somente aproveitava estar tão próximo a ela sem precisar esconder o que eu sentia. Santana, ou melhor, a minha namorada, veria o quanto isso que acabou de acontecer iria valer super a pena. Meu amor por ela não só se resumiria em noites em meu quarto ou no dela, ou até mesmo em mãos segurando uma a outra embaixo de guardanapos.

Solto-me do abraço mas ainda continua com as mãos em sua cintura, o rosto a mero centímetros dos dela. Meus olhos paravam de encarar o seu para olhar os lábios dela mais abaixo. Eu poderia beija-la agora, mas um pequena parte de mim ainda estava me segurando. Certo, aquele havia sido um grande passo, mas mesmo assim, será que ela já estava pronta também pra isso? Será que isso não faria ela se tornar "consciente" e voltar a ser o que era antes? Negar tudo? Meus olhos claros miram os escuros de Santana, pedindo uma resposta silenciosa.  



[/color]




Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Convidado em Dom 18 Jan 2015 - 20:31


living for love
First you love me and I let you in. Made me feel like I was born again. You empowered me, you made me strong.
M
eu coração parecia estar querendo subir garganta a cima, me dando a impressão de que o cuspiria a qualquer instante. Estava com a cabeça baixa, agora. Não conseguia encarar nem mesmo Brittany, tamanha a bagunça que eu havia me tornado. Será que ela diria não e voltaria a namorar o maldito aleijado cadeirante? Meu peito apertou só de pensar nisso. Então, um súbito impulso me fez olhá-la. E assim que vi a alegria presente nas íris azuladas, uma calma instantânea tomou conta de mim.

Ela quis. Ela aceitou ser minha namorada. Britt estava feliz. Parecia não acreditar em nada do que acontecia. E agora, nem eu estava acreditando. ELA ACEITOU! Internamente, eu estava soltando fogos, gritando de felicidade. Era muita alegria para se suportar. Eu estava prestes a entrar em um estado de felicidade extrema, mais eu tinha que aguentar. Era o momento mais esperado da minha vida, e creio que da dela também. Um pensamento de dúvida me atingiu, quando Britt se aproximou, os olhos desviando várias vezes para minha boca. Eu sabia o que aquilo queria dizer. E eu estava pronta. Eu queria.

- Estão vendo essa loira? É minha garota, e eu posso beijá-la onde eu quiser! - Falei para ninguém em especial. Era como se fosse mais para mim mesma.

E em um último movimento, uni minha boca a dela, iniciando o primeiro beijo público da nossa relação.


Convidado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Isabelle Leotta em Sab 24 Jan 2015 - 19:21








it's not about the money


H
oje o dia estava sendo cansativo, ao que parecia aquela nova treinadora do coral adoeceu com uma virose ou algo parecido e tinha me deixado no comando de colocar uma nova tarefa no coral. Eu não gostava de fazer aquilo, sinceramente havia me desanimado um pouco com o coral nas últimas semanas, parecia que todas nós estavamos desanimadas, mas eu não queria perder as seletivas que se aproximavam então teria que dar um jeito de cuidar das garotas, não gostava de me sentir responsável, era um saco.
Entrei na sala um pouco atrasada e olhei para os rostos das garotas no local. Hyuna parecia estar surpresa por eu não ter ido sentar como as outras garotas, SanClair estava discutindo com alguma garota que não me lembrava o nome. O habitual. - Eu vou ser bem sincera com vocês, os outros corais estão bem melhores do que nós atualmente e eu não gosto disso. - Disse com toda a sinceridade que poderia reunir, revirei os olhos quando uma garota me perguntou onde estava a treinadora. - Ela está com uma virose e não poderá treinar o coral por algumas semanas e me pediu para cuidar disso por ela. - Falei entredentes, não queria treinar um coral cheio de garotas de tpm.
Peguei algumas fotos que estavam em minha mão e prendi em uma das paredes com ajuda de fita adesiva, nelas estavam fotos de famosas girlbands que haviam alcançado o sucesso. - Esse é um coral formado por exclusivamente mulheres, e essa semana vamos nos inspirar em grandes bandas formadas apenas por mulheres. - Falei a tarefa da semana sem mais delongas, queria logo acabar com aquilo. - Sempre existiram grupos, normalmente de garotas ou garotos, os grupos formados por homens sempre tiveram uma certa vantagem, as garotas os achavam bonitos e os garotos os usavam para criar novos visuais e conquistar as meninas. Porém não é assim com grupos formados por mulheres, homens podem acha-las belas e sensuais, mas é difícil um homem admitir que escuta um grupo feminino, então a maioria deles tinham como público alvo as garotas que tentavam ser como elas. - Expliquei olhando para as garotas que ainda pareciam confusas com o motivo do tema da semana ser aquele. - Só cantem malditas músicas de grupos femininos, não importo se vai ser um solo, dueto ou performance grupal. Só façam essa merda, ah e quem não fizer sem uma boa razão eu irei pedir a treinadora para remover do coral. - Suspirei novamente e pressionei minha nuca com as pontas dos dedos sentindo uma dor de cabeça começar a se formar e me sentei em uma das cadeiras esperando as apresentações se iniciarem.
We don't need your money, money, money We just wanna make the world dance Forget about the price tag Ain't about the (ha) ch-ching ch-ing Aint about the (yeah) ba-bling ba-bling Wanna make the world dance forget about the price tag


____________________


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Alecssander L. Montecchio em Sab 24 Jan 2015 - 23:00

let's play, girls!
Com passos firmes, o salto alto fazia um som audível enquanto com passos firmes eu caminhava pelo corredor. Era meu primo dia nas Troubletones e definitivamente eu teria de ir com toda super produção que eu sabia que elas possuíam. Pus um chiclete de morango na boca e masquei-o languidamente enquanto abria a porta e entrava no espaço da sala ampla, aspirando o cheiro de chão recém limpo e então pus minha bolsa negra de couro em um dos assentos disponíveis, sentando-me e cruzando as pernas, a direita sob a esquerda, balançando o salto e fitando-o interessada no mesmo enquanto esperava por nossa treinadora. Não lembrava-me ao certo de quem era a treinadora, mas parei de mascar chiclete ao ver a garota morena e bela que se pôs à nossa frente, parecendo um tanto quando desconsertada e até mesmo tímida. Certamente ela não era a nossa treinadora. Ela explicou rapidamente que havia ocorrido um imprevisto e que por isto ela iria ficar no lugar da treinadora por algumas semanas. Ergui as sobrancelhas, novata e sem treinadora, ótimo. Ela logo passa o tema da nossa semana, falando a verdade nua e crua sobre os grupos formados por mulheres e homens, explicando sobre a dificuldade das bandas formadas por mulheres - as girlsbands - alcançarem o tão almejado estrelato.

Era um bom desafio, no final das contas. Não sabia se a ideia era de nossa treinadora ou se simplesmente fora ideia da garota estressada substituta como líder, mas decidi logo dar uma pesquisa nas minhas faixas prediletas de músicas procurando por bandas femininas. Pude notar com certa surpresa - admito - que eu não era tão fã assim de bandas femininas, então apenas dei de ombros e coloquei para reproduzir num único fone na orelha esquerda Pussycat Dolls, passando as poucas faixas das mesmas e logo achei uma interessante para eu poder coreografar. Abri um leve sorriso, suspirando e olhando as outras garotas ao meu redor. Algumas discutiam acaloradamente sobre quais músicas iriam cantar, outras varriam rapidamente todas as faixas nos celulares e algumas apenas pareciam desinteressadas. Estreitei os olhos e por fim me pus de pé, sendo novata no grupo, na escola e na cidade pesou na consciência, quase me fazendo retroceder os passos e voltar para o meu assento, mas eu era acima de tudo uma garota persistente. Pus o celular acoplado à um aparelho de som ao canto, estava eu sozinha, num palco improvisado e chamei algumas garotas ao fundo que pareciam estar perdidas. Ao se aproximarem, cochichei para elas a música que iríamos performar e elas apenas iriam dançar conforme me seguiriam, afinal a coreografia não poderia ser super difícil de fazer. Assim que se iniciou, as batidas na canção hipnotizantes começaram, e ao todo as quatro garotas atrás de mim, duas delas de cada lado, ficaram formando uma espécie de pirâmide comigo ao centro, à frente do palco. Unimos nossas mãos na altura do peito e baixamos as cabeças. "Jai Ho!" era repetido algumas poucas vezes antes de finalmente chegar minha vez.

I got (I got) shivers (shivers),
When you touch that way,
I'll make you hot,
Get what you got,
I'll make you wanna say (Jai Ho, Jai Ho)

Minha voz saiu aguda, lânguida e minhas mãos pairaram ao alto na altura de minha cabeça, enquanto eu colocava o pé esquerdo à frente no chão, movendo os quadris nos som do tambor da música e as batidas viciantes e frenéticas ressoavam no recinto. Na primeira estrofe as garotas ao fundo fizeram o mesmo, repetindo "I got" e "shivers" sussurrando numa voz sensual. E em "touch that way" pus as mãos em meu corpo, descendo-as até os joelhos onde nas duas próximas estrofes subi-as e em "wanna say" ergui as sobrancelhas e requebrei os quadris ao ouvir as garotas gritarem "Jai Ho" e joguei a cabeça para trás erguendo as mãos ao alto.

I keep it steady, uh, steady,
That's how I do it. (Jai Ho)
This beat is heavy, so heavy,
You gonna feel it. (Jai Ho)

Logo no trecho seguinte cantei assumindo um tom de voz um pouco mais rouco porém ainda sim minha voz saía lânguida e minhas mãos fechadas em punho deslizavam para a direita e esquerda à medida que acompanhavam o movimento de meus quadris. Ao fundo novamente as garotas jogaram as mãos para o alto gritando "Jai Ho". Em "feel it" pisquei quando novamente as garotas gritaram "Jai Ho" mais uma vez.

You are the reason that I breathe, (Jai Ho)
You are the reason that I still believe, (Jai Ho)
You are my destiny,
Jai Oh! Oh-oh-oh-oh! (Jai Ho)

Minha voz assumiu uma nota mais alta no refrão, meu braço direito formou um semi-arco da cabeça até os joelhos, inclinando meu corpo levemente para baixo e mantendo os olhos fixos em minhas amigas, meus dois braços foram com as mãos abertas e palmas para cima na direção esquerda subindo da altura de minha cintura até o topo de minha cabeça, ao fundo as garotas repetiam as últimas palavras de cada estrofe e as duas próximas à mim gritavam "Jai Ho". Fiz o mesmo mas invertendo a posição - agora da esquerda para a direita - na segunda estrofe, e na terceira pus as mãos em minha cintura, ao cantar Jai Oh repeti-o com um sorriso em minha face.

No there is nothing that can stop us, (Jai Ho)
Nothing can ever come between us, (Jai Ho)
So come and dance with me,
Jai Ho! (oohh)

Logo na primeira estrofe o timbre de minha voz permanecia possuindo o seu tom de voz forte entretanto ainda sim suave, erguendo as duas mãos, uma de cada lado acima de minha cabeça e uni-as ao final e pus as mãos com as palmas para baixo em direção às garotas nos assistindo na segunda estrofe, exibindo um vitorioso sorriso, meus ombros subiram e desceram e girei o corpo unicamente, pondo as mãos em meus braços abraçando-me, rebolando os quadris até flexionar os joelhos e subi cantando de forma meio lânguida "dance with me", e joguei as mãos ao alto em Jai Ho!, por fim o som dos tambores e batidas num estilo tipicamente indiano estenderam-se até terminar. Após isto, lancei um sorriso para minhas amigas e voltei ao meu assunto, triunfante e principalmente ofegante com a coreografia.

Clothes
Music

____________________

+
I'm a Heartbreaker


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sala das Troubletones

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum