HERRMANN, Kiefer

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

HERRMANN, Kiefer

Mensagem por Kiefer Herrmann em Qui 15 Out 2015 - 2:36


Kiefer

─ Nome Completo:
Kiefer Herrmann Büchreuther

─ Idade:
17 anos.

─ Escola:
Winterfield Academy.

─ Grupo:
Estudante comunal de Winterfield.

Personalidade:

O alemão é de forma exagerada cuidadoso, mas não consigo mesmo e sim com os que estão ao seu redor. Apesar de seus traumas de uma infância recente (menos de cinco anos) ele não absorveu a maldade e a impureza que o ambiente em que vivia durante este tempo lhe fornecia, e por isso, age na maioria das vezes com inocência e benevolência, independente do tipo de pessoa que seja. Um outro traço dessa sua personalidade "benigna" é a vontade insaciavel de ajudar o próximo independente do que seja o que ele estiver precisando: dinheiro, comida, favores, etc. E se formos analisar de uma forma geral, quase todo mundo é capaz de passar a perna em Kiefer e dizer que é seu amigo, e com isso, extorquir o que ele dará de bandeja para quem pedir. Se formos lhe dar um adjetivo seria o de "Paizão".

Mas a vida não é um mar de rosas, nem ele é também. Kiefer tem um grave problema com seu senso critico que quase sempre controla-o, é como se ele sempre procurasse achar um defeito para poder apontar e criticar. Nem o mais perfeito dos projetos escapa da visão dele. Ele mesmo já percebeu isso e inventou a desculpa esfarrapada de que "critica pelo bem dos outros" mas o próprio sabe que faz isso para se sentir superior ao criticado. E um defeito que vem abraçado com o anterior é o de querer fazer sempre o melhor trabalho para não ser criticado negativamente, mas, isso só acaba fazendo ele mesmo criticar sua obra e não conseguir diferenciar seu lado criativo do seu lado critico. Ou seja, fazer um trabalho em grupo com ele é um desastre, porque as variaveis negativas são levadas mais em conta que as positivas, o que pode ser considerado de alguma forma um "pessimismo".

Seus medos são bem ridiculos, mas interligados á seu passado. Seu medo de oceanos e rios profundos, uma fobia incontrolavel que surgiu da sua frequente jornada em navios que navegavam entre estes locais e, por ver quase todo o dia e sofrer o risco de cair (onde ele ia não havia um apoio muito seguro já que estava escondido) desenvolveu esse medo, que também é o de se afogar. Poucas coisas no mundo fazem o alemão sentir vergonha exceto quando seu passado é exposto. Isso é capaz de desmonta-lo.
Já seus gostos.. bem.. é uma lista bem grande, mas vamos listar os principais. No âmbito gastrônomico, o Bacon reina em quase todas as refeições que o garoto faz. Se quiser subordina-lo alguma dia, ofereça bacon, provavelmente vai funcionar. Já na moda, ele só se arruma bem quando vai sair para alguma evento importante ou festa, fora isso, é bem provavel ver um Kiefer com cabelo desajeitado e com roupas aleatorias em casa ou até mesmo quando for ir na padaria. No quesito amizades, ele gosta de ter VÁRIAS, tipo, muitas mesmo. Mas tem sua preferência por pessoas com personalidade forte, rebeldes e irreverentes, mas não se acanhe se não tiver essas "qualidades", ele vai lhe tratar bem e aceitar do mesmo jeito.

Suas ambições de carreira são bem simples, já que, por já ter o restaurante que seu pai deixou ele não precisa se preocupar muito com a verba que entra na familia. Porém, ele se sente obrigado a ter um emprego que não seja "dado" ou "herdado" de ninguém, por isso, procura se formar em um grande advogado um dia, apesar de se sentir bem confortavel no ramo da fotografia mesmo que o sonho seja renegado ao se inscrever em Winterfield.

História:


Kiefer nasceu em List, uma pequena cidade no extremo norte da Alemanha que por não conseguir recursos suficientes para manter uma policia frequente, cedeu espaço á mafiosos locais. O Garoto cresceu em meio á marginais, e com seus dez anos já servia para ser um "aviãozinho" e transportar as drogas de uma cidade para outra, e fazia isso se escondendo em caminhões ou pedindo carona para pessoas que iam para esses locais. Vendo que seria algo melhor para Kiefer e que o traficante local estava interessado, sua avó deu o garoto de forma ilegal para Johan Herrmann que prometeu lhe dar uma vida digna e lhe colocar para estudar.
Se vida digna for ter apenas o direito de comer, dormir e estudar, Johan cumpriu bem sua promessa. O Homem era carrasco e avaliava o tratamento com Kiefer a partir dos resultados que ele obtinha como transportador. Então podemos apontar que a infância do menino foi bem trâumatica seja pelo fato dele ver e vender drogas ou pelo fato de ele ver até mesmo execuções na sua frente.
Mas o sofrimento acabou quando ele fez seus quatorze anos. Era seu aniversario mas ele tinha que fazer uma entrega para compradores Dinamarqueses, que geralmente só vinham uma vez no ano e pagavam bem mais que os alemães. Era uma missão importante, mas, vendo que não conseguiria mais seguir aquela vida, foi até uma delegacia próxima e denunciou Johan. A partir daquele momento ele sabia que deveria DESAPARECER da Alemanha caso não quisesse ser assasinado. E foi o que ele fez. Por ter a "habilidade" de se transportar sem ser percebido, ele pegou um navio para a América.

Durante sua viagem até a América conheceu um amigo americano que passava as férias na Alemanha mas voltara para seu país natal para trabalhar no restaurante de seu pai. Alexis Hart, o dono do restaurante em Miami foi quem reconfigurou a vida de Kiefer. No começo, Hart lhe dava em dinheiro por cada dia em que ia lavar a louça no restaurante. Mas, vendo que ele não tinha onde morar, Hart deixou o menino dormir dentro do restaurante desde que não sujasse nada e, em vez de pagar-lo lhe daria moradia. Mas durante um ano, o coração de Hart amoleceu e após saber da história de Kiefer, ele lhe colocou em um colégio particular e deixou morar em sua casa. O Menino começava a mostrar resultados, tinha um dom especial no ambito de Inglês e seu esforço para aproveitar o máximo o que lhe era dado fazia encher os olhos de Hart de orgulho. Mas a sorte ainda estava para dar mais uma cartada. O Restaurante de Hart quase foi a falência até que descobriram que, Johan Herrmann estava morto e por não ter um herdeiro - além de Kiefer - o dinheiro TODO do traficante reconhecido foi dado para Kiefer e se arredondava aos duzentos e cinco milhões de libras.

Com mais ou menos quatrocentos e dez milhões de dolares, a vida tanto de Hart, quanto a de Kiefer mudaram e muito. O Garoto começou a se vestir melhor e juntos, melhoram o Restaurante. As pessoas que tanto o despressavam no colégio passaram a admira-lo e não existia uma pessoa no colégio que não queria tirar um foto com ele. Mas aí, outro incidente aconteceu. Na festa de seus dezesseis anos, Hart organizou algo grotescamente caro e convidou um numero absurdo de pessoas. Mas as coisas não saíram muito bem. Durante a festa, os "ex-capangas" de Johan foram aterrorizar o menino e sequestraram Hart quando iam cantar o parabens para você. No final, Hart foi morto e Kiefer não pode fazer nada. Essa culpa fez ele se afastar dos seus antigos amigos e por um ano tentar procurar alguma pista do paradeiro dos capangas, até que conseguiu um. O Colégio Militar de Winterfield possuía cinco dos sobrenomes listados como os de capangas de Johan. A vingança estava lhe cegando, mas ele ainda conseguia pensar em seu futuro e por isso optou por um colégio tão "qualificadamente" bom. Mas, ele ainda sofre da perversa dúvida de, largar sua personalidade bondosa e benigna e praticar a vingança ou deixar para lá a morte do seu uno e verdadeiro pai? Ele tenta encontrar as respostas com as amizades, pois, gosta de ter bastante delas.

"We beat the money, comrade".

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: HERRMANN, Kiefer

Mensagem por Kiefer Herrmann em Sex 16 Out 2015 - 13:12

Finalizada :D

____________________

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum