[FP] Kowalczyk, Octavia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FP] Kowalczyk, Octavia

Mensagem por Octavia L. Kowalczyk em Dom 31 Maio 2015 - 12:13


Octavia

─ Nome completo:
Octavia Lyuba Kowalczyk

─ Idade:
17 anos

─ Escola:
Newtt Mckinley

─ Grupo:
Atores

Personalidade:

Octavia era o tipo de pessoas que todos querem por perto, se mostrava sempre alegre, contagiante, feliz, amável e companheira. Estava sempre disposta a ajudar aos outros, apenas enxergava a bondade nas pessoas, possuía um coração que transbordava de sentimentos bons. Mas alguns acontecimentos fez com que a garota mudasse da água para o vinheiro, a bondade passou a ser apenas uma sombra na vida dela, pouco sobrou da menina alegre de antes.

Em vez da ruiva amável, Octavia passou a ser fechada, rude, grossa e fria. A bondade em seu coração deu lugar a amargura, a tristeza e a solidão. Pouco restou da antiga garota, poucas as pessoas que conseguiam ter pequenos vislumbres do que outrora a garota havia sido. Passou a ser instável, uma fina linha frágil a impedia de cair na insanidade. Usa a arrogância, frieza e indiferença para esconder o quão ferida e magoada esta por dentro. No fundo, ainda é a garota ingenua, mas precisa se proteger da maldade do mundo, e esse foi o único jeito que achou, atuando, assumindo uma personagem.

A ruiva se afastou de todos seus antigos amigos, eles não entendiam o porque da nova Octavia, não aceitavam a mudança. Na verdade, ninguém a entendia. E isso só fez com que ela se fechasse ainda mais, ninguém sabia sobre a guerra que acontecia dentro da garota, e ninguém compreenderia se ela contasse.


História:

Octavia nasceu de uma noite de sexo sem compromisso - E sem proteção, obviamente - entre Andrew Brown e Lucinda Kowalczyk. Ambos acharam melhor casarem para dar um lar estável ao bebe que viria a nascer, e assim foi feito, antes que a barriga começasse a aparecer, o casamento aconteceu. Mas não havia amor entre os dois, a unica coisa em comum entre eles era o amor incondicional pela filha.

Antes da menina completar dois anos, seus pais se separaram, fora algo amigável, casaram em separação total de bens, ambos eram ricos e não precisavam de nada um do outro, o único problema foi a guarda da pequena Octavia, os dois queriam ficar com a garota, mas, como na maioria dos casos, Lucinda ficou com a guarda, a sobrou para Andrew ficar com a menina nos finais de semana.

Octavia foi uma criança adorável, conquistava e cativava todos ao seu redor com sua bondade e inocência, não fora uma criança chorona nem birrenta, sabia entender os nãos, e agradecer pelos sims. A inocência não a abandonou com a chegada da pre-adolescência, ainda possuía um coração bom e generoso, queria abraçar o mundo, acabar com a fome na Africa, dar uma casa para cada morar de rua, enfim, o sonho dela era a paz mundial.

Mas tudo mudou quando ela tinha 13 anos. Sua mãe havia arrumado um namorado a pouco mais de um ano, e recentemente havia trago ele para morar com as duas, o rapaz era quase 20 anos mais novo que Lucinda e queria apenas aproveitar-se do dinheiro dela, mas ela, como uma boba apaixonada, não percebeu. Jonnhy lançava olhares estranhos para a menina que havia acabado de entrar na puberdade, a ruiva tentava ignorar, afirmando que era coisa de sua cabeça. Mas não era.

Num dos plantões de Lucinda, Octavia ficou sozinha com padrasto, e como não se sentia confortável perto do mesmo, ficou em seu quarto lendo ate pegar no sono. Acordou pouco depois com uma mão tampando sua boca, enquanto outra percorria seu corpo de maneira obscena. Foi naquela noite que a ruiva perdeu sua virgindade, sua inocência.

Jonnhy a ameaçou, disse que se contasse algo iria matar ela e sua mãe, e isso a calou por mais de um ano. Aguentou por um ano ser estuprada quase que diariamente, calada, ate que não suportou. Numa sexta feira, enquanto sua mãe a levava para a casa de seu pai, Octavia contou tudo, despejou todas as informações encima de sua mãe, estava encostou o carro no meio-fio apenas para gritar com a garota, ordenando que a mesma parasse de inventar coisas a respeito do, agora, noivo, disse que era a ruiva que se insinuava para cima de Jonnhy, e que este já havia comentado sobre isso com ela. Desse dia em diante, passou a morar com seu pai, e visitar sua mãe apenas uma vez ao mês, e esse era sempre o pior dia.

Uma das únicas coisa que a mantem sã é o teatro, no palco Octavia não precisa fingir que esta bem, que não doí, enquanto esta atuando ela se permite ser outra pessoa, e esses pequenos momentos bastam para manter sua sanidade. A dança tambem fazia parte da vida da garota, ela extravasava sua raiva através dos movimentos, mas dançava sempre sozinha, não suportava que outra pessoa a tocasse, ainda mais se seu par fosse um homem.

Seu pai não sabia o que havia acontecido e o que ainda acontecia, alias, ele não entendia a mudança de Octavia, Andrew era o único que conseguia se aproximar da filha, o único homem que podia toca-la sem que houvesse um ataque de panico e fúria. Ele sempre perguntava o que estava acontecendo com a filha, mas nunca a pressionava para que ela contasse o que estava acontecendo.

Octavia, agora com 17 anos recém-completados, esta em depressão profunda, nada consegue animar a garota. Nunca esteve numa relação, e muito menos fez sexo por vontade, pegou aversão ao contato físico e pouco demonstra sentimentos. Seu padrasto continua a ameaça-lá, diz que ira matar sua mãe se ela contar para seu pai ou para qualquer outra pessoa sobre "o relacionamento" deles, ainda impõe que ela nunca fique com rapaz nenhum, pois é só dele.

“Eu tinha um coração tão ingênuo, tão bonito. Mas agora tá tudo tão vazio, não tenho mais vontade de pedir, ou dar carinho. Não tenho vontade nem de conhecer alguém.”

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum