[FP] Julianna Löwin Bennett

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FP] Julianna Löwin Bennett

Mensagem por Charlotte Dähl Weiszäcker em Seg 19 Jan 2015 - 17:52

You wake up, flawless. Post up, flawless
━━━━━━━━━━━━━━━━━━
See me up in the club whit fifty-leven girls


Nome: Julianna Catherina Victorie Braückeroux Löwin McBride Bennett

Idade: 17 Anos

Naturalidade: Francesa

Sexualidade: Bissexual

História:

O que se dizer de mim? Bom não é segredo para ninguém que eu não sei de onde vim e muito menos sei pra onde eu vou, sou perdido na vida e gosto disso não pretendo mudar tão cedo. Minha certidão de nascimento - a original, é claro - diz que eu nasci em Marselha em uma província qualquer da França. Mas eu seria uma tola se acreditasse em tudo que papeis dizem afinal se eu realmente fosse de lá eu acho que a essa altura do campeonato eu já saberia. A verdade é que nunca cheguei a conhecer meus pais, aliás ninguém nunca chegou a conhecer meus pais ou é o que dizem para mim, mas também nunca me preocupei em investigar para ver se é verdade ou não pois não possuo o menor interesse nisso. Não me levem a mal, mas eu acreditava que se meus pais não me quiseram antes não iriam me querer agora e exatamente por aquele motivo não gostava nem de pensar no assunto. Cresci em um orfanato em Londres onde desenvolvi uma incrível habilidade para causar confusão ou me meter em brigas, é claro que a maioria das crianças evitavam ficar perto de mim quando eu estava irritada depois de um tempo, mas ainda assim existem aqueles que nunca aprendem sabe?!. A melhor parte disso é que eu possuo uma habilidade sem igual para conseguir fugir de confusões e armar "planos" que nunca falharam. O orfanato era dirigido por freiras e houve uma época em que elas me mandaram passar um tempo em algum lugar na Escócia por acreditar que eu estava "possuída" pelo demônio, ao menos aquela suposição das moças de batina faz qualquer rir até hoje. Eu me lembrava bem do porque aquilo, meus planos eram perfeitos é claro mas certa vez depois de uma briguinha um de meus comparsas resolveu delatar todos nós e me colocou como a "chefe da quadrilha" - não que ele estivesse errado, mas aquilo fez as freiras pararem de achar que a casa era amaldiçoada para achar que o demônio havia me possuído. Apesar de geniosa e muito briguenta por ter sido rebelde e tudo mais, ainda sim era muito avoada e meio esquisita diversas vezes, gostava de praticar diversas atividades que pudessem vir a envolver algum tipo de expressão artística pois de alguma forma me sentia atraído por ela. Pois é, passar quatro meses na Escócia com alguns padres estranhos apenas me fez aprender a falar a língua e aprender a ter alguma noção de dança, não era difícil sabendo que eu tinha uma facilidade para aprender as coisas rápido o único problema era minha paranoia que irritava todo mundo. Quando chegaram à conclusão de que eu não tinha nada além de ser louca e extremamente viciada em música, em nado, me mandaram de volta para o orfanato onde as freiras me receberam de volta sem muita motivação.


Porém eu também não fiquei muito mais tempo no orfanato, pois alguns dias depois do meu aniversário de sete anos um casal de sobrenome Bennett resolvera me adotar. Eram um casal de classe devo dizer e realmente tinham a sua fortuna morando em uma mansão, não dizendo que eram incrivelmente podres de rico porque isso não eram, mas o Senhor Bennett tinha uma grande e promissora empresa que lhes proporcionavam todo o conforto. Quando fui adotada pelos mesmos faltava uma semana para o ano letivo começar no país e mal saímos do orfanato e já me matricularam no segundo ano em uma academia famosa. Eu devo dizer que eu mudei um pouco naquela época, a Senhora Bennett quis de tudo que é forma me educar para ser uma mulher de negócios bem sucedida futuramente e teve muito sucesso com isso. Na escola eu era uma aluna prodígio e atraía sempre vários olhares tanto cobiçosos quanto de inveja, mas também não era para tanto eu sempre conseguia as melhores notas apesar de ter uma incrível queda por festas, bebidas, confusões e qualquer tipo de agito que puderem imaginar, dediquei boa parte do meu sucesso nos estudos a pratica do canto e dança, diversas apresentações, segundo várias pessoas, um talento nato. O Senhor Bennett vivia tendo que lidar com minhas crises de adolescente dizendo que eu era irresponsável, teimosa, geniosa, inconsequente e incrivelmente problemática e que jogava no lixo um futuro brilhante já que eu era inegavelmente inteligente e ótima dançarina e cantora. O problema era que eu nunca quis mudar entende? Adotei um visual mais moderno e quando fiz meus quinze anos já havia tido mais ressacas, ocorrências policiais por festas ilegais e aventuras impensáveis que eu poderia me lembrar. Infelizmente naquele ano meus pais adotivos morreram em um incêndio em uma festa da alta sociedade que os mesmos foram convidados a ir e a qual eu recusara para ir em uma balada qualquer com alguns amigos e onde saberia que poderia encontrar variadas bebidas e mulheres, além de homens.


Quando meus pais adotivos morreram tive de ficar sob guarda temporária de um de seus amigos que descobri ser um tremendo de um interesseiro e não tive muito problemas em desmascara - lo com alguns pequenos esquemas que fizera e quando isso aconteceu passei para as mãos de uma velha conhecida, mas também foi por apenas três meses. Ela faleceu de um problema cardíaco. Me mudei para os Estados Unidos, com uma tia, parente dos meus pais adotivos, com dezesseis anos. Na cidade de Nova Lima, no estado de Ohio, fiz o segundo ano em uma escola particular qualquer, famosa e bem reconhecida. Então, no terceiro ano, me mudei para a Winterfield Academy. Agora, sou uma jovem extremamente rica com uma tia minha cuidando da empresa de meus pais, até que eu possa assumir. Eu teria de dividir o fato de ter uma empresa para administrar com meu amor pela arte, dança e música. Claro que seria difícil, porém eu iria tentar.


------------------------------------------------------------------------------

AUDIÇÃO

Julianna entrou apressada na nova escola. Era seu primeiro dia de aula em Winterfield Academy. Ela sorriu vendo a escola. Estava feliz. Sua vida nova era muito melhor do que a que tinha em Marselha ou na França. O vestido vinho esvoaçava no corpo pequeno da loira que andava pela a escola, quando esbarrou em um garoto. — Olha para onde anda, moleque! — A raiva da loira era notória. — Então, onde é a sala do Coral? Eu tenho uma audição. — A loira esperou a resposta e o rapaz sorriu. — Sou Aizen. Estava indo para lá. Me siga. — Julia começou a seguir Aizen até a sala, enquanto ambos conversavam no caminho. Quando Julianna chegou com Aizen a loira viu a sala não muito cheia, arqueou a sobrancelha e disse. — Sou Julianna Bennett, este é meu primeiro dia nessa escola, vou cantar a música Animals do Maroon 5, porque apaixonada por essa música, porque posso mostrar meu lado... Quente. — A loira disse solene, pegando um dos microfones e começou a cantar em uma voz baixa.

Baby, I’m preying on you tonight
Hunt you down, eat you alive
Just like animals, animals, like animals-mals
Maybe you think that you can hide
I can smell your scent from miles
Just like animals, animals, like animals-mals
Baby, I'm

A voz de Julianna vinha aumentando aos poucos, em cada frase, aumentava mais um tom. Ela estava com os olhos fixos naqueles que estavam presentes na sala. Ela não desviava o olhar em nenhum minuto, ela tinha atributos positivos, era uma excelente dançarina, começou a mover a cintura no embalo da música, enquanto movia também as mãos, quase como numa espécie de dança do ventre.

So what you trying to do to me
It's like we can't stop, we're enemies
But we get along when I'm inside you
You're like a drug that's killing me
I cut you out entirely
But I get so high when I'm inside you


A voz da loura saia enigmática. Ela estava envolvida naquilo, dando seu melhor. A sensualidade que ela exibia era grande, além do vestido que usava com o decote nas costas, a loura se movia calmamente. Os movimentos da loura pareciam envolventes, sentou se no colo de Aizen, enquanto cantava tranquilamente. Aquilo provavelmente seria ousadia, porém ela não estava ligando muito para aquilo.

Yeah, you can start over
You can run free
You can find other fish in the sea
You can pretend it’s meant to be
But you can’t stay away from me
I can still hear you making that sound
Taking me down, rolling on the ground
You can pretend it was me, but no, oh


Julia saiu do colo de Aizen o puxando pelo o braço para perto de si, e começou a se mover de forma lenta e até mesmo sensual.  Abaixou e começou a subir de maneira lenta, enquanto mexia seu corpo de forma cautelosa. Quando se levantou, lançou uma piscada para Aizen e sorriu, continuando a cantar.

Baby, I’m preying on you tonight
Hunt you down, eat you alive
Just like animals, animals, like animals-mals
Maybe you think that you can hide
I can smell your scent from miles
Just like animals, animals, like animals-mals


A voz da loura não abaixava de modo nenhum, saia de maneira clara. Ela andava ao redor de Aizen como se “jogasse” com ele, e sorriu irônica andando cautelosamente pela a sala, enquanto era observada pelos os outros alunos, com o homem ao seu enlaço.  

Don’t tell no lie, lie, lie, lie
You can’t deny, ny, ny, ny
The beast inside, side, side, side
Yeah, yeah, yeah
Now girl don't lie, lie, lie, lie
You can't deny, ny, ny, ny
The beast inside, side, side, side
Yeah, yeah, yeah


Enquanto cantava, Julia fez Aizen sentar na cadeira que estava sentado antes e voltou a sentar se no colo dele, enquanto dizia cada palavra da música de maneira provocante para finalizar. Julianna não se mostraria frágil ou delicada. Ela exploraria seu lado mais... Provocante, até mesmo sensual. Quando a última palavra da música saiu, a loura se levantou, lançando uma piscadela para o garoto moreno e se afastou, depois de se levantar do seu colo, sentando se em um canto, esperando seu resultado.





"she can be so... sexy, darling".

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FP] Julianna Löwin Bennett

Mensagem por Adm em Qua 21 Jan 2015 - 22:51



evaluating!
Eh bien, si ya, lookin for me, je suis probablement dans la métropole, i le fais pour l'amour donc ce est de la merde sans but lucratif je suis, je suis boardwalkin ', de sorte que vous pouvez appeler ce monopole de toute évidence, mon approche la musique ne est pas modérée, mon Mascoma tourne, je suis l'anomalie Je aime tous mes ennemis, mes ennemis causer ┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈┈
A história foi normal, parecida com metade do pessoal do fórum, onde todas as desgraças acontecem com você ou sua familia... kkk
A audição ficou legal, não sou o melhor para falar dos detalhes, mas achei boa.


Seja oficialmente bem vindo ao LUTW.


weird world coding







Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum